Portal O Debate
Grupo WhatsApp

IPI na revenda de bens importados pode ser considerado inconstitucional pelo STF

IPI na revenda de bens importados pode ser considerado inconstitucional pelo STF

26/06/2020 Divulgação

A cobrança, cuja definição de constitucionalidade ainda está nas mãos do Supremo, fere o princípio da isonomia tributária.

O Plenário do Supremo Tribunal Federal começou a julgar o Recurso Extraordinário nº 946.648/SC, em que discute se a incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na revenda de bens importados para o mercado interno viola o princípio constitucional da isonomia tributária. Isso significa que, se a corte considerar que há dupla incidência, as empresas que fazem esse tipo de transação não terão que pagar o imposto.

Para Urick Soares, advogado da área tributária do escritório Andrade Silva Advogados, a expectativa dos empresários é que a cobrança seja considerada inconstitucional, uma vez que ela representa uma sobrecarga tributária que compromete consideravelmente a atividade e a competitividade dessas empresas. “A União estaria cobrando um imposto estadual travestido de federal. A mera revenda de produto importado, sem qualquer etapa prévia de industrialização, traduz-se em circulação de mercadoria, materialidade essa própria do ICMS, mas não do IPI”, argumenta.

Nesse sentido, uma vez que o estabelecimento nacional industrializador que produz e comercializa mercadorias para consumo só sofre incidência do IPI na saída do produto, o princípio da isonomia tributária estaria sendo violado. Afinal, a importadora não realiza qualquer atividade de industrialização, mas, mesmo assim, arca com a incidência tributária da atividade industrial.

Urick destaca ainda o fato de que o Brasil é signatário do General Agreement on Tariffs and Trade – GATT (Acordo Geral de Tarifas e Comércio). “Um dos pilares essenciais deste acordo é o princípio da não-discriminação. Ele expressa que, em relação a impostos e encargos relacionados à importação e exportação de produtos, ou mesmo sobre seus métodos de cobrança, não deve haver tratamento menos favorável a produtos similares, sejam eles produzidos na indústria interna ou importados. Com a dupla incidência, decorrente de uma equiparação equivocada, promove-se tratamento favorecido ao produto nacional”, explica.

Histórico

O caso teve origem em um mandado de segurança impetrado por uma sociedade limitada exportadora, importadora e comercializadora de vidros, espelhos e molduras, sediada em Santa Catarina. A impetrante explicita que a atividade de importação consiste apenas em importar o produto acabado do exportador estrangeiro e revendê-lo aos varejistas e atacadistas nacionais.

No julgamento, o ministro Marco Aurélio foi o primeiro a proferir voto. Ele se posicionou de forma favorável aos contribuintes. Segundo seu entendimento, o fato gerador previsto no artigo 46, inciso II, do Código Tributário Nacional (CTN), quando direcionado ao mercado interno, alcança as operações realizadas por indústrias, sendo o industrial, portanto, o devedor constitucional do tributo.

Além disso, o ministro ressaltou que a incidência de IPI sobre a revenda de produto importado que não sofre qualquer tipo de industrialização colocaria o produto nacional em vantagem competitiva, promovendo assim, a discriminação de preços em relação ao seu similar importado, fato esse que não apresenta nenhuma base isonômica constitucional. Porém, após o voto de Marco Aurélio, o julgamento foi suspenso pelo pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes.

Fonte: Partners



As novas regras e as lacunas do teletrabalho

No último dia 3 de agosto, o Senado Federal aprovou o projeto de lei de conversão da Medida Provisória 1.108/2022, que cria novas regras para o teletrabalho no Brasil.


Pais, quais são os seus direitos?

Embora ainda não haja um direito específico para esse público, há casos em que eles recebem o equivalente ao salário maternidade.


As Eleições de 2022 e o grande desafio da LGPD

A produção e uso de dados de eleitores é um recurso frequentemente utilizado por chapas concorrentes durante o período eleitoral.


A evolução na legislação do teletrabalho no Brasil

As transformações nas relações trabalhistas impostas pela pandemia da Covid-19 foram fundamentais para solidificar algumas flexibilizações previstas na reforma trabalhista.


Decisão do TST traz repercussão ao salário dos aprendizes

Como é de conhecimento da grande maioria dos departamentos de Recursos Humanos, a elaboração do cálculo do salário do aprendiz nunca foi assunto fácil.


Em briga de marido e mulher, o condomínio é obrigado a meter a colher

Está cada vez mais em desuso a frase retrógrada que recomenda: “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.


Lei de Improbidade, STF e o futuro das eleições

Nessa próxima semana o Supremo Tribunal Federal poderá alterar os rumos das Eleições de outubro.


A safra futura pode ser considerada bem essencial em caso de recuperação judicial?

A safra futura, na maioria dos casos, serve de fomento para a nova plantação e é responsável pelo giro de capital do produtor rural, sendo imprescindível para as atividades produtivas, principalmente para o empresário rural em crise.


Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.


Bolsas, exchanges cripto e o funcionamento dos mercados

Esses dias conversava com um jovem investidor de criptomoedas que nunca havia operado em bolsa de valores (sim, eles existem).


União Federal permite a utilização de prejuízo fiscal em transação tributária

Desde 2020, grandes devedores podem regularizar seus débitos tributários por meio da celebração de Acordo de Transação Individual.