Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Francisco e os Direitos Humanos

Francisco e os Direitos Humanos

01/04/2019 João Baptista Herkenhoff

“Algumas pessoas cuidam melhor dos seus cães do que dos seus irmãos.”

Comecemos este texto com a frase fulminante do Papa Francisco censurando o desprezo pelo próximo: “Algumas pessoas cuidam melhor dos seus cães do que dos seus irmãos.” Nessa perspectiva, a fraternidade é colocada como o fundamento ético dos direitos humanos.

Outro ensinamento de Francisco é encontrado na sua apóstrofe à face de estruturas econômicas injustas que geram as desigualdades. Vejamos a amplitude dos direitos humanos na visão de Jorge Mário Bergóglio:

“Os direitos humanos são violados não só pelo terrorismo, a repressão, os assassinatos, mas também pela existência de extrema pobreza e estruturas econômicas injustas, que originam as grandes desigualdades.”

Numa carta dirigida à Associação Latino-americana de Direito Penal e Criminologia, através do criminalista argentino, de prestígio mundial, Eugênio Raúl Zaffaroni, escreveu o Papa:

“Em nossa sociedade tendemos a pensar que os delitos se resolvem quando se pega e condena o delinquente, não levando em consideração o antes dos danos cometidos e sem prestar suficiente atenção à situação em que as vítimas estão. Portanto seria um erro identificar a reparação somente no castigo, confundir justiça com vingança. Isto só contribui para incrementar a violência, que está institucionalizada. A experiência nos diz que o aumento e o endurecimento das penas com frequência não resolvem os problemas sociais e nem conseguem diminuir os índices de delinquência. A delinquência tem as suas raízes nas desigualdades econômicas e sociais, nas redes de corrupção e do crime organizado. E não basta termos leis justas, mas também é necessário construir pessoas responsáveis e capazes de as pôr em prática. Devemos querer uma justiça que seja humanizadora, genuinamente reconciliadora, que leve o delinquente para um caminho de reabilitação social e total reinserção na comunidade.”

As palavras do Papa nos levam a desprezar a falsa sensação de que quanto mais dura a pena, menos crimes ocorrem. Na mesma carta acima referida, Francisco critica a cobertura que muitas vezes os meios de comunicação dão aos casos policiais, quando recorrem ao sensacionalismo. O Papa apela aos Estados para que trabalhem pela inclusão social dos delinquentes.

A exortação de Bergóglio comunga com o pensamento do jurista alemão Louk Hulsman, no livro “Penas perdidas: o sistema penal em questão”:

“Gostaríamos que quem causou um dano ou um prejuízo sentisse remorso, pesar, compaixão por aquele a quem fez mal. Mas como esperar que tais sentimentos possam nascer no coração de um homem esmagado por um castigo desmedido, que não compreende, que não aceita e não pode assimilar? Como este homem incompreendido, desprezado, massacrado, poderá refletir sobre as consequências de seu ato na vida da pessoa que atingiu? Para o encarcerado, o sofrimento da prisão é o preço a ser pago por um ato que uma justiça fria colocou numa balança desumana. E, quando sair da prisão, terá pago um preço tão alto que, mais do que se sentir quites, muitas vezes acabará por abrigar novos sentimentos de ódio e agressividade. O sistema penal endurece o condenado, jogando-o contra a “ordem social” na qual pretende reintroduzi-lo, fazendo dele uma outra vítima.”

Encontramos sintonia entre o que diz o Papa Francisco e o que diz o teólogo Paul Tillich no livro “Amor, poder e Justiça”: “O conteúdo do princípio da justiça é a exigência de tratar cada pessoa como pessoa. A justiça é sempre violada se os seres humanos são tratados como se fossem coisas.”

O Papa transmite ao mundo moderno o que disse Jesus Cristo há dois milênios: "Os sãos não necessitam de médico, mas, sim, os que estão doentes: eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores ao arrependimento." (Evangelho de Marcos, capítulo 2, versículo 17).

O Papa Francisco foi acusado de ter sido complacente com a ditadura argentina, quando exercia no país o ministério episcopal.

Adolfo Perez Esquivel, Prêmio Nobel da Paz, assumiu a defesa de Francisco afirmando que as acusações não tinham fundamento. Bergóglio privilegiou uma diplomacia silenciosa. Procurou obter, nos bastidores, notícias de desaparecidos e presos políticos.

Ao contrário da acusação de complacência, registra-se que Jorge Mário cedeu sua identidade a um fugitivo que se parecia com ele, o que permitiu ao foragido cruzar a fronteira com o Brasil.

* João Baptista Herkenhoff é Juiz de Direito aposentado (ES), palestrante e escritor.

Fonte: João Baptista Herkenhoff



Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves


Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação


Digitalização da saúde e os desafios na relação plano e consumidor

A digitalização da saúde, que compreende o uso de recursos tecnológicos e de Tecnologia da Informação (TI) para fins médicos, é um fenômeno que a cada ano se consolida e expande em todo o país.

Autor: Natália Soriani


Os equívocos do caso Robinho

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no uso de competência constitucional e regimental, analisou e, por maioria de votos, homologou o pedido de execução da sentença penal condenatória proferida pela Justiça Italiana contra o ex-jogador Robinho.

Autor: Marcelo Aith


A nova lei de licitações: o que deve mudar daqui para frente?

O sucesso dessa legislação dependerá do compromisso de todas as partes envolvidas em trabalhar juntas.

Autor: Matheus Teodoro


Exclusão de dependentes maiores de 25 anos de planos de saúde

Os magistrados têm reconhecido a existência de uma expectativa de direito por parte dos consumidores.

Autor: José Santana Junior


TikTok e a multa milionária por captura ilegal de dados biométricos no Brasil

Por utilizar métodos que ferem a Lei Geral de Proteção de Dados e o Marco Civil da Internet, o TikTok, rede social famosa por vídeos de curta duração, foi multado em R$ 23 milhões pela Justiça.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Como tornar o mundo jurídico descomplicado

A comunicação no mundo jurídico é uma das mais complicadas do mercado. Termos técnicos demais e palavras em latim, por exemplo, criam grandes obstáculos.

Autor: Gabriella Ibrahim


Por que a Meta deverá, obrigatoriamente, mudar de nome no Brasil?

A Meta, empresa dona dos aplicativos Facebook, Instagram e WhatsApp não poderá usar este nome no Brasil.

Autor: Renato Falchet Guaracho