Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Mais realista do que o Rei ou mero capricho?

Mais realista do que o Rei ou mero capricho?

10/12/2020 Bady Curi Neto

Tramita perante o STF (Supremo Tribunal Federal) o inquérito 4831/DF., para apurar se o Presidente da República pretendeu, na reunião Ministerial, ocorrida em abril, interferir na Polícia Federal, segundo as denúncias ventiladas pelo ex-juiz Moro.

Depois de autorizada a quebra do sigilo da reunião pelo então ministro Celso de Melo, foram ouvidas, perante a polícia judiciária, várias autoridades que se encontravam presentes.

O relator, então, determinou que o presidente Bolsonaro prestasse depoimento sobre os fatos de forma presencial perante a autoridade Policial, na contramão do que já havia decidido o ministro Barroso (Inq. 4261/DF):

“Quanto à oitiva do Excelentíssimo Senhor Presidente da República, à falta de regulamentação específica (...) mesmo figurando o Senhor Presidente na condição de investigado em inquérito policial, seja-lhe facultado indicar data e local onde queira ser ouvido pela autoridade policial, bem como informar se prefere encaminhar por escrito sua manifestação, assegurado, ainda, seu direito constitucional de se manter em silêncio.”

Após tal decisão, a matéria foi submetida ao plenário, motivada por recurso interposto pela Advocacia Geral da União (AGU).

Celso de Melo (um dia antes de sua aposentadoria) votou confirmando sua decisão monocrática, sendo suspenso o julgamento pelo Presidente da Corte Constitucional.

O presidente solicitou que pretendia ficar silente e que o inquérito fosse remetido à PF para elaboração do relatório final.

Como sabido, o direito de permanecer em silêncio perante o interrogatório é uma garantia Constitucional a todos os investigados ou acusados.

A própria Suprema Corte entendeu por julgar inconstitucional a condução coercitiva do investigado, uma vez que a Constituição garante o direito de ficar silente no interrogatório, ou seja, se o investigado foi formalmente intimado para prestar seu depoimento e não compareceu (não justificando a ausência), o inquérito há de se concluir sem sua manifestação.

Ressalte-se que este foi o posicionamento do Procurador Geral da República, responsável pela condução do inquérito contra Bolsonaro.

Em seu parecer o PGR fez constar; “a legislação prevê o direito de ausência do investigado ou acusado ao interrogatório”, concluindo que “não se opõe ao exercício do silêncio por parte do Presidente da República (...)”.

Contrário ao parecer do PGR, o M. Alexandre de Moraes, em estranha decisão, datada de 05/12/20, entendeu pela impossibilidade do “imediato encaminhamento dos autos à Policia Federal para elaboração de relatório final”, solicitando ao presidente do STF urgência para pautar o julgamento do recurso, em plenário, para decidir se o Presidente da República tem a prerrogativa de prestar interrogatório de forma escrita ou presencial.

Com a devida vênia, a decisão parece querer ser “mais realista do que o Rei”, eis que não produzirá nenhum efeito prático, a não ser um mero capricho, renovada vênia, certo que independentemente do resultado do julgamento pelo Plenário do STF, o presidente tem a prerrogativa de ficar silente.

Há de se fazer um questionamento, será que há excesso de recursos ou decisões excessivas?

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves