Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Os riscos penais de abertura de empresas de fachada

Os riscos penais de abertura de empresas de fachada

22/01/2024 Eduardo Maurício

Se alguém te pedir para abrir uma empresa em seu nome, para movimentar dinheiro, o correto é não aceitar.

Nos últimos anos, no exercício da advocacia criminal, tem sido recorrente a existência de pessoas que são investigadas em inquéritos policiais que investigam crimes de branqueamento de capitais (equiparado ao crime de lavagem de dinheiro no Brasil); de burla (equiparado ao crime de estelionato no Brasil) e outros previstos no Código Penal português, sobretudo em situações em que cidadãos estrangeiros, muitos deles brasileiros, são acusados de terem constituído uma ou diversas empresas em Portugal, em nome de um mesmo sócio administrador. Em muitos casos essas empresas têm atividades diferentes.

Pois bem. É corriqueiro que investigações policiais que procuram indícios de autoria e materialidade em situações concretas de abertura de várias empresas, com objetos sociais e exercício de atividade distintas, busquem concluir se de fato essas empresas foram criadas ou não para executar prestações e pagamentos de serviços fictícios, para justificar operações inexistentes de fato e, então, dar lastro a um dinheiro ilícito e branquear esses valores.

Muitas vezes, as investigações observam que essas pessoas emitem fatura de prestação de serviços a uma terceira empresa nacional ou no estrangeiro (envolvida ou não no esquema), que recebe essa quantia em sua conta bancária por transferência bancária da empresa portuguesa investigada e, depois, pulveriza ou até mesmo fica com o dinheiro “lavado”.

Ocorre em muitas dessas situações, inclusive, o pagamento do imposto devido (no caso o IVA). Nesse caso, autoridade policial busca descobrir se o pagamento é ou não para ludibriar ainda mais o Estado, visando justificar documentalmente a legalidade do negócio jurídico, se necessário em uma eventual investigação policial e ou ação penal a ser instaurada.

É certo que a autoridade policial irá buscar os registros de atividades passadas dessas empresas, sendo que se uma empresa foi constituída recentemente, e da noite para o dia começa a receber dinheiro depositados em numerário expressivo na sua conta bancária, ou até mesmo transferência bancária de diversas empresas distintas em inúmeros países, pode ser que de fato cresceu rápido em virtude da boa prestação de serviço.

Entretanto, se as empresas terceiras - contratantes ou prestadores de serviços contratadas - sequer poderiam fazer negócios jurídicos com aquela empresa, por serem de atividades totalmente distintas em sua natureza e objeto social, ou se são empresas com histórico de fraudes ou branqueamento de capitais, existirão então mais indícios de prática delitiva.

Nesse contexto, é muito importante uma empresa idônea ter um programa de compliance estruturado e aplicado/existente de fato em suas atividades.

E, sobretudo, prezar e exteriorizar a ética dentro das suas atividades e, principalmente, na conduta de seus funcionários, colaboradores, diretores e CEO, devendo ter um código de ética; canal de denúncia; due diligente (verificar quem é a empresa ou pessoa física que irá celebrar um negócio jurídico, exercer todos os atos de diligência habitual para conhecer quem é o terceiro que prestará o serviço ou a quem será prestado um serviço); treinamento da equipe; avaliação de risco; suporte da alta administração; monitoramento e auditoria; e a revisão periódica do programa de compliance e o seu aperfeiçoamento conforme evolução do mercado, da legislação e da tecnologia.

No ordenamento jurídico português, o branqueamento constitui um crime previsto no artigo 368-A do Código Penal, punível com pena de prisão de 2 a 12 anos. 

