Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O papel da ‘due diligence’ de terceiros na contenção de riscos

O papel da ‘due diligence’ de terceiros na contenção de riscos

05/07/2023 Monique Vieira Lessa

Nos últimos tempos, muitos casos de situação análoga à escravidão vêm sendo abordados pela imprensa, gerando comoção e repúdio da sociedade.

Muitas vezes as alegadas práticas envolvem empresas terceirizadas de captação de mão de obra. Embora não tenham sido diretamente responsáveis, as empresas contratantes das terceirizadas têm a reputação seriamente atingida e alto prejuízo financeiro, uma vez que possuem responsabilidade civil, criminal e trabalhista pelos serviços que contratam.

Diante desse contexto e da crescente demanda de serviços terceirizados, muitas empresas podem se questionar sobre como se precaver de prejuízos advindos dessas contratações.

Para esse fim, a due diligence de terceiros, cuja finalidade é de justamente investigar eventuais irregularidades e desvios que não sejam aparentes na atividade empresarial exercida por aquele que a empresa possa estar considerando contratar e/ou tenha contratado os serviços, é o instrumento que pode ser utilizado com o objetivo de evitar riscos reputacionais, financeiros e até jurídicos.

O procedimento de due diligence (ou diligência devida, termo em português) pode ser, a princípio, confundido com uma auditoria.

Contudo, trata-se de uma prática mais complexa, que compreende um conjunto de atos investigativos que devem ser realizados antes de uma transação entre empresas.

No caso de contratação de terceiros, a due diligence faz uma investigação detalhada do contexto jurídico-econômico em que está inserido um determinado prestador de serviços para mapeamento de possíveis riscos de fraudes, entre outras ilicitudes, que possam acabar acarretando à contratante passivos administrativos e judiciais, além de perdas financeiras e da sua reputação.

Com o procedimento, é possível obter informações sobre a estrutura de negócio, valores, práticas éticas e de sustentabilidade, comprometimento com cliente e parceiros, pontualidade no adimplemento de obrigações trabalhistas e tributárias e outras informações que ajudam na tomada de decisão da empresa em relação ao possível contratado.

No que tange à importância desse procedimento no âmbito trabalhista, é importante ressaltar que, com a consagração da terceirização de serviços pelo advento da Lei nº 13.467/17, a mão de obra utilizada passou a advir de diferentes espécies de contratação, tanto para atividade-meio quanto para atividade-fim da empresa, aumentando os riscos dessas empreitadas.

Assim, seguindo à risca o procedimento de due diligence de terceiros tanto na fase de pré-contratação de prestadores de serviços quanto durante a vigência contratual, é possível mitigar riscos da atividade, preservando o caixa e a integridade da empresa contratante, já que o referido procedimento auxilia na verificação da idoneidade do prestador, bem como mantém as empresas contratantes cientes do modelo de gestão das contratadas e da maneira com a qual interagem com a sociedade, os órgãos de fiscalização e o Poder Judiciário.

A realização da due diligence de terceiros, portanto, constitui um mecanismo eficaz de gerenciamento de risco que pode ajudar a evitar riscos jurídicos e reputacionais.

* Monique Vieira Lessa é advogada da área trabalhista no Marcos Martins Advogados.

Para mais informações sobre due diligence clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Brain Story



Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves


Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação