Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O golpe dos aplicativos de apostas

O golpe dos aplicativos de apostas

25/06/2023 Divulgação

A cada dia as notícias sobre pessoas que apostam em aplicativos e sites de apostas e não recebem seus prêmios aumentam.

São inúmeras reclamações em órgãos de defesa do consumidor e existem processos judiciais em vários Estados do Brasil.

O Brasil não autoriza o funcionamento de cassinos, físicos ou virtuais, e tem como regra que o monopólio dos jogos é governamental, por meio da Caixa Econômica Federal.

Entretanto, com base em uma Medida Provisória que autoriza apostas para jogos de futebol, a jogatina proliferou pela internet.

São centenas de milhões apostados mensalmente e reclamações que vão desde não pagamento de prêmios, desaparecimento de cadastros de usuários e até mesmo vazamento de dados.

Segundo o advogado especialista em Direito Digital, Francisco Gomes Junior, o negócio das apostas online não para de crescer.

“Há uma campanha publicitária muito forte, com marketing através do patrocínio de praticamente todos os times da série A do Campeonato Brasileiro, propagandas massivas em canais de tv e rádio, com foco em canais de esporte e utilização de jogadores de futebol e influencers com milhões de seguidores, atos que transmitem credibilidade e dão um ar de legalidade ao negócio”. 

Há nomes que vão desde Neymar, passando por influencers como Felipe Neto, dentre tantos outros. De tais influencers, foi Felipe Neto quem se manifestou expressamente, informando que não vê irregularidades na empresa que o patrocina (Blazer) e muito menos em sua conduta, motivo pelo qual, não iria interromper suas ações promocionais das apostas.

“Mesmo que o influencer aja de boa fé, não está isento de responder civilmente pelos prejuízos causados àqueles que forem lesados e tenham sido influenciados por eles a ingressar na plataforma de aposta. E basta consultar os órgãos de defesa do consumidor para verificar que são milhares de reclamações sem resposta, porque tais empresas sequer têm sede no país, uma estratégia que as livra dos processos judiciais e outras investigações”, complementa Gomes Júnior, também presidente da ADDP (Associação de Defesa de Dados Pessoais e do Consumidor).

A empresa Blaze possui mais de 25.000 reclamações somente no site “Reclame Aqui” onde figura como empresa não recomendada, além de ter processos em oito Estados no país.

Como não tem sede aqui e informa que tem sede em Curação, evidencia-se a dificuldade em fazê-la responder e explicar os atos de que é acusada.

Ainda, o youtuber Daniel Penim denuncia que quem mais se beneficia da jogatina são os influenciadores. Segundo ele, Neymar, Felipe Neto e outros ganham comissão cada vez que um jogador perde dinheiro com a Blaze, o que foi negado enfaticamente por Felipe Neto que afirmou que jamais firmaria contrato para ganhar à custa da perda de outras pessoas.

O mercado de apostas não para de crescer e os problemas estão avançando na mesma proporção. O Governo Federal diz que estuda a regulamentação dos jogos online de apostas no Brasil, para que se tenha uma fiscalização adequada, bem como o pagamento de impostos, o que hoje não existe.

Para mais informações sobre aplicativos de apostas clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Máxima Assessoria de Imprensa



O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani