Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Medida Provisória altera as relações trabalhistas no período de crise

Medida Provisória altera as relações trabalhistas no período de crise

08/04/2020 Bianca Canzi

Nova MP reduz jornada de trabalho e salários como alternativa de manutenção de empregos.

Diante da grande crise econômica, causada pelo coronavírus (Covid-19), muitas empresas estão sendo abaladas economicamente, reduzindo ou até mesmo estagnando totalmente suas atividades, seja por falta de procura ou por determinação obrigatória da União, estados e municípios.

Assim, o Governo Federal publicou nesta quarta-feira (02), a Medida Provisória (MP) que altera as relações trabalhistas no período de crise.

Essa MP permite que as empresas reduzam em até 70% os salários e jornadas de trabalho de todos os seus funcionários ou, até mesmo, suspendam o contrato de trabalho durante este período.

Em contrapartida, o funcionário que teve seu salário reduzido, receberá uma parcela do seguro-desemprego proporcional ao percentual pago pela empresa.

Ou seja, se a empresa pagar somente 30% (trinta por cento) do salário, o Governo arcará com equivalente a 30% (trinta por cento) do que o funcionário receberia a título de seguro-desemprego.

Já em caso de suspensão do contrato, o funcionário terá direito a 100% do seguro-desemprego que teria direito.

O início deste programa se dará a partir da comunicação do empregador, e o prazo para recebimento será de 30 dias. Já o empregador, terá o prazo de 10 dias para informar o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Vale ressaltar que os funcionários domésticos e as microempresas estão inclusos dentro desse benefício, além de que o sindicato da categoria poderá participar da negociação entre empresa e empregado.

Importante frisar que, de acordo com a MP, as empresas possuem a liberdade de aderir ou não ao programa, que reduz até 70% os salários e as jornadas de trabalho de todos os seus funcionários.

Ou seja, a medida não impede, infelizmente, que as empresas brasileiras realizem cortes em seus quadros de funcionários neste período de crise.

A MP, na verdade é uma alternativa para evitar uma onda de demissões em todo país, uma alternativa para manter empregos neste momento.

Outro ponto relevante é que a empresa que aderir a este programa, automaticamente, garante uma estabilidade provisória no emprego para seus trabalhadores, ou seja, se durante três meses o funcionário laborou com salário e jornada reduzida, ele é possuidor de estabilidade pelos três meses seguintes.

Desta forma, caso o empregador lhe dispense sem justa causa durante o período de estabilidade provisória, este terá que arcar com:

I - cinquenta por cento do salário a que o empregado teria direito no período de garantia provisória no emprego, na hipótese de redução de jornada de trabalho e de salário igual ou superior a vinte e cinco por cento e inferior a cinquenta por cento;

II - setenta e cinco por cento do salário a que o empregado teria direito no período de garantia provisória no emprego, na hipótese de redução de jornada de trabalho e de salário igual ou superior a cinquenta por cento e inferior a setenta por cento; ou

III - cem por cento do salário a que o empregado teria direito no período de garantia provisória no emprego, nas hipóteses de redução de jornada de trabalho e de salário em percentual superior a setenta por cento ou de suspensão temporária do contrato de trabalho.

Trata-se de uma medida importante para a manutenção de empregos e que deve ser analisada com cuidado e atenção pelos empresários, sindicatos e trabalhadores no enfrentamento dessa crise econômica.

* Bianca Canzi é advogada de Direito do Trabalho do escritório Aith, Badari e Luchin Advogados.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



A inadequação da mediação obrigatória pré-judicial

Nos últimos anos, a sobrecarga do sistema judiciário brasileiro tem provocado o debate acerca da obrigatoriedade da tentativa de solução extrajudicial de conflitos antes do ajuizamento de ações judiciais, como uma forma de comprovar o interesse de agir.

Autor: Suzana Cremasco


Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Conflitos condominiais

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Autor: Divulgação


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes