Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Luz de esperança para milhares de vítimas de pirâmide financeira no Brasil

Luz de esperança para milhares de vítimas de pirâmide financeira no Brasil

08/06/2023 Jorge Calazans

A partir dessa terça, 6 de maio, milhares de vítimas das chamadas pirâmides financeiras têm uma nova luz de esperança de que possam reaver seus recursos investidos nesse que é um dos tipos de crime que cresce de forma alarmante no Brasil.

A data marca a instauração, na Câmara dos Deputados, da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) das criptomoedas.

O objetivo dessa CPI, que terá prazo de funcionamento de 120 dias, prorrogável por até 60 dias, e que será formada por 32 titulares e 32 suplentes, todos indicados pelas lideranças partidárias, é investigar 11 empresas que foram identificadas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), acusadas de divulgarem falsas informações sobre projetos, com promessa de alta rentabilidade, mas que na realidade apenas usavam essa estratégia para atrair as vítimas em um esquema de pirâmide financeira.

Entre as empresas investigadas está a Atlas Quantum, que depois de parar de pagar os investidores, em 2019, soma um prejuízo aproximado de 7 bilhões de dólares a 200 mil pessoas. Um estrago sem tamanho na vida de milhares de brasileiros.

Vale destacar que, no contrassenso sustentado pelo sentimento de impunidade que até então o move, Rodrigo Marques dos Santos, CEO da Atlas Quantum, cujo comportamento negligente e supostamente fraudulento afetou a vida de muitos investidores, está atualmente residindo confortavelmente na Europa, a salvo do alcance imediato das autoridades brasileiras, enquanto suas vítimas tentam buscar a justiça e sua dignidade.

É nesse cenário que a CPI mostra a sua relevância. Ela traz esperança de que o caso seja reexaminado com o rigor que merece.

Desde o início do escândalo envolvendo a Atlas, as vítimas tentaram sem sucesso obter uma resolução concreta através das autoridades do Estado de São Paulo.

Apesar dos inúmeros pedidos de intervenção e da ação civil pública impetrada por um grupo de vítimas, o que se ouve é um silêncio ensurdecedor daqueles que estão em posição de fazer a diferença.

A CPI é a chance para que se coloque novamente este caso sob os holofotes e intensifique seus esforços para garantir que Marques, CEO da Atlas Quantum, seja responsabilizado por suas ações.

Os investidores, muitos dos quais perderam quantias significativas devido à sua conduta imprudente, merecem a justiça que até agora tem sido negada a eles.

A luta pela justiça é por todos aqueles que foram vítimas da má conduta financeira. Espera-se que a CPI envie uma mensagem clara: a impunidade não deve ser tolerada, e aqueles que abusam da confiança de seus investidores devem enfrentar as consequências de seus atos.

* Jorge Calazans é advogado criminalista, sócio do Escritório Calazans e Vieira Dias, especialista na defesa de investidores vítimas de fraudes financeiras.

Para mais informações sobre pirâmides financeiras clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves