Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O que a empresa pode fazer caso ocorra uma nova pane global das redes sociais?

O que a empresa pode fazer caso ocorra uma nova pane global das redes sociais?

17/02/2022 Eric Henrique Alves da Silva

Quais os direitos da empresa prejudicada com uma possível nova pane global das redes sociais?

No dia 04 de outubro de 2021, os usuários das redes sociais que fazem parte da empresa Meta, detentora do Facebook, Instagram e WhatsApp, tiveram o acesso aos serviços dos aplicativos interrompidos por mais de 6 horas, devido a um problema com a tecnologia de rede BGP, ou Border Gateway Protocol, o que fez com que os servidores DNS ficassem offline no mundo todo.

A “pane” global das redes sociais deixou os usuários angustiados enquanto aguardavam uma solução da big tech para o retorno dos acessos aos serviços oferecidos pelas suas plataformas digitais.

Essa não foi a primeira vez que os usuários desses aplicativos tiveram problemas com a interrupção do acesso às redes sociais (WhatsApp, Instagram e Facebook).

Em março de 2019, houve um outro incidente que também deixou todas as redes sociais da Meta fora do ar por mais de 24 horas, o que afetou ainda mais os usuários e as empresas que utilizavam diariamente os serviços de anúncios e publicidade para os seus negócios.

Em comunicado oficial, a empresa de tecnologia social de Mark Zuckerberg reconheceu a interrupção dos negócios dos usuários e empresas e lamentou os problemas ocorridos pela indisponibilidade de acesso aos seus serviços.

Segundo o comunicado, os anúncios das empresas que não foram entregues durante o período em que as plataformas digitais estavam offline não seriam cobrados pelo tempo em que os serviços permaneceram indisponíveis.

O comunicado serviu apenas para tranquilizar os usuários e as empresas que utilizavam os serviços naquele momento, isentando da cobrança dos custos pela utilização dos serviços das plataformas digitais no período em que ficaram indisponíveis.

Contudo, sabemos que os prejuízos suportados pelas empresas vão além dos custos decorrentes da utilização dos serviços oferecidos pelas redes da Meta.

Isso porque a falta de acesso às plataformas implica na queda de receitas das empresas, ante a perda de contato com os clientes, e impede o crescimento dos negócios online.

Ao todo, são milhares de usuários e empresas que lucram diariamente através dessas redes sociais, seja com a divulgação de marcas ou com a venda de produtos e serviços diretamente pelos próprios aplicativos.

Tal fato, inclusive, demonstra o domínio dessas plataformas no ambiente comercial e a dependência das empresas pelo acesso ininterrupto a esses serviços. O fato é que não existem garantias de que uma nova situação como essa venha a se repetir no futuro.

À medida que o desenvolvimento de novas tecnologias e o número de usuários nas redes sociais se expandem, maiores são as chances de uma nova “pane” das redes sociais acontecer, e os prejuízos aos negócios das empresas serem inevitáveis.

Por esses motivos, é importante que os usuários e as empresas que utilizam esses serviços conheçam os seus direitos, no caso de eventuais prejuízos em decorrência de uma nova paralisação de Facebook, Instagram e WhatsApp.

O que fazer em caso de uma nova pane

Caso ocorra uma nova interrupção dos serviços, é necessário que cada usuário que se sinta prejudicado avalie as perdas e os danos decorrentes da falta de acesso aos serviços oferecidos pelas plataformas, conforme a média dos negócios fechados e dos contatos recebidos em período anterior e posterior à paralisação, inclusive daquilo que deixou de lucrar enquanto os serviços das plataformas estavam indisponíveis.

Os termos de uso dos aplicativos não apresentam qualquer cláusula de reparação para eventuais danos sofridos pelas empresas e usuários.

Portanto, é preciso estar atento que nem todas as disposições constantes nos termos de uso desses aplicativos são absolutas e podem esbarrar na legislação consumerista brasileira, a qual prevê a nulidade de cláusulas abusivas que impliquem em renúncia ou disposição de direitos, ou alterem o equilíbrio contratual e obrigações das partes, conforme disposto no artigo 51, do Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Por outro lado, as empresas que se sentirem prejudicadas diante de uma nova interrupção dos serviços fornecidos pelas redes sociais do Facebook também poderão pleitear a responsabilização civil da empresa no Brasil, em razão da falha da prestação de serviços, conforme preconiza o disposto nos artigos 14 e 20, do CDC.

Logo, se uma empresa que teve as suas atividades comerciais comprovadamente afetadas com a interrupção desses serviços, o provedor dos serviços deverá responder pelo serviço defeituoso em seus aplicativos.

O importante é que todos os usuários e empresas tenham a ciência dos riscos do seu modelo de negócio online em caso de uma nova “pane” global das redes sociais, bem como dos direitos previstos na legislação brasileira a serem buscados, quando se sentirem prejudicados diante da falha na prestação de um provedor de serviços na internet.

* Eric Henrique Alves da Silva é advogado no escritório Rücker Curi Advocacia e Consultoria Jurídica e atuante na equipe de Direito Securitário.

Para mais informações sobre pane global das redes sociais clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Literal Link Comunicação Integrada



Dengue x Covid-19

Demora no tempo de espera por atendimento hospitalar pode tornar caso jurídico.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano


Relatório de Transparência Salarial e o prazo de preenchimento para as empresas

Em janeiro, foi anunciado o prazo para as empresas com mais de 100 empregados realizarem o preenchimento ou retificação do Relatório de Transparência Salarial.

Autor: Anna Carolina Gogolla Kalmus 


Eleitores abrem processo contra a cidade devido ao fluxo de imigrantes ilegais

O movimento destaca a necessidade de uma abordagem imigratória que favoreça a população local.

Autor: Divulgação


Cancelamento do plano de saúde por falta de pagamento

Nos últimos anos, tem se tornado cada vez mais comum ouvir relatos de consumidores que tiveram seus planos de saúde cancelados de forma abrupta e sem aviso prévio devido à falta de pagamento.

Autor: José Santana Júnior


Associação das Microcervejarias do Paraná processa CREA/PR e CRQ/PR

Uma ação civil pública da Associação das Microcervejarias do Estado do Paraná (Procerva) contra o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA/PR) e o Conselho Regional de Química (CRQ/PR) questiona a obrigatoriedade que os órgãos impunham ao setor sobre a necessidade de registro das cervejarias nas entidades, principalmente, sobre o pagamento de taxas e anuidades.

Autor: Divulgação


Lei de Improbidade e a exigência da comprovação do dolo

Não se pode condenar um servidor público, por exemplo, por indícios de improbidade.

Autor: Ana Toledo


Existe prisão em flagrante por homofobia?

Indignação com caso de homofobia ocorrido em padaria gera dúvidas sobre punição prevista para crimes de preconceito.

Autor: Divulgação