Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Medida Provisória altera as relações trabalhistas no período de crise

Medida Provisória altera as relações trabalhistas no período de crise

08/04/2020 Bianca Canzi

Nova MP reduz jornada de trabalho e salários como alternativa de manutenção de empregos.

Diante da grande crise econômica, causada pelo coronavírus (Covid-19), muitas empresas estão sendo abaladas economicamente, reduzindo ou até mesmo estagnando totalmente suas atividades, seja por falta de procura ou por determinação obrigatória da União, estados e municípios.

Assim, o Governo Federal publicou nesta quarta-feira (02), a Medida Provisória (MP) que altera as relações trabalhistas no período de crise.

Essa MP permite que as empresas reduzam em até 70% os salários e jornadas de trabalho de todos os seus funcionários ou, até mesmo, suspendam o contrato de trabalho durante este período.

Em contrapartida, o funcionário que teve seu salário reduzido, receberá uma parcela do seguro-desemprego proporcional ao percentual pago pela empresa.

Ou seja, se a empresa pagar somente 30% (trinta por cento) do salário, o Governo arcará com equivalente a 30% (trinta por cento) do que o funcionário receberia a título de seguro-desemprego.

Já em caso de suspensão do contrato, o funcionário terá direito a 100% do seguro-desemprego que teria direito.

O início deste programa se dará a partir da comunicação do empregador, e o prazo para recebimento será de 30 dias. Já o empregador, terá o prazo de 10 dias para informar o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Vale ressaltar que os funcionários domésticos e as microempresas estão inclusos dentro desse benefício, além de que o sindicato da categoria poderá participar da negociação entre empresa e empregado.

Importante frisar que, de acordo com a MP, as empresas possuem a liberdade de aderir ou não ao programa, que reduz até 70% os salários e as jornadas de trabalho de todos os seus funcionários.

Ou seja, a medida não impede, infelizmente, que as empresas brasileiras realizem cortes em seus quadros de funcionários neste período de crise.

A MP, na verdade é uma alternativa para evitar uma onda de demissões em todo país, uma alternativa para manter empregos neste momento.

Outro ponto relevante é que a empresa que aderir a este programa, automaticamente, garante uma estabilidade provisória no emprego para seus trabalhadores, ou seja, se durante três meses o funcionário laborou com salário e jornada reduzida, ele é possuidor de estabilidade pelos três meses seguintes.

Desta forma, caso o empregador lhe dispense sem justa causa durante o período de estabilidade provisória, este terá que arcar com:

I - cinquenta por cento do salário a que o empregado teria direito no período de garantia provisória no emprego, na hipótese de redução de jornada de trabalho e de salário igual ou superior a vinte e cinco por cento e inferior a cinquenta por cento;

II - setenta e cinco por cento do salário a que o empregado teria direito no período de garantia provisória no emprego, na hipótese de redução de jornada de trabalho e de salário igual ou superior a cinquenta por cento e inferior a setenta por cento; ou

III - cem por cento do salário a que o empregado teria direito no período de garantia provisória no emprego, nas hipóteses de redução de jornada de trabalho e de salário em percentual superior a setenta por cento ou de suspensão temporária do contrato de trabalho.

Trata-se de uma medida importante para a manutenção de empregos e que deve ser analisada com cuidado e atenção pelos empresários, sindicatos e trabalhadores no enfrentamento dessa crise econômica.

* Bianca Canzi é advogada de Direito do Trabalho do escritório Aith, Badari e Luchin Advogados.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.


Demissão por WhatsApp não é ilegal

Entendimento da Justiça tem sido de verificar, independente do meio, postura digna e comunicação clara nos desligamentos de trabalhadores.


Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

Na última semana fomos surpreendidos pela atitude corajosa do lateral Daniel Alves que decidiu não atuar mais pelo São Paulo Futebol Clube, por conta de atrasos de salários.


As expectativas advindas do Marco Legal das Startups

É verdade que a sensação da comunidade empresarial, quando da eminência da publicação de um novo diploma legal a fim de regular determinada atividade, volta-se naturalmente aos entraves burocráticos capazes de frear e obstar a chancela de negócios.


As fraudes financeiras com bitcoins e a necessidade da punição exemplar

A ampla cobertura da mídia sobre as operações das autoridades brasileiras contra fraudes financeiras utilizando a rentabilidade das criptomoedas como forma de atrair investidores deu visibilidade à uma prática que vem crescendo exponencialmente no Brasil.


Polêmica da Anvisa: atuação do órgão no jogo entre Brasil e Argentina

Na tarde do último domingo (5 de setembro), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) paralisou a partida de futebol entre Brasil e Argentina, que jogavam pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.


As virtudes e desvirtuamentos do Novo Código Eleitoral

Tramita no Congresso Nacional o projeto do Novo Código Eleitoral com mais de novecentos artigos.


Principais impactos da LGPD nas relações de trabalho

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD - Lei nº13.709/2018) prevê regras e princípios que devem ser observados quando da utilização de dados pessoais pelas empresas privadas e públicas.


Como garantir sua aposentadoria com tranquilidade em Portugal

Quando um cidadão brasileiro decide morar em Portugal, ou vice e versa, é preciso fazer diversos planos para que a sua qualidade de vida seja ainda melhor no país de destino.


Parecer da Receita pretende excluir o ICMS da base dos créditos de PIS e COFINS

O ICMS destacado na nota fiscal não pode ser considerado receita bruta por não representar acréscimo patrimonial do contribuinte.



O que mudou no Direito Condominial com o novo Código Civil?

O jurista Dalmo Dallari afirma que a sociedade humana pode ser considerada como um conjunto de pessoas que estão ligadas pela necessidade de se ajudarem com o intuito de garantir a continuidade da vida e satisfazer seus interesses e desejos.