Portal O Debate
Grupo WhatsApp

MP descumpre promessa garantida em lei ao setor de eventos

MP descumpre promessa garantida em lei ao setor de eventos

23/01/2024 Igor Montalvão

O setor de eventos foi de longe um dos mais afetados no país durante o período da pandemia de covid-19 e sofreu um duro golpe do governo federal.

A Medida Provisória 1.202/23 – publicada no último dia 28 de dezembro – revoga, de forma gradual, o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse). Criado em 2021, o Perse, trouxe diversos benefícios às empresas que atuam no segmento.

Dentre eles, a lei conferiu aos empreendedores a isenção da cobrança de PIS, Cofins, CSLL e IRPJ pelo prazo de 5 anos, contados a partir de março de 2021.

À época, o governo federal também inseriu no Programa um desconto de até 70% das dívidas tributárias e não-tributárias, com uma expansão do prazo de quitação em até 145 meses. Tudo para tentar salvar um setor que, à época, representava cerca de 13% do PIB nacional.

O Perse nasceu, diferentemente do que se vê agora, de uma grande sensibilização por parte do poder público e da sociedade.

Até por conta do impacto econômico provocado pela crise sanitária. Somente entre março e dezembro de 2020, essas organizações registraram um prejuízo de R$ 270 bilhões, resultando no desemprego de 3 milhões de pessoas.

Desde a aprovação da Lei 14.148/21, que criou o Perse, os empresários ainda lutam para se restabelecer e manter seus negócios vivos. Algo que tem sido possível também graças à existência do Programa.

A nova MP do governo federal, entretanto, volta a trazer um futuro incerto para o setor. O texto determina que, a partir de abril deste ano, as empresas deverão retomar seus compromissos com o pagamento da CSLL, do PIS e da Cofins, e, em 2025, a agenda do IRPJ também será restabelecida.

Ou seja, o fôlego assegurado pelo Programa perde força antes mesmo do prazo conferido em lei, e financeiramente planejado pelos empreendedores beneficiados.

Do ponto de vista jurídico, porém, ainda há uma luz no fim do túnel. O Código Tributário Nacional permite a revogação ou alteração, a qualquer tempo, da cessão de isenção tributária.

No entanto, o Art. 178 delimita essa possibilidade, desde que a isenção não disponha de prazo certo e das condições do benefício. Claramente, esses quesitos estão dispostos no Perse, o que inviabiliza a Medida Provisória do executivo federal.

Esta será apenas mais uma batalha judicial provocada pelo Perse; não a primeira. No fim de 2022, nosso escritório conseguiu, em nome de uma empresa de eventos, convencer o Tribunal Regional Federal da 6ª Região (TRF-6) a aceitar nosso pedido de liminar para que as micro e pequenas empresas do setor fossem incorporadas ao programa emergencial.

Isso porque a Receita Federal entendia que somente as organizações inscritas no regime de Lucro Real ou de Lucro Presumido, com faturamento anual acima de R$ 4,8 milhões, poderiam ser contempladas pelo Perse.

Diante do pretexto de não acumular benefícios já garantidos pelo Simples, conseguimos mostrar que a finalidade do Programa tinha caráter social e não econômico, o que ampliava a lei a todas as empresas do setor, independentemente do porte.

Caso não haja um recuo da parte do governo federal em relação à Medida Provisória, há um cenário iminente de uma nova discussão jurídica.

Mas as controvérsias, neste caso, são tão evidentes que parece haver uma fácil reflexão de que o maior prejuízo será à imagem do Executivo. Ainda há tempo de consertar o erro.

* Igor Montalvão é advogado, sócio e diretor-jurídico do Montalvão & Souza Lima Advocacia de Negócios.

Para mais informações sobre setor de eventos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Dengue x Covid-19

Demora no tempo de espera por atendimento hospitalar pode tornar caso jurídico.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano


Relatório de Transparência Salarial e o prazo de preenchimento para as empresas

Em janeiro, foi anunciado o prazo para as empresas com mais de 100 empregados realizarem o preenchimento ou retificação do Relatório de Transparência Salarial.

Autor: Anna Carolina Gogolla Kalmus 


Eleitores abrem processo contra a cidade devido ao fluxo de imigrantes ilegais

O movimento destaca a necessidade de uma abordagem imigratória que favoreça a população local.

Autor: Divulgação


Cancelamento do plano de saúde por falta de pagamento

Nos últimos anos, tem se tornado cada vez mais comum ouvir relatos de consumidores que tiveram seus planos de saúde cancelados de forma abrupta e sem aviso prévio devido à falta de pagamento.

Autor: José Santana Júnior


Associação das Microcervejarias do Paraná processa CREA/PR e CRQ/PR

Uma ação civil pública da Associação das Microcervejarias do Estado do Paraná (Procerva) contra o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA/PR) e o Conselho Regional de Química (CRQ/PR) questiona a obrigatoriedade que os órgãos impunham ao setor sobre a necessidade de registro das cervejarias nas entidades, principalmente, sobre o pagamento de taxas e anuidades.

Autor: Divulgação


Lei de Improbidade e a exigência da comprovação do dolo

Não se pode condenar um servidor público, por exemplo, por indícios de improbidade.

Autor: Ana Toledo


Existe prisão em flagrante por homofobia?

Indignação com caso de homofobia ocorrido em padaria gera dúvidas sobre punição prevista para crimes de preconceito.

Autor: Divulgação