Portal O Debate
Grupo WhatsApp

IPI na revenda de bens importados pode ser considerado inconstitucional pelo STF

IPI na revenda de bens importados pode ser considerado inconstitucional pelo STF

26/06/2020 Divulgação

A cobrança, cuja definição de constitucionalidade ainda está nas mãos do Supremo, fere o princípio da isonomia tributária.

O Plenário do Supremo Tribunal Federal começou a julgar o Recurso Extraordinário nº 946.648/SC, em que discute se a incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na revenda de bens importados para o mercado interno viola o princípio constitucional da isonomia tributária. Isso significa que, se a corte considerar que há dupla incidência, as empresas que fazem esse tipo de transação não terão que pagar o imposto.

Para Urick Soares, advogado da área tributária do escritório Andrade Silva Advogados, a expectativa dos empresários é que a cobrança seja considerada inconstitucional, uma vez que ela representa uma sobrecarga tributária que compromete consideravelmente a atividade e a competitividade dessas empresas. “A União estaria cobrando um imposto estadual travestido de federal. A mera revenda de produto importado, sem qualquer etapa prévia de industrialização, traduz-se em circulação de mercadoria, materialidade essa própria do ICMS, mas não do IPI”, argumenta.

Nesse sentido, uma vez que o estabelecimento nacional industrializador que produz e comercializa mercadorias para consumo só sofre incidência do IPI na saída do produto, o princípio da isonomia tributária estaria sendo violado. Afinal, a importadora não realiza qualquer atividade de industrialização, mas, mesmo assim, arca com a incidência tributária da atividade industrial.

Urick destaca ainda o fato de que o Brasil é signatário do General Agreement on Tariffs and Trade – GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio). “Um dos pilares essenciais deste acordo é o princípio da não-discriminação. Ele expressa que, em relação a impostos e encargos relacionados à importação e exportação de produtos, ou mesmo sobre seus métodos de cobrança, não deve haver tratamento menos favorável a produtos similares, sejam eles produzidos na indústria interna ou importados. Com a dupla incidência, decorrente de uma equiparação equivocada, promove-se tratamento favorecido ao produto nacional”, explica.

Histórico

O caso teve origem em um mandado de segurança impetrado por uma sociedade limitada exportadora, importadora e comercializadora de vidros, espelhos e molduras, sediada em Santa Catarina. A impetrante explicita que a atividade de importação consiste apenas em importar o produto acabado do exportador estrangeiro e revendê-lo aos varejistas e atacadistas nacionais.

No julgamento, o ministro Marco Aurélio foi o primeiro a proferir voto. Ele se posicionou de forma favorável aos contribuintes. Segundo seu entendimento, o fato gerador previsto no artigo 46, inciso II, do Código Tributário Nacional (CTN), quando direcionado ao mercado interno, alcança as operações realizadas por indústrias, sendo o industrial, portanto, o devedor constitucional do tributo.

Além disso, o ministro ressaltou que a incidência de IPI sobre a revenda de produto importado que não sofre qualquer tipo de industrialização colocaria o produto nacional em vantagem competitiva, promovendo assim, a discriminação de preços em relação ao seu similar importado, fato esse que não apresenta nenhuma base isonômica constitucional. Porém, após o voto de Marco Aurélio, o julgamento foi suspenso pelo pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes.

Fonte: Partners



Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves


Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação