Portal O Debate
Grupo WhatsApp

MP descumpre promessa garantida em lei ao setor de eventos

MP descumpre promessa garantida em lei ao setor de eventos

23/01/2024 Igor Montalvão

O setor de eventos foi de longe um dos mais afetados no país durante o período da pandemia de covid-19 e sofreu um duro golpe do governo federal.

A Medida Provisória 1.202/23 – publicada no último dia 28 de dezembro – revoga, de forma gradual, o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse). Criado em 2021, o Perse, trouxe diversos benefícios às empresas que atuam no segmento.

Dentre eles, a lei conferiu aos empreendedores a isenção da cobrança de PIS, Cofins, CSLL e IRPJ pelo prazo de 5 anos, contados a partir de março de 2021.

À época, o governo federal também inseriu no Programa um desconto de até 70% das dívidas tributárias e não-tributárias, com uma expansão do prazo de quitação em até 145 meses. Tudo para tentar salvar um setor que, à época, representava cerca de 13% do PIB nacional.

O Perse nasceu, diferentemente do que se vê agora, de uma grande sensibilização por parte do poder público e da sociedade.

Até por conta do impacto econômico provocado pela crise sanitária. Somente entre março e dezembro de 2020, essas organizações registraram um prejuízo de R$ 270 bilhões, resultando no desemprego de 3 milhões de pessoas.

Desde a aprovação da Lei 14.148/21, que criou o Perse, os empresários ainda lutam para se restabelecer e manter seus negócios vivos. Algo que tem sido possível também graças à existência do Programa.

A nova MP do governo federal, entretanto, volta a trazer um futuro incerto para o setor. O texto determina que, a partir de abril deste ano, as empresas deverão retomar seus compromissos com o pagamento da CSLL, do PIS e da Cofins, e, em 2025, a agenda do IRPJ também será restabelecida.

Ou seja, o fôlego assegurado pelo Programa perde força antes mesmo do prazo conferido em lei, e financeiramente planejado pelos empreendedores beneficiados.

Do ponto de vista jurídico, porém, ainda há uma luz no fim do túnel. O Código Tributário Nacional permite a revogação ou alteração, a qualquer tempo, da cessão de isenção tributária.

No entanto, o Art. 178 delimita essa possibilidade, desde que a isenção não disponha de prazo certo e das condições do benefício. Claramente, esses quesitos estão dispostos no Perse, o que inviabiliza a Medida Provisória do executivo federal.

Esta será apenas mais uma batalha judicial provocada pelo Perse; não a primeira. No fim de 2022, nosso escritório conseguiu, em nome de uma empresa de eventos, convencer o Tribunal Regional Federal da 6ª Região (TRF-6) a aceitar nosso pedido de liminar para que as micro e pequenas empresas do setor fossem incorporadas ao programa emergencial.

Isso porque a Receita Federal entendia que somente as organizações inscritas no regime de Lucro Real ou de Lucro Presumido, com faturamento anual acima de R$ 4,8 milhões, poderiam ser contempladas pelo Perse.

Diante do pretexto de não acumular benefícios já garantidos pelo Simples, conseguimos mostrar que a finalidade do Programa tinha caráter social e não econômico, o que ampliava a lei a todas as empresas do setor, independentemente do porte.

Caso não haja um recuo da parte do governo federal em relação à Medida Provisória, há um cenário iminente de uma nova discussão jurídica.

Mas as controvérsias, neste caso, são tão evidentes que parece haver uma fácil reflexão de que o maior prejuízo será à imagem do Executivo. Ainda há tempo de consertar o erro.

* Igor Montalvão é advogado, sócio e diretor-jurídico do Montalvão & Souza Lima Advocacia de Negócios.

Para mais informações sobre setor de eventos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Você contribui a mais com INSS?

Ela está lá, presente no contracheque de qualquer trabalhador com carteira assinada e nas cobranças mensais referentes ao funcionamento do MEI.

Autor: Marcelo Maia


Planejamento patrimonial ou sucessório? Na verdade, os dois!

Preocupar-se com o presente, o agora, é algo inerente a qualquer empresa. Até porque são as decisões deste instante, do hoje, que ajudam a determinar o amanhã.

Autor: Mariella Bins Santana


Aposentado pode permanecer em plano de saúde empresarial

Decisão recente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que ex-funcionários aposentados devem assumir a integralidade da mensalidade do plano de saúde, em modalidade de coparticipação.

Autor: Natália Soriani


Desafios e soluções para condomínios com a legalização da maconha

Advogado Dr. Issei Yuki aponta aspectos críticos para a administração condominial.

Autor: Divulgação


Hiperjudicialização da saúde no Brasil: gargalos e soluções

A hiperjudicialização da saúde no Brasil é um fenômeno crescente que tem gerado preocupações significativas no sistema Judiciário.

Autor: Natália Soriani


Obra analisa direitos familiares sob o viés da afetividade

Com o intuito de aprofundar os aspectos constitutivos da afetividade familiar, o doutor em Direito Caio Morau assina livro em que analisa modelos de uniões cujo reconhecimento é reivindicado por setores da sociedade, como as poligâmicas, concubinárias e incestuosas.

Autor: Divulgação


Terrenos de marinha são diferentes de praia

A Proposta de Emenda à Constituição dos terrenos de marinha (PEC 3/2022), a chamada PEC das Praias, tem fomentado debates.

Autor: Fabricio Posocco


O que você precisa saber sobre pensão alimentícia

A pensão alimentícia é um direito fundamental garantido pela legislação brasileira, assegurando que dependentes, especialmente filhos menores, recebam o suporte financeiro necessário para seu sustento, educação e bem-estar.

Autor: Divulgação


A inadequação da mediação obrigatória pré-judicial

Nos últimos anos, a sobrecarga do sistema judiciário brasileiro tem provocado o debate acerca da obrigatoriedade da tentativa de solução extrajudicial de conflitos antes do ajuizamento de ações judiciais, como uma forma de comprovar o interesse de agir.

Autor: Suzana Cremasco


Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani