Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O foro, os doleiros e os exploradores

O foro, os doleiros e os exploradores

08/05/2018 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Esses três assuntos expõem a razão desse país não se sustentar e viver de crise em crise.

O noticiário dos últimos dias conduz à triste conclusão de que, apesar do desenvolvimento tecnológico e econômico, o Brasil ainda é um país primário, onde tudo está por fazer e organizar.

A nova fase da Operação Lava Jato, deflagrada na quinta-feira, teve por objetivo desmontar a nata do mercado paralelo de moedas estrangeiras, de que se servem os políticos, os sonegadores e criminosos em geral para esconder seus capitais legais. Foi revelada publicamente a existência daquilo que se pode chamar de Banco Central dos Doleiros.

De outro lado, escancarou-se que os pobres utilizados politicamente nas invasões de prédios das grandes cidades (São Paulo principalmente) também são explorados com a cobrança de “aluguel” por seus supostos protetores e que ainda podem estar na condição de reféns do PCC (Primeiro Comando da Capital), a facção que domina os presídios e de dentro do sistema prisional comanda o tráfico de drogas e o crime nas ruas e até fora do país.

Ao mesmo tempo, viu-se os ministros do Supremo Tribunal Federal reduzindo as imunidades de foro privilegiado dos 594 parlamentares federais (senadores e deputados) mas mantendo íntegras as de outros 58 mil ocupantes de cargos de destaque na administração dos três poderes, inclusive eles próprios.

Mantém-se, dessa forma, o Brasil dos privilegiados, que tanta discussão tem causado e chega até a contrariar o princípio constitucional pétreo de que “todos são iguais perante a lei”. Apenas esses três assuntos, destacados num só dia, expõem a razão desse país não se sustentar e viver de crise em crise.

É preciso fechar com toda urgência o canal que permite a evasão de capitais e principalmente a lavagem dos dinheiros havidos criminosamente. Não se pode permitir que os desvalidos continuem vitimados pelos espertalhões que se travestem de seus defensores mas os exploram e escravizam no mais explícito procedimento criminoso.

Não há razão para que ocupantes de cargos e funções relevantes tenham status judicial diferente dos demais brasileiros, a não ser por questões intimamente relativas às funções que desenvolvem em nome do Estado. Quanto à vida pessoal, têm de ser iguais a todos os cidadãos, passiveis de responder judicialmente pelos seus atos.

Há que se acabar com o foro privilegiado e, se algo dele restar, deve ser relacionado ao cargo e não ao ocupante do cargo. Quanto aos doleiros lavadores de dinheiro criminoso e aos cobradores de aluguéis dos miseráveis, têm de ser exemplarmente cassados, processados e punidos.

Finalmente, com relação ao Judiciário, em vez de tratar de foro especial e de questões policiais dos detentores de foro, o Supremo Tribunal Federal faria melhor se buscasse a normatização do trabalho judicial, evitando que cada juiz continuasse recebendo mais processos do que sua capacidade física e temporal de decidir.

No dia em que esse limite for estabelecido, não haverá mais razão para o atraso nas decisões e, para dar vazão aos processos, a administração do Poder Judiciário terá de contratar mais juízes e instalar mais varas...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.


Demissão por WhatsApp não é ilegal

Entendimento da Justiça tem sido de verificar, independente do meio, postura digna e comunicação clara nos desligamentos de trabalhadores.


Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

Na última semana fomos surpreendidos pela atitude corajosa do lateral Daniel Alves que decidiu não atuar mais pelo São Paulo Futebol Clube, por conta de atrasos de salários.


As expectativas advindas do Marco Legal das Startups

É verdade que a sensação da comunidade empresarial, quando da eminência da publicação de um novo diploma legal a fim de regular determinada atividade, volta-se naturalmente aos entraves burocráticos capazes de frear e obstar a chancela de negócios.


As fraudes financeiras com bitcoins e a necessidade da punição exemplar

A ampla cobertura da mídia sobre as operações das autoridades brasileiras contra fraudes financeiras utilizando a rentabilidade das criptomoedas como forma de atrair investidores deu visibilidade à uma prática que vem crescendo exponencialmente no Brasil.


Polêmica da Anvisa: atuação do órgão no jogo entre Brasil e Argentina

Na tarde do último domingo (5 de setembro), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) paralisou a partida de futebol entre Brasil e Argentina, que jogavam pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.


As virtudes e desvirtuamentos do Novo Código Eleitoral

Tramita no Congresso Nacional o projeto do Novo Código Eleitoral com mais de novecentos artigos.


Principais impactos da LGPD nas relações de trabalho

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD - Lei nº13.709/2018) prevê regras e princípios que devem ser observados quando da utilização de dados pessoais pelas empresas privadas e públicas.


Como garantir sua aposentadoria com tranquilidade em Portugal

Quando um cidadão brasileiro decide morar em Portugal, ou vice e versa, é preciso fazer diversos planos para que a sua qualidade de vida seja ainda melhor no país de destino.


Parecer da Receita pretende excluir o ICMS da base dos créditos de PIS e COFINS

O ICMS destacado na nota fiscal não pode ser considerado receita bruta por não representar acréscimo patrimonial do contribuinte.



O que mudou no Direito Condominial com o novo Código Civil?

O jurista Dalmo Dallari afirma que a sociedade humana pode ser considerada como um conjunto de pessoas que estão ligadas pela necessidade de se ajudarem com o intuito de garantir a continuidade da vida e satisfazer seus interesses e desejos.