Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Guarda compartilhada

Guarda compartilhada

20/05/2020 Paulo Tadeu Righetti Barcelos

Quais são as mudanças na convivência com os filhos durante a pandemia de Covid-19?

A pandemia do novo coronavírus impactou diretamente a sociedade e não foi diferente com as relações familiares.

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) – Lei nº 8.069/90 – tem como princípio basilar a proteção integral dos menores de 18 anos.

As decisões e deliberações que envolvem as crianças e adolescentes devem ser pautadas no melhor interesse dos mesmos.

A lei assegura aos menores de 18 anos, como direito fundamental, a convivência familiar e comunitária, inclusive aos que tenham os pais privados de liberdade.

Nesse sentido, diversas famílias, especialmente as compostas por pais divorciados e que exercem a guarda compartilhada dos filhos, estão enfrentando um grande dilema no que diz respeito ao regime de convivência entre eles.

Questiona-se: Deve ser cumprido rigorosamente o que foi eventualmente estabelecido judicialmente? A convivência deve ser mantida de forma inalterada?

E os pais que moram em cidades diferentes e utilizam muitas vezes, o transporte público para se locomoverem? Certamente, são várias as indagações sobre o assunto, o que merece uma reflexão.

É necessário pontuar as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), órgãos sanitários e diversos decretos governamentais, que recomendam o distanciamento social, no intuito de se reduzir o contágio pelo vírus.

A pandemia e a necessidade de distanciamento social surpreenderam a todos e diante de uma total excepcionalidade, as regras de convivência familiar devem ser flexibilizadas e a razoabilidade deve imperar.

Mas é sabido que quando se trata de conflitos familiares, a resolução pelo bom senso, apesar de indicada, muitas vezes não é possível e a demanda é apresentada ao Poder Judiciário.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) editou resoluções, que suspenderam os prazos processuais e estabeleceram o regime remoto de trabalho.

Com isso, diversos magistrados e servidores estão exercendo suas funções em regime de plantão, o que gera inevitavelmente uma morosidade na apreciação das ações.

Não existe uma fórmula genérica para se chegar à melhor solução para todos os casos. É necessária uma criteriosa análise do caso específico, com o intuito de resguardar o melhor interesse e a proteção integral das crianças e adolescentes.

Existindo situações que evidenciem um maior risco de contágio pelo vírus, envolvendo crianças com doenças respiratórias ou crônicas e pais que exerçam trabalho no qual o distanciamento social é inviável ou que integram o grupo de risco, a convivência física deverá ser restringida em prol do bem-estar do núcleo familiar. Destaca-se que restringir não significa suprimir.

O convívio de ambos os pais com os filhos é de fundamental importância ao desenvolvimento das crianças e adolescentes e poderá ser exercido remotamente durante o período da pandemia.

Atualmente, a tecnologia possibilita alternativas para o contato por meio eletrônico, como: ligações telefônicas, videochamadas, conversas por Whatsapp, Google meet, Skype, Zoom e diversas outras ferramentas de interação.

Outra solução possível é estabelecer “regime de compensação”. O pai ou a mãe que sofrer redução na convivência com os filhos, por morar em outra cidade ou pertencer ao grupo de risco, poderá acordar uma futura ampliação da convivência com a criança ou adolescente a ser realizada após o término do distanciamento social.

O Poder Judiciário já apreciou alguns pedidos de suspensão de visitas durante o período de pandemia e há um certo consenso entre os magistrados em restringir a convivência de um dos pais com o filho, quando for necessário assegurar a saúde e evitar o risco de contágio pelo vírus.

Se um dos pais dificultar o regime de convivência familiar do outro com o filho, – de forma injustificada ou por interesses próprios – poderá incorrer na prática de alienação parental e sofrer as respectivas sanções previstas na Lei nº 12.318/10.

Por fim, esclarecemos que as famílias devem se ajustar temporariamente a um outro formato de convivência, levando sempre em consideração, o interesse da criança e do adolescente, e especialmente, transmitindo segurança e informações adequadas, que ajudem na superação deste momento sem traumas e impactos negativos.

* Paulo Tadeu Righetti Barcelos é advogado, professor e vice-diretor da Faculdade de Direito Milton Campos.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Geração de caixa através dos tributos em meio a pandemia

Mesmo antes da pandemia do COVID-19 que surpreendeu o mundo com sua capacidade de disseminação, espera-se que, no Brasil, existam possibilidades de redução da carga tributária, sem que seja necessária discussão judicial que, consequentemente, passa por um longo caminho processual até que o contribuinte tenha o efetivo resultado.


STF e a concentração dos poderes

São poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário (art. 2º da CF/88), com funções e atribuições previstas pelo poder Constituinte de 88.


É permitido despejo durante a pandemia?

É fato que todos nós estamos passando por um momento nunca visto na história recente de nossas vidas.


STJ julgará a validade da incidência do fator previdenciário na aposentadoria dos professores

O Superior Tribunal de Justiça agendou para esta quarta-feira (27 de maio) julgamento sobre a incidência ou não do fator previdenciário no cálculo da renda mensal inicial da aposentadoria por tempo de contribuição de professor, quando a implementação dos requisitos necessários à obtenção do benefício se der após 1999 (Lei n. 9.876/1999).


Carteira de Identificação da Pessoa com Autismo na proteção dos direitos humanos

Apesar da lei já estar em vigor, não se tem previsão exata de sua aplicação.



Decisões liminares de despejo durante a pandemia e o Projeto de Lei 1.179/20

Conforme tem sido amplamente noticiado, a pandemia causada pelo coronavírus importará em diversas e importantes consequências jurídicas e sociais para o nosso país.


Toyota indenizará por atraso em entrega de veículo

Cliente com câncer usaria o carro para se locomover até a cidade onde fazia tratamento.


Rede de cosméticos é condenada por obrigar consultora a mudar visual

Como ressaltou a magistrada, a aparência dos cabelos não altera a capacidade de trabalho da consultora de beleza.


Cláusula de foro de eleição em tempos de COVID-19

Quando as partes contratantes optam pela inserção de uma cláusula de eleição de foro em seu contrato, classifica-se essa escolha como uma causa de competência relativa.


Pedidos de recuperação judicial aumentarão exponencialmente no segundo semestre de 2020

Essa renegociação poderá salvar diversas empresas da falência ou de uma recuperação judicial.


O direito à privacidade na pandemia e para além dela

Em meio à crise do Covid-19, muitas questões têm surgido acerca da privacidade e dos limites quanto ao uso de dados pessoais nesse momento de pandemia, ainda que a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) não esteja vigente e, até esse momento, não se tenha decidido quando passará a viger.