Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Holding familiar é alternativa para reduzir perda patrimonial de herdeiros

Holding familiar é alternativa para reduzir perda patrimonial de herdeiros

22/11/2022 Divulgação

Pelo método convencional, utilizando o inventário, a perda de patrimônio gira em torno de 16% e 30%. Na holding familiar, esse número fica entre 3% e 4%.

Segundo dados do Colégio Notarial do Brasil, o número de inventários em 2021 subiu 40% em relação à 2020, um crescimento recorde que reflete as mortes causadas pela pandemia da COVID-19.

Perante esse cenário, o planejamento sucessório tem sido um assunto recorrente nos últimos anos.

Enquanto empresários e investidores optam pelo caminho tradicional de dividir o patrimônio após o falecimento do proprietário, um dos métodos de planejamento sucessório que funciona como alternativa é a holding familiar, considerada menos burocrática por não precisar de um inventário, obrigatório em situações de testamentos e que pode gerar perda patrimonial entre 16% e 30%.

Já em uma holding familiar, com o planejamento em vida, esse custo de perda patrimonial cai para 3% ou 4%. 

A holding familiar é um modelo que envolve um processo multidisciplinar, abrangendo matérias de cunho familiar, sucessório, imobiliário, societário, tributário e contábil.

O planejamento via holding familiar é indicado para qualquer família que tenha por objetivo estruturar em vida a partilha de seu patrimônio com possibilidades tributárias mais benéficas e segurança jurídica, inclusive no caso de sucessão de controle das empresas operacionais.

Por serem complexas, essas estruturas variam de caso a caso, podendo abarcar a criação de mais de uma camada estrutural de proteção dos bens, tanto para sua correta alocação, como também para eficiência sob o ponto de vista tributário, diminuindo tanto a exposição dos bens, quanto a carga tributária incidente.

Em uma holding familiar a distribuição do patrimônio aos herdeiros é feita em vida por meio de uma doação das cotas sociais – respeitadas as normas impositivas relacionadas à vocação hereditária –, gravadas com algumas cláusulas que assegurem ao doador o direito de se manter no controle de tudo enquanto estiver vivo.

Sobre a doação das cotas sociais, o doador recolherá o ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação), cuja base de cálculo pode variar de acordo com a legislação estadual do domicílio do doador.

No tocante aos custos com a estrutura societária, tudo dependerá da conjuntura familiar, bem como das estratégias adotadas que melhor atendam às necessidades de cada família de modo que o valor patrimonial não é o único balizador dos custos envolvidos, variando estes de acordo com a definição estrutural societária de menor ou maior complexidade, de acordo com o propósito definido pela família.

De acordo com o advogado da BMM - Bicudo, Matos e Morais Advocacia Personalizada, Rafael Matos, na holding familiar cada membro da família possui cotas, semelhante ao funcionamento de uma sociedade.

“Apesar dessa doação patrimonial aos herdeiros ocorrer em vida, será o titular que controlará tudo enquanto estiver vivo. Após o falecimento do titular, os herdeiros passam a administrar suas próprias partes integralmente. É uma garantia tanto para o titular quanto para os herdeiros que o patrimônio será transferido de forma segura e sem maiores problemas”, informa Matos.

Desta forma, respeitada as premissas impositivas da lei, dentro do mecanismo da holding familiar a partilha dos bens é feita em vida de acordo com o ato de vontade do titular dos bens.

Ademais, esse modelo flexibiliza a antecipação da herança, evita bloqueio de bens e economiza custos de ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doações, ITBI (Imposto de Transmissão de bens Intervivos) e IR (Imposto de Renda).

Para mais informações sobre holding familiar clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: LB Comunica



Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano


Relatório de Transparência Salarial e o prazo de preenchimento para as empresas

Em janeiro, foi anunciado o prazo para as empresas com mais de 100 empregados realizarem o preenchimento ou retificação do Relatório de Transparência Salarial.

Autor: Anna Carolina Gogolla Kalmus 


Eleitores abrem processo contra a cidade devido ao fluxo de imigrantes ilegais

O movimento destaca a necessidade de uma abordagem imigratória que favoreça a população local.

Autor: Divulgação


Cancelamento do plano de saúde por falta de pagamento

Nos últimos anos, tem se tornado cada vez mais comum ouvir relatos de consumidores que tiveram seus planos de saúde cancelados de forma abrupta e sem aviso prévio devido à falta de pagamento.

Autor: José Santana Júnior


Associação das Microcervejarias do Paraná processa CREA/PR e CRQ/PR

Uma ação civil pública da Associação das Microcervejarias do Estado do Paraná (Procerva) contra o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA/PR) e o Conselho Regional de Química (CRQ/PR) questiona a obrigatoriedade que os órgãos impunham ao setor sobre a necessidade de registro das cervejarias nas entidades, principalmente, sobre o pagamento de taxas e anuidades.

Autor: Divulgação


Lei de Improbidade e a exigência da comprovação do dolo

Não se pode condenar um servidor público, por exemplo, por indícios de improbidade.

Autor: Ana Toledo


Existe prisão em flagrante por homofobia?

Indignação com caso de homofobia ocorrido em padaria gera dúvidas sobre punição prevista para crimes de preconceito.

Autor: Divulgação


Mudanças nas regras sobre nacionalidade brasileira

No âmbito do Direito Constitucional, 2023 ficou marcado por mais uma mudança nas regras que disciplinam a nacionalidade brasileira.

Autor: Michele Hastreiter e Mariane Silverio