O branqueamento no ordenamento jurídico português pode englobar três fases (todas visando branquear valores e integrar o capital na economia de forma lícita):  

Colocação: os bens e rendimentos são colocados nos circuitos financeiros e não financeiros, através, por exemplo, de depósitos em instituições financeiras ou de investimentos em atividades lucrativas e em bens de elevador valor; 

Circulação: os bens e rendimentos são objeto de múltiplas e repetidas operações (por exemplo transferência de fundos), com o propósito de os distanciar da sua origem criminosa, eliminando qualquer vestígio sobre a sua proveniência e propriedade; 

Integração: os bens e rendimentos, já reciclado a, são reintroduzidos nos circuitos econômicos legítimos, mediante a sua utilização, por exemplo, na aquisição de bens e serviços. 

Já o crime de burla, no ordenamento jurídico português, dispõe expressamente que, quem, com intenção de obter para si ou para terceiro enriquecimento ilegítimo, por meio de erro ou engano sobre fatos que astuciosamente provocou, determinar outrem à prática de atos que lhe causem, ou causem a outra pessoa, prejuízo patrimonial.

É punido com pena de prisão até três anos ou com pena de multa. Também é punível a modalidade de tentativa, dependendo o procedimento criminal de queixa.

É importante análise do crime de burla, correspondente ao estelionato no Brasil, no cenário de abertura de empresas de fachada.

Imagine um cenário de que uma empresa de fachada aberta em Portugal, que recebe um dinheiro de uma empresa da Bélgica para entregar produtos ou prestar serviços, e essa empresa recebe o dinheiro, não presta o serviço ou entrega o produto da forma que deveria ser, e simplesmente transfere o dinheiro para outra empresa terceira e desconexa, que assegurará o dinheiro da fraude.

Nesse caso, além de um cenário de branqueamento de capitais, também pode ser investigada, acusada e processada pelo crime de burla e outros delitos penais expressos.

Conclui-se que se alguém te pedir para abrir uma empresa em seu nome, para movimentar dinheiro, o correto é não aceitar. Isso pode acarretar um processo criminal.

Agora, para abrir uma empresa nova em Portugal para trabalhar de forma legítima é essencial que a documentação da saída e entrada de recursos financeiros seja realizada de forma idônea e organizada.

Vale apostar no compliance financeiro e empresarial para evitar qualquer tipo de problema futuro com a Justiça.

* Eduardo Maurício é advogado no Brasil, em Portugal e na Hungria.

Para mais informações sobre empresas de fachada clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Dengue x Covid-19

Demora no tempo de espera por atendimento hospitalar pode tornar caso jurídico.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano


Relatório de Transparência Salarial e o prazo de preenchimento para as empresas

Em janeiro, foi anunciado o prazo para as empresas com mais de 100 empregados realizarem o preenchimento ou retificação do Relatório de Transparência Salarial.

Autor: Anna Carolina Gogolla Kalmus 


Eleitores abrem processo contra a cidade devido ao fluxo de imigrantes ilegais

O movimento destaca a necessidade de uma abordagem imigratória que favoreça a população local.

Autor: Divulgação


Cancelamento do plano de saúde por falta de pagamento

Nos últimos anos, tem se tornado cada vez mais comum ouvir relatos de consumidores que tiveram seus planos de saúde cancelados de forma abrupta e sem aviso prévio devido à falta de pagamento.

Autor: José Santana Júnior


Associação das Microcervejarias do Paraná processa CREA/PR e CRQ/PR

Uma ação civil pública da Associação das Microcervejarias do Estado do Paraná (Procerva) contra o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA/PR) e o Conselho Regional de Química (CRQ/PR) questiona a obrigatoriedade que os órgãos impunham ao setor sobre a necessidade de registro das cervejarias nas entidades, principalmente, sobre o pagamento de taxas e anuidades.

Autor: Divulgação


Lei de Improbidade e a exigência da comprovação do dolo

Não se pode condenar um servidor público, por exemplo, por indícios de improbidade.

Autor: Ana Toledo


Existe prisão em flagrante por homofobia?

Indignação com caso de homofobia ocorrido em padaria gera dúvidas sobre punição prevista para crimes de preconceito.

Autor: Divulgação