Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os planos de saúde são obrigados a custear transplantes de órgãos?

Os planos de saúde são obrigados a custear transplantes de órgãos?

10/09/2023 Gabriela Guerra

O tema “transplante de coração”, tem sido muito abordado nos últimos dias, principalmente após o apresentador Fausto Silva, o Faustão, tornar público seu estado de saúde e noticiar que estava na fila do transplante a espera de um órgão.

Aos 73 anos, o apresentador estava internado em um hospital de São Paulo e neste domingo, a equipe médica que acompanha o caso do paciente informou que o apresentador passou pela cirurgia de transplante.

Com a rapidez com que tudo aconteceu, uma série de dúvidas surgiram na cabeça da população sobre o assunto, entre elas perguntas como:

Como funciona a fila do transplante no Brasil? Por que ele conseguiu o órgão tão rápido, com tantas pessoas na frente? E é claro, se os planos de saúde são obrigados a custear um transplante de órgãos? E para esse terceiro ponto, a resposta é SIM!

A Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS, garante, em seu conhecido “Rol da ANS” o dever de cobertura de transplante de rim, córnea e medula.

Essas três possibilidades de transplantes de órgãos já estão expressas como cobertura MÍNIMA obrigatória dos planos de saúde.

Como o Rol da ANS é “exemplificativo”, com relação a cobertura mínima que os planos de saúde são obrigados a oferecer ao consumidor e, existindo justificativa médica, o transplante de outros órgãos como o coração, pulmão, fígado e pâncreas, também devem ser cobertos pelos convênios.

O plano de saúde tem obrigação de garantir inclusive que haja rede credenciada e hospitais aptos para realizar o transplante, caso não tenha, o consumidor tem direito de cobertura fora da rede credenciada.

É sempre importante destacar que a cobertura do transplante de coração, por exemplo, é obrigatória, uma vez que o convênio dá cobertura ao tratamento cardíaco, então, se cobre a doença, esse plano deverá cobrir todo o tratamento prescrito.

Volto a destacar que: tendo uma justificativa médica, o paciente terá direito a cobertura total de seu tratamento pelo seu plano de saúde.

O Brasil tem uma das maiores filas de transplante do mundo, são mais de 65 mil brasileiros que estão à espera de um transplante de órgãos no país, de acordo com o Ministério da Saúde.

Em 2022, foram quase 26 mil cirurgias de transplante no Brasil, entre os quais 359 de coração. O país tem ainda mais de 600 hospitais autorizados a fazer transplantes.

Por aqui, todos os transplantes de órgãos respeitam o Sistema Nacional de Transplantes, não importando se são custeados pelo SUS, por planos de saúde ou pagos pelo paciente.

A fila do transplante funciona por ordem cronológica de inscrição, além disso diversos aspectos relacionados ao estado de saúde do paciente em questão são levados em consideração como: a gravidade do caso e a compatibilidade sanguínea e genética entre doador e receptor.

Hoje, também de acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 380 pacientes aguardam por um coração na fila.

O que fazer caso o plano de saúde negue cobrir o transplante?

Como infelizmente os planos de saúde costumam negar qualquer transplante de órgãos que não esteja listado no Rol da ANS, é interessante que o consumidor que precisa passar pelo procedimento e teve sua solicitação negada ou seus familiares, busquem imediatamente orientação jurídica especializada para que possam reverter essa situação.

A grande maioria das negativas são abusivas e podem ser questionadas judicialmente. Também vale destacar que por meio de uma liminar, em muitos casos, a autorização e determinação judicial para que o convenio custeie o transplante pode sair em até 24 horas.

Outro ponto que também é importante ressaltar é que para ter direito de pleitear o transplante de qualquer órgão, o paciente deve preencher todos os requisitos médicos e estar apto a receber o órgão.

Dessa forma, na ação judicial, pode ser solicitado que ele ingresse na fila da Central de Transplantes e que já possua uma equipe transplantadora autorizada pelo Ministério da Saúde para executar o procedimento.

* Gabriela Guerra é advogada especialista em direito à saúde.

Para mais informações sobre transplante de órgãos clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Milka Verissimo



Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Conflitos condominiais

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Autor: Divulgação


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani