Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Lei 13.467/2017, “reforma trabalhista”?

Lei 13.467/2017, “reforma trabalhista”?

20/06/2018 Sérgio Murilo Diniz Braga

O custo do lucro não pode ser a desintegração da dignidade, da cidadania e dos direitos humanos.

Passados alguns meses da vigência da Lei 13.467/17, já temos a certeza de que nenhuma das justificativas apresentadas para a sua existência foram cumpridas e certamente não serão.

O aumento do desemprego e a precarização das relações de trabalho em razão da nova lei, estão levando a classe trabalhadora brasileira aos idos da primeira revolução industrial, onde conviveram escravidão e servidão à serviço do lucro desumanizado.

Não sou contra o lucro, afinal, vivemos em uma sociedade capitalista, mas o custo do lucro não pode ser a desintegração da dignidade humana, da cidadania e dos direitos humanos. Os reflexos perversos da referida lei estão a nos cercar.

Denúncias sobre a ofensa da Lei 13.467/17 a vários tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário, têm sido realizadas por parte de várias entidades representativas dos trabalhadores e da advocacia.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT), nessa última semana, deliberou por conceder prazo até novembro de 2018 para que o governo brasileiro explique e justifique o fato apurado pelos seus peritos, de que a nova lei descumpre várias de suas convenções.

A nossa classe, dos advogados, está assistindo à imposição de uma verdadeira mordaça no trabalhador, que se vê acuado. É o que retrata a redução das demandas trabalhistas em razão da Lei 13.4671/17, que dentre suas excrescências, estabeleceu que mesmo estando o trabalhador sob o pálio da justiça gratuita, deverá arcar com custas e honorários de sucumbência em relação a cada um de seus pedidos porventura julgados improcedentes.

A redução das demandas trabalhistas já ultrapassa 80% e isso, frise-se, não é em razão do total cumprimento dos direitos trabalhistas por parte das empresas, mas sim, pelo medo dos trabalhadores de serem condenados a pagar com sua verba alimentar, para seus empregadores, as custas e honorários, caso não consigam provar o descumprimento de seus direitos.

O acesso à justiça e a segurança jurídica, preceitos constitucionais vigentes, bem como os direitos humanos e sociais da classe trabalhadora brasileira estão sendo comprometidos pela Lei 13.467/17, assim como a Justiça do Trabalho que, nos últimos anos, tem sido precarizada pelo Estado Brasileiro com a redução de valores no orçamento público.

Isso não pode continuar. Todos nós, operadores do direito, juramos defender a Constituição da República Federativa do Brasil e é isso que esperamos de nossa instituição que, até agora, não se posicionou, como deveria, contra a Lei 13.467/17.

* Sérgio Murilo Diniz Braga é presidente da CAA Vanguarda- Caixa de Assistência dos Advogados de Minas Gerais.

Fonte: Naves Coelho Assessoria e Marketing



Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano


Relatório de Transparência Salarial e o prazo de preenchimento para as empresas

Em janeiro, foi anunciado o prazo para as empresas com mais de 100 empregados realizarem o preenchimento ou retificação do Relatório de Transparência Salarial.

Autor: Anna Carolina Gogolla Kalmus 


Eleitores abrem processo contra a cidade devido ao fluxo de imigrantes ilegais

O movimento destaca a necessidade de uma abordagem imigratória que favoreça a população local.

Autor: Divulgação


Cancelamento do plano de saúde por falta de pagamento

Nos últimos anos, tem se tornado cada vez mais comum ouvir relatos de consumidores que tiveram seus planos de saúde cancelados de forma abrupta e sem aviso prévio devido à falta de pagamento.

Autor: José Santana Júnior


Associação das Microcervejarias do Paraná processa CREA/PR e CRQ/PR

Uma ação civil pública da Associação das Microcervejarias do Estado do Paraná (Procerva) contra o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA/PR) e o Conselho Regional de Química (CRQ/PR) questiona a obrigatoriedade que os órgãos impunham ao setor sobre a necessidade de registro das cervejarias nas entidades, principalmente, sobre o pagamento de taxas e anuidades.

Autor: Divulgação


Lei de Improbidade e a exigência da comprovação do dolo

Não se pode condenar um servidor público, por exemplo, por indícios de improbidade.

Autor: Ana Toledo


Existe prisão em flagrante por homofobia?

Indignação com caso de homofobia ocorrido em padaria gera dúvidas sobre punição prevista para crimes de preconceito.

Autor: Divulgação


Mudanças nas regras sobre nacionalidade brasileira

No âmbito do Direito Constitucional, 2023 ficou marcado por mais uma mudança nas regras que disciplinam a nacionalidade brasileira.

Autor: Michele Hastreiter e Mariane Silverio