Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Homofobia e Trabalho

Homofobia e Trabalho

02/04/2019 Maria Inês Vasconcelos

O trabalho foi e sempre será palco de enorme significado para o trabalhador.

É no trabalho que passamos a maior parte da vida e, é através dele que construímos a nossa identidade e a mantemos. Por isso, importante que o trabalho seja prestado em condições e padrões saudáveis, livre de opressões e assédio.

Pois bem, a homofobia está na pauta do dia e vem se perguntando muito, de que forma se deve tratar o assunto, quando isso ocorre no trabalho. Certo é que essa conduta não é ainda considerada, em sentido estrito, crime no Brasil.

Algumas opressões já foram criminalizadas, como o racismo e a violência em face das mulheres, mas a Lei Penal ainda não tratou desse grupo tão vulnerável.

Contudo, no âmbito do trabalho, a falta de legislação criminal específica, não impede que as condutas discriminatórias e homofóbicas sejam duramente punidas.

Dessa forma, ainda que o direito penal não tenha tratado com especificidade sobre a matéria, o que certamente ocorrerá; no direito do trabalho, há várias formas de se coibir o assédio e a violência em razão de práticas homofóbicas.

O art. da Constituição Federal, especificamente no inciso IV, constitui como objetivo fundamental “promover o bem de todos sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.” Já o artigo 5º da mesma Carta veda expressamente qualquer “discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais”.

Pela leitura desses artigos está claro que a orientação sexual é uma liberdade protegida pelo Estado e que há um direito a ser ou não homossexual.

Com arrimo nestes dispositivos, ações com alegação de assédio em razão de homofobia, ou de atos atentatórios à liberdade de opção sexual, vem sendo repelidos pelos Tribunais do Trabalho, aplicando-se ao assediador duras condenações.

Na realidade houve enorme avanço neste campo. A inclusão é quase uma obrigação. É demodê chancelar o assédio ou legitimar condutas nas quais um trabalhador possa ser assediado pelo fato de ser homossexual.

A orientação sexual é muito íntima. É como religião. Cada um segue a que quiser, mas não é fácil integrar grupos de minoria, porque as minorias sempre foram alvo de ataques. É a cultura da exclusão, da alienação e os vestígios antissemitas.

Por isso, aquela história de se fazer piadinhas, diminuir, menosprezar, gelar, perseguir e humilhar o trabalhador pelo fato de sua orientação sexual, pode custar caro. Não há mais lugar para dinâmicas de trabalho que acomode a violência, dessa forma.

O judiciário está atento e os noticiados avanços ocorreram em razão de atitudes e denúncias individuais que provocaram benefícios ao grupo, fazendo os magistrados se conscientizarem de que o fenômeno existe e precisa de atuação forte da Justiça, que a única que pode fazer cumprir o que está nas Leis desse país.

Portanto, na plataforma do trabalho, a livre orientação sexual e livre identidade de gênero, não vem sendo inviabilizadas, pela falta de Lei Penal. O fato de não haver criminalização da homofobia não impede que se puna a violência e discriminação em face da população LGBTQ.

Pontue-se, entretanto, que a situação vai se tornar ainda mais rígida, eis que o Supremo Tribunal Federal (STF) já sinalizou, por meio do ministro Celso de Mello, que não seja fixado um prazo para que o Congresso edite uma lei sobre o tema, como pedem as ações, mas que, enquanto parlamentares não se manifestem, a homofobia e a transfobia sejam enquadradas na Lei do Racismo (Lei 7.716/1989).

Segundo Mello, o conceito de racismo se aplica à discriminação contra grupos sociais minoritários e não só contra negros – um ponto controverso entre especialistas da área.

Mas até que isso ocorra vamos seguir coibindo, pois, a Constituição não autoriza sofrimento, e tampouco a hierarquização da sexualidade.

A inclusão é uma bandeira que todos nós devemos carregar, pois a diversidade é paradigma constitucional, além do que, ao traçar políticas que fortalecem a inclusão, quem ganha são as próprias empresas.

É por isso que o Judiciário Trabalhista, ao rechaçar e punir a cultura homofóbica, acaba ajudando a modificar paradigmas, construir novas formas de convivência no trabalho, e ensina sobretudo, a praticar a integralidade, maior pilar do regime constitucional de liberdades.

* Maria Inês Vasconcelos é advogada trabalhista, especialista em direito do trabalho, professora universitária, escritora.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Licença e afastamento do servidor público: Como funciona?

Você já sabe que para o servidor público, existem várias leis e regras diferentes dos trabalhadores da iniciativa privada; por isso, é importante ficar atento a essas normas.


Fraudes podem diminuir a chance do Green Card

Advogado especialista em direito internacional, Daniel Toledo explica o que fazer ao suspeitar de problemas com o investimento.


Queda do WhatsApp pode gerar indenização aos usuários que tiveram prejuízo

Para o especialista em Direito do Consumidor, Marco Antonio Araujo Junior, comunicador instantâneo se enquadra como serviço pelo Código de Defesa do Consumidor.


Revista de empregados: os limites do poder diretivo e disciplinar do empregador

A relação de emprego tem características inconfundíveis.


O STF desprestigiado pelas ações políticas

Realmente, tornou-se um nefasto hábito, os políticos acionarem o Judiciário quando não conseguem bem encaminhar seus projetos ou perdem votações no âmbito do Legislativo.


Trabalho escravo da fé e a relação entre pastores e igrejas no Brasil

Os tribunais brasileiros estão recebendo uma série de ações de pastores e ministros de igrejas contra o chamado “trabalho escravo da fé”.


Embate entre condomínio e proprietário para locação por aplicativo vai parar no STJ

Para especialista, muitas vezes as multas condominiais aplicadas aos usuários da locação por aplicativo não são suficientes para coibir abusos.


Honorários advocatícios não podem ser compensados, e rateados, podem?

Embora o Código de Processo Civil (20150) tenha trazido avanços consideráveis acerca dos honorários advocatícios, um dispositivo em especial me chama a atenção.


Como a Lei Geral de Proteção de Dados se aplica ao setor de “food service”

A atividade está entre as que mais se utilizam das informações dos clientes; contar com sistemas de gestão adequados facilita o cumprimento da lei.


A responsabilidade civil dos influenciadores digitais

Influenciar é o ato de exercer uma ação psicológica ou uma ascendência sobre algo ou alguém.


Os vícios insanáveis e a flexibilização da Lei da Inelegibilidade

O Senado Federal aprovou no último dia 14 de setembro o projeto que flexibiliza a Lei de Inelegibilidade e garante que os políticos possam se candidatar mesmo quando tiverem as contas julgadas irregulares, desde que tenham sido punidos apenas com multa, sem imputação de débitos.


O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.