Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O foro, os doleiros e os exploradores

O foro, os doleiros e os exploradores

08/05/2018 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Esses três assuntos expõem a razão desse país não se sustentar e viver de crise em crise.

O noticiário dos últimos dias conduz à triste conclusão de que, apesar do desenvolvimento tecnológico e econômico, o Brasil ainda é um país primário, onde tudo está por fazer e organizar.

A nova fase da Operação Lava Jato, deflagrada na quinta-feira, teve por objetivo desmontar a nata do mercado paralelo de moedas estrangeiras, de que se servem os políticos, os sonegadores e criminosos em geral para esconder seus capitais legais. Foi revelada publicamente a existência daquilo que se pode chamar de Banco Central dos Doleiros.

De outro lado, escancarou-se que os pobres utilizados politicamente nas invasões de prédios das grandes cidades (São Paulo principalmente) também são explorados com a cobrança de “aluguel” por seus supostos protetores e que ainda podem estar na condição de reféns do PCC (Primeiro Comando da Capital), a facção que domina os presídios e de dentro do sistema prisional comanda o tráfico de drogas e o crime nas ruas e até fora do país.

Ao mesmo tempo, viu-se os ministros do Supremo Tribunal Federal reduzindo as imunidades de foro privilegiado dos 594 parlamentares federais (senadores e deputados) mas mantendo íntegras as de outros 58 mil ocupantes de cargos de destaque na administração dos três poderes, inclusive eles próprios.

Mantém-se, dessa forma, o Brasil dos privilegiados, que tanta discussão tem causado e chega até a contrariar o princípio constitucional pétreo de que “todos são iguais perante a lei”. Apenas esses três assuntos, destacados num só dia, expõem a razão desse país não se sustentar e viver de crise em crise.

É preciso fechar com toda urgência o canal que permite a evasão de capitais e principalmente a lavagem dos dinheiros havidos criminosamente. Não se pode permitir que os desvalidos continuem vitimados pelos espertalhões que se travestem de seus defensores mas os exploram e escravizam no mais explícito procedimento criminoso.

Não há razão para que ocupantes de cargos e funções relevantes tenham status judicial diferente dos demais brasileiros, a não ser por questões intimamente relativas às funções que desenvolvem em nome do Estado. Quanto à vida pessoal, têm de ser iguais a todos os cidadãos, passiveis de responder judicialmente pelos seus atos.

Há que se acabar com o foro privilegiado e, se algo dele restar, deve ser relacionado ao cargo e não ao ocupante do cargo. Quanto aos doleiros lavadores de dinheiro criminoso e aos cobradores de aluguéis dos miseráveis, têm de ser exemplarmente cassados, processados e punidos.

Finalmente, com relação ao Judiciário, em vez de tratar de foro especial e de questões policiais dos detentores de foro, o Supremo Tribunal Federal faria melhor se buscasse a normatização do trabalho judicial, evitando que cada juiz continuasse recebendo mais processos do que sua capacidade física e temporal de decidir.

No dia em que esse limite for estabelecido, não haverá mais razão para o atraso nas decisões e, para dar vazão aos processos, a administração do Poder Judiciário terá de contratar mais juízes e instalar mais varas...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



Dengue x Covid-19

Demora no tempo de espera por atendimento hospitalar pode tornar caso jurídico.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano


Relatório de Transparência Salarial e o prazo de preenchimento para as empresas

Em janeiro, foi anunciado o prazo para as empresas com mais de 100 empregados realizarem o preenchimento ou retificação do Relatório de Transparência Salarial.

Autor: Anna Carolina Gogolla Kalmus 


Eleitores abrem processo contra a cidade devido ao fluxo de imigrantes ilegais

O movimento destaca a necessidade de uma abordagem imigratória que favoreça a população local.

Autor: Divulgação


Cancelamento do plano de saúde por falta de pagamento

Nos últimos anos, tem se tornado cada vez mais comum ouvir relatos de consumidores que tiveram seus planos de saúde cancelados de forma abrupta e sem aviso prévio devido à falta de pagamento.

Autor: José Santana Júnior


Associação das Microcervejarias do Paraná processa CREA/PR e CRQ/PR

Uma ação civil pública da Associação das Microcervejarias do Estado do Paraná (Procerva) contra o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA/PR) e o Conselho Regional de Química (CRQ/PR) questiona a obrigatoriedade que os órgãos impunham ao setor sobre a necessidade de registro das cervejarias nas entidades, principalmente, sobre o pagamento de taxas e anuidades.

Autor: Divulgação


Lei de Improbidade e a exigência da comprovação do dolo

Não se pode condenar um servidor público, por exemplo, por indícios de improbidade.

Autor: Ana Toledo


Existe prisão em flagrante por homofobia?

Indignação com caso de homofobia ocorrido em padaria gera dúvidas sobre punição prevista para crimes de preconceito.

Autor: Divulgação