Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O que esperar do novo cadastro positivo de crédito

O que esperar do novo cadastro positivo de crédito

28/03/2019 Gustavo Milaré e João Pedro Alves Pinto

O objetivo é auxiliar o consumidor na obtenção de crédito junto às instituições financeiras e nas vendas parceladas.

No último dia 13 de março, o Senado aprovou o Projeto de Lei Complementar nº 54/2019, que altera as regras para a inclusão de consumidores no cadastro positivo de crédito. O texto foi encaminhado para sanção presidencial.

O cadastro positivo de crédito, que existe desde 2011 (Lei nº 12.414), é o banco de dados que contém informações sobre o histórico de crédito de consumidores (pessoas físicas e jurídicas) e estabelece um sistema de pontuação para aqueles que mantêm suas contas pagas em dia.

Seu objetivo é auxiliar o consumidor na obtenção de crédito junto às instituições financeiras e nas vendas parceladas, uma vez que o “bom pagador” terá melhores ofertas e taxas de juros menores.

Atualmente, esse cadastro é composto apenas por consumidores que solicitam a inclusão de suas informações no banco de dados. Porém, com a aprovação do referido projeto de lei, tais informações serão incluídas de forma compulsória, embora o consumidor deva ser comunicado e possa solicitar sua exclusão.

Modelo similar é adotado nos Estados Unidos, sendo que sua criação e prática fez dobrar o número de consumidores que passaram a ter acesso a financiamentos.

O exemplo norte-americano mostra que, pelo menos a princípio, tal projeto de lei deve ser visto com bons olhos, na medida em que deve servir como incentivos à oferta de crédito e ao pagamento de contas em dia (a Febraban, por exemplo, acredita que a medida poderá reduzir a inadimplência em até 45%), além de provavelmente trazer maior segurança às empresas e instituições financeiras em suas análises de crédito.

No entanto, apesar da expectativa ser de bons resultados e de o cadastro ter sido bem recepcionado pelo mercado, a experiência aconselha cautela. Será necessário aguardar os efeitos práticos das novas medidas e confirmar que a mudança seja realmente benéfica para os consumidores e para a economia brasileira.

* Gustavo Milaré é advogado, mestre e doutor em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), sócio de Meirelles Milaré Advogados.

* João Pedro Alves Pinto é advogado associado de Meirelles Milaré Advogados.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



TST reconhece que empregados só anotem a jornada extraordinária

As “inovações” e previsões da Reforma Trabalhista começam, finalmente, a surtir efeito, em especial nas decisões das Cortes Superiores.


Benefícios fiscais: concessão e requisitos

O conjunto dos benefícios fiscais transforma-se não em solução, mas sim em parte do problema.


Reforma da Previdência

Pequenos detalhes e o lado humano da discussão.


STF e a Censura

Um dos pilares da Democracia é a liberdade de expressão, de manifestação e uma imprensa livre.


CPI para apurar o comportamento do STF

É lastimável a existência de parlamentares contrários à abertura de CPI para apurar os desvios de condutas de membros do Judiciário.


Inteligência Artificial está transformando o mercado jurídico

O impacto dessas tecnologias deve levar muitos benefícios e oportunidades para a área


Dois irmãos gêmeos e uma paternidade

Não se pode condenar uma pessoa, mesmo que no âmbito civil, impondo uma paternidade aquém a ela não deu causa.


Os “donos” da verdade, os heróis e o sistema criminal brasileiro

No Direito, a produção da verdade em um processo depende da verificação de elementos probatórios.


Homofobia e Trabalho

O trabalho foi e sempre será palco de enorme significado para o trabalhador.


O enfrentamento da unicidade sindical

Esse sistema de unicidade vai na contramão da tendência mundial.


STF, o inquérito das “fake news” e a ofensa ao Estado de Direito

A iniciativa é uma resposta às postagens e mensagens ofensivas dirigidas ao STF.


Crescimento da Judicialização na Saúde: qual a solução?

A saúde no Brasil sofre os efeitos de uma má gestão política, econômica e administrativa.