Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Guarda compartilhada

Guarda compartilhada

20/05/2020 Paulo Tadeu Righetti Barcelos

Quais são as mudanças na convivência com os filhos durante a pandemia de Covid-19?

A pandemia do novo coronavírus impactou diretamente a sociedade e não foi diferente com as relações familiares.

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) – Lei nº 8.069/90 – tem como princípio basilar a proteção integral dos menores de 18 anos.

As decisões e deliberações que envolvem as crianças e adolescentes devem ser pautadas no melhor interesse dos mesmos.

A lei assegura aos menores de 18 anos, como direito fundamental, a convivência familiar e comunitária, inclusive aos que tenham os pais privados de liberdade.

Nesse sentido, diversas famílias, especialmente as compostas por pais divorciados e que exercem a guarda compartilhada dos filhos, estão enfrentando um grande dilema no que diz respeito ao regime de convivência entre eles.

Questiona-se: Deve ser cumprido rigorosamente o que foi eventualmente estabelecido judicialmente? A convivência deve ser mantida de forma inalterada?

E os pais que moram em cidades diferentes e utilizam muitas vezes, o transporte público para se locomoverem? Certamente, são várias as indagações sobre o assunto, o que merece uma reflexão.

É necessário pontuar as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), órgãos sanitários e diversos decretos governamentais, que recomendam o distanciamento social, no intuito de se reduzir o contágio pelo vírus.

A pandemia e a necessidade de distanciamento social surpreenderam a todos e diante de uma total excepcionalidade, as regras de convivência familiar devem ser flexibilizadas e a razoabilidade deve imperar.

Mas é sabido que quando se trata de conflitos familiares, a resolução pelo bom senso, apesar de indicada, muitas vezes não é possível e a demanda é apresentada ao Poder Judiciário.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) editou resoluções, que suspenderam os prazos processuais e estabeleceram o regime remoto de trabalho.

Com isso, diversos magistrados e servidores estão exercendo suas funções em regime de plantão, o que gera inevitavelmente uma morosidade na apreciação das ações.

Não existe uma fórmula genérica para se chegar à melhor solução para todos os casos. É necessária uma criteriosa análise do caso específico, com o intuito de resguardar o melhor interesse e a proteção integral das crianças e adolescentes.

Existindo situações que evidenciem um maior risco de contágio pelo vírus, envolvendo crianças com doenças respiratórias ou crônicas e pais que exerçam trabalho no qual o distanciamento social é inviável ou que integram o grupo de risco, a convivência física deverá ser restringida em prol do bem-estar do núcleo familiar. Destaca-se que restringir não significa suprimir.

O convívio de ambos os pais com os filhos é de fundamental importância ao desenvolvimento das crianças e adolescentes e poderá ser exercido remotamente durante o período da pandemia.

Atualmente, a tecnologia possibilita alternativas para o contato por meio eletrônico, como: ligações telefônicas, videochamadas, conversas por Whatsapp, Google meet, Skype, Zoom e diversas outras ferramentas de interação.

Outra solução possível é estabelecer “regime de compensação”. O pai ou a mãe que sofrer redução na convivência com os filhos, por morar em outra cidade ou pertencer ao grupo de risco, poderá acordar uma futura ampliação da convivência com a criança ou adolescente a ser realizada após o término do distanciamento social.

O Poder Judiciário já apreciou alguns pedidos de suspensão de visitas durante o período de pandemia e há um certo consenso entre os magistrados em restringir a convivência de um dos pais com o filho, quando for necessário assegurar a saúde e evitar o risco de contágio pelo vírus.

Se um dos pais dificultar o regime de convivência familiar do outro com o filho, – de forma injustificada ou por interesses próprios – poderá incorrer na prática de alienação parental e sofrer as respectivas sanções previstas na Lei nº 12.318/10.

Por fim, esclarecemos que as famílias devem se ajustar temporariamente a um outro formato de convivência, levando sempre em consideração, o interesse da criança e do adolescente, e especialmente, transmitindo segurança e informações adequadas, que ajudem na superação deste momento sem traumas e impactos negativos.

* Paulo Tadeu Righetti Barcelos é advogado, professor e vice-diretor da Faculdade de Direito Milton Campos.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Honorários advocatícios não podem ser compensados, e rateados, podem?

Embora o Código de Processo Civil (20150) tenha trazido avanços consideráveis acerca dos honorários advocatícios, um dispositivo em especial me chama a atenção.


Como a Lei Geral de Proteção de Dados se aplica ao setor de “food service”

A atividade está entre as que mais se utilizam das informações dos clientes; contar com sistemas de gestão adequados facilita o cumprimento da lei.


A responsabilidade civil dos influenciadores digitais

Influenciar é o ato de exercer uma ação psicológica ou uma ascendência sobre algo ou alguém.


Os vícios insanáveis e a flexibilização da Lei da Inelegibilidade

O Senado Federal aprovou no último dia 14 de setembro o projeto que flexibiliza a Lei de Inelegibilidade e garante que os políticos possam se candidatar mesmo quando tiverem as contas julgadas irregulares, desde que tenham sido punidos apenas com multa, sem imputação de débitos.


O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.


Demissão por WhatsApp não é ilegal

Entendimento da Justiça tem sido de verificar, independente do meio, postura digna e comunicação clara nos desligamentos de trabalhadores.


Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

Na última semana fomos surpreendidos pela atitude corajosa do lateral Daniel Alves que decidiu não atuar mais pelo São Paulo Futebol Clube, por conta de atrasos de salários.


As expectativas advindas do Marco Legal das Startups

É verdade que a sensação da comunidade empresarial, quando da eminência da publicação de um novo diploma legal a fim de regular determinada atividade, volta-se naturalmente aos entraves burocráticos capazes de frear e obstar a chancela de negócios.


As fraudes financeiras com bitcoins e a necessidade da punição exemplar

A ampla cobertura da mídia sobre as operações das autoridades brasileiras contra fraudes financeiras utilizando a rentabilidade das criptomoedas como forma de atrair investidores deu visibilidade à uma prática que vem crescendo exponencialmente no Brasil.


Polêmica da Anvisa: atuação do órgão no jogo entre Brasil e Argentina

Na tarde do último domingo (5 de setembro), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) paralisou a partida de futebol entre Brasil e Argentina, que jogavam pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.


As virtudes e desvirtuamentos do Novo Código Eleitoral

Tramita no Congresso Nacional o projeto do Novo Código Eleitoral com mais de novecentos artigos.


Principais impactos da LGPD nas relações de trabalho

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD - Lei nº13.709/2018) prevê regras e princípios que devem ser observados quando da utilização de dados pessoais pelas empresas privadas e públicas.