Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Incertezas provocadas pelo tabelamento dos fretes

Incertezas provocadas pelo tabelamento dos fretes

29/08/2018 Gustavo Milaré e João Pedro Alves Pinto

A recente greve dos caminhoneiros provocou uma série de reflexos na economia brasileira.

Mudanças legislativas estão sendo elaboradas e o reflexo futuro não parece ser positivo A questão do tabelamento dos fretes é uma das pautas que provoca discórdia e poderá gerar um impacto negativo no cenário político-econômico do país.

Pouco mais de dois meses após sua adoção, a Medida Provisória (MP) nº 832, de 27 de maio de 2018, foi convertida na Lei nº 13.703, de 8 de agosto de 2018, que instituiu a chamada Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas.

Na prática, essa política consistiu no tabelamento dos fretes dos caminhoneiros, o que desagradou diversos setores da nossa economia, entre os quais o do agronegócio. Para a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a imposição do tabelamento do frete rodoviário elevará o custo de operação das empresas, podendo ameaçar a produção agrícola em áreas distantes dos grandes centros e, inevitavelmente, acarretando o aumento dos preços dos alimentos.

Tanto é que, em recente estudo que divulgou, a CNA estima um aumento de 12,1% no preço de alimentos como arroz, feijão, leite, ovos, tubérculos, frutas e legumes, em razão do tabelamento dos fretes rodoviários. Outras entidades do setor, como a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (ABIOVE), a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (ANEC) e a Associação Brasileira dos Produtores de Soja (APROSOJA), igualmente manifestaram essa preocupação, tendo afirmado que os preços de combustíveis, como a gasolina e o diesel, também serão afetados.

Considerando que o transporte rodoviário é o principal meio de escoamento da produção no país e que o transporte representa de 20% a 40% do preço final de um produto, é certo que os aumentos decorrentes do tabelamento dos fretes serão diretamente repassados para o consumidor, afetando sobretudo aqueles de renda mais baixa.

Daí porque indústrias e empresas do setor têm estudado alternativas para a logística dos seus produtos, como o uso de frota própria em “trechos valorizados” e a consequente terceirização apenas das demais rotas, economicamente menos “atrativas”.

Embora já tenha sido provocado para decidir sobre a constitucionalidade das referidas normas, o Poder Judiciário ainda não se manifestou, como, por exemplo, verifica-se com o pedido de suspensão integral da referida lei até julgamento final sobre sua constitucionalidade, formulado pela CNA na ação direta de inconstitucionalidade (ADIn) que propôs e que está pendente de apreciação pelo relator designado, Ministro Luiz Fux.

Ocorre que as críticas ao tabelamento dos fretes rodoviários não se limitam às indústrias e empresas afetadas, do agronegócio e de outros setores, mas ecoam também entre os próprios caminhoneiros, que indicam a inviabilidade de cumprir os preços mínimos fixados até 20.1.2019 pela Resolução nº 5.820, de 30 de maio de 2018, da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), que, aliás, já foram informalmente considerados anticompetitivos pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

Infelizmente, esse cenário de incertezas ainda não tem data para acabar, o que implica uma necessária adaptação de todos os atores envolvidos, notadamente para as indústrias e empresas de um setor tão vital para o Brasil como o do agronegócio, a fim de gerar relações “ganha-ganha” com os caminhoneiros - peça fundamental e indispensável no seu negócio – e com os consumidores dos seus produtos, a fim de minimizar os impactos de tal política econômica.

* Gustavo Milaré é advogado, mestre e doutor em Direito Processual Civil, sócio do escritório Meirelles Milaré Advogados.

* João Pedro Alves Pinto é advogado associado do escritório Meirelles Milaré Advogados.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Dengue x Covid-19

Demora no tempo de espera por atendimento hospitalar pode tornar caso jurídico.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano


Relatório de Transparência Salarial e o prazo de preenchimento para as empresas

Em janeiro, foi anunciado o prazo para as empresas com mais de 100 empregados realizarem o preenchimento ou retificação do Relatório de Transparência Salarial.

Autor: Anna Carolina Gogolla Kalmus 


Eleitores abrem processo contra a cidade devido ao fluxo de imigrantes ilegais

O movimento destaca a necessidade de uma abordagem imigratória que favoreça a população local.

Autor: Divulgação


Cancelamento do plano de saúde por falta de pagamento

Nos últimos anos, tem se tornado cada vez mais comum ouvir relatos de consumidores que tiveram seus planos de saúde cancelados de forma abrupta e sem aviso prévio devido à falta de pagamento.

Autor: José Santana Júnior


Associação das Microcervejarias do Paraná processa CREA/PR e CRQ/PR

Uma ação civil pública da Associação das Microcervejarias do Estado do Paraná (Procerva) contra o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA/PR) e o Conselho Regional de Química (CRQ/PR) questiona a obrigatoriedade que os órgãos impunham ao setor sobre a necessidade de registro das cervejarias nas entidades, principalmente, sobre o pagamento de taxas e anuidades.

Autor: Divulgação


Lei de Improbidade e a exigência da comprovação do dolo

Não se pode condenar um servidor público, por exemplo, por indícios de improbidade.

Autor: Ana Toledo


Existe prisão em flagrante por homofobia?

Indignação com caso de homofobia ocorrido em padaria gera dúvidas sobre punição prevista para crimes de preconceito.

Autor: Divulgação