Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os riscos do Pix Saque para o comércio

Os riscos do Pix Saque para o comércio

17/02/2022 Mariana Chaimovich

A infraestrutura relacionada ao Pix Saque e Pix Troco, recentes desdobramentos da ferramenta do Banco Central do Brasil (BC) chamada Pix, passou a ser disponibilizada no final de novembro de 2021.

Para garantir a viabilidade dos serviços, o BC atualizou a regulamentação do Pix, incluindo regras que tratam especificamente da retirada do dinheiro em espécie em comércios e outros estabelecimentos.

Disponibilizar os serviços de saque e troco via Pix é facultativo, algo que seria realizado de maneira voluntária e gradual, seja por instituições financeiras e de pagamentos participantes do Pix, seja por empresas gerenciadoras de caixas eletrônicos, por correspondentes bancários e, finalmente, pelos próprios comerciantes.

Um dos motivos apontados pelo BC para oferecer esse tipo de transação é de que o principal benefício da ferramenta seria reduzir os custos com gestão de numerário.

Ao prescindir da chamada “sangria do caixa”, ou seja, de enviar os valores recebidos ao longo do dia, por intermédio das empresas transportadoras de valores, até um local seguro e destinado especificamente para essa função, os comércios conseguiriam usar as cédulas recebidas para possibilitar saques de seus próprios clientes.

Além disso, os estabelecimentos seriam beneficiados, em virtude do aumento da quantidade de clientes em suas lojas, padarias e supermercados.

No entanto, precisamos avaliar todas as facetas da questão em pauta. Precisamos abordar os potenciais riscos de manuseio de numerário por profissionais não treinados para isso, e sem o devido – e necessário – cuidado com a segurança deles e de todos que se encontram no estabelecimento.

A atividade de transporte de valores envolve uma série de requisitos legais, além de aspectos regulamentados pela Polícia Federal, para garantir a segurança dos envolvidos.

Se, por um lado, é possível que mais clientes busquem os estabelecimentos para sacar dinheiro, o Pix Saque e o Pix Troco também podem atrair interessados em subtrair esses valores de maneira violenta, justamente por presumirem que o comércio possui mais dinheiro em caixa.

Um problema que também pode surgir nesse contexto é atribuir responsabilidade pela possível inserção de cédulas falsas em circulação.

Qual ator, dentro desse contexto, seria responsabilizado por isso? Quem fiscaliza as notas falsas? O ônus recairá sobre o próprio cidadão consumidor?

Caso ele receba uma cédula que se prove falsa, de quem será o ônus de provar que aquela cédula em particular é proveniente de tal ou qual estabelecimento? O número de série das cédulas vai constar do comprovante de saque ou da operação de troco?

Recentemente, surgiram novos questionamentos nesse contexto, sobre os potenciais riscos trabalhistas para os comerciantes que adotem essas ferramentas.

Tais riscos podem advir da eventual mudança de tarefa e de responsabilidade de funcionário que precise atender à demanda dos clientes por dinheiro em espécie, sem o devido treinamento para isso.

Será que as descrições das carteiras de trabalho serão alteradas para incorporar a nova função? E qual função seria esta, exatamente?

Trazemos muitos questionamentos que, em virtude da novidade da ferramenta, ainda não têm resposta estabelecida.

De qualquer maneira, é importante ressaltar que os atores do setor já manifestam preocupação com os desdobramentos das iniciativas relacionadas às inovações do Pix Saque e Pix Troco.

Permaneceremos atentos e participando ativamente dessa discussão, para levar à sociedade civil e aos tomadores de decisão subsídios para embasar a elaboração de políticas públicas, da melhor maneira possível.

* Mariana Chaimovich é advogada e legal advisor do ITCN (Instituto de Estudos Estratégicos de Tecnologia e Ciclo de Numerário).

Para mais informações sobre Pix clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Original 123 Comunicação



Planejamento sucessório garante futuro do agronegócio

Especialista alerta para os desafios da sucessão familiar no campo e destaca a importância de um plano bem estruturado para a perpetuação do negócio.

Autor: Divulgação


Recuperação de crédito: uma pequena abordagem

A recuperação de crédito é um processo essencial dentro do contexto jurídico e econômico, sendo fundamental para a estabilidade financeira das empresas e o funcionamento saudável do mercado.

Autor: Feliph Murilo Lucio Marques


Inteligência Artificial x Advocacia Moderna: aliadas ou inimigas?

A chegada da inteligência artificial na atual sociedade é claramente notória, o que outrora era especulação hoje é uma ferramenta encontrada comumente em nosso cotidiano.

Autor: Giovanna Matos de Castro e Souza


Entenda quais as proteções garantidas ao trabalhador acidentado

A quantidade de acidentes de trabalho no Brasil mantém o sinal de alerta ligado para empregados e empresas contratantes.

Autor: Sofia Martins Martorelli


A Lei de Serviços Digitais e seu impacto nas futuras leis digitais do Brasil

O Brasil já tem debatido intensamente sobre como regular conteúdo online, especialmente em relação à desinformação.

Autor: Alexander Coelho


A extinção do Perse é inconstitucional

A extinção do Perse por meio da Medida Provisória n.1202/23 é inconstitucional e afronta o princípio da segurança jurídica.

Autor: Dr. Arcênio Rodrigues da Silva


Dengue x Covid-19

Demora no tempo de espera por atendimento hospitalar pode tornar caso jurídico.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano