Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Pacientes pedem socorro ao Judiciário nas questões de saúde no Brasil

Pacientes pedem socorro ao Judiciário nas questões de saúde no Brasil

15/05/2023 José Santana dos Santos Junior

Recente estudo do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) revela que o número de ações contra planos de saúde aumentou 23% em 2022.

As principais reclamações são contra a recusa no atendimento ou em exames, falta de cobertura e reajustes abusivos.

Sobre o mesmo efeito, o CNJ também apresentou um levantamento que, nos últimos anos, houve o aumento significativo no número de ações judiciais movidas contra o atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS).

Somente no ano passado, foram abertos mais de 295 mil processos na justiça, apenas em 2021 e 2020, o total de ações distribuías foram de 250 mil e 210 mil, respectivamente, indicando, por vez, o aumento gradual, a cada ano.

Já em relação à rede privada, o ano de 2022 registrou mais de 164 mil processos novos à medida que em, 2021 e 2020, foram abertos 137 mil e 135 mil processos judiciais em desfavor da rede privada de saúde, respectivamente.

O reajuste abusivo das mensalidades dos planos de saúde tem sido uma das principais causas do crescimento das ações judiciais.

Muitas vezes, os reajustes aplicados pelas operadoras não são justificados por um aumento equivalente nos custos de saúde.

Esses aumentos tornam os planos de saúde inacessíveis para muitas pessoas, especialmente para as de baixa renda.

Outra causa do aumento das ações processuais é a diminuição dos serviços oferecidos pelas operadoras. Muitas vezes, os planos de saúde limitam o acesso dos pacientes a determinados procedimentos, medicamentos e especialidades médicas, o que pode levar a tratamentos inadequados ou atrasos no diagnóstico de doenças.

Quando isso acontece, os pacientes acabam buscando seus direitos na justiça, com o objetivo de garantir o acesso a um tratamento adequado.

Além disso, a falta de transparência nas informações prestadas pelas operadoras também é um fator que contribui para o aumento das ações judiciais.

Muitas vezes, os pacientes não entendem completamente os termos do contrato que assinam com as operadoras e acabam sendo vedados por cláusulas abusivas ou por negativas de cobertura injustificadas.

Com efeito, o Poder Judiciário tem sido cada vez mais acionado para garantir o acesso aos serviços de saúde.

No entanto, a intensificação das medidas judiciais, contribuem para novo gravame, como o aumento dos custos judiciais e a lentidão da máquina judiciária, sobretudo o aumento do tempo de espera para a resolução das demandas, que por vezes além da urgência requer celeridade no expediente.

Sobreposto, o aumento das ações judiciais contra os planos de saúde favorece a elevação do gargalo no sistema de saúde no Brasil. De um lado a insatisfação dos pacientes com os serviços oferecidos.

Do outro, notável descaso em melhorar o atendimento e fomentar a adoção de medidas em acertar questões financeiras-administrativas, que por fim, acabam sendo repassadas ao consumidor.

Para dizimar tal demanda, se faz necessário a atuação das operadoras de planos de saúde de maneira mais transparente e ética, garantindo o acesso aos serviços de saúde de qualidade e respeitando os direitos de seus anuentes de acordo com os princípios constitucionais e os quais regem os contratos.

E não é só, se faz substancial a atuação efetiva da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) na resolutiva de demandas administrativas para evitar que muitos casos cheguem a ser judicializados, sobretudo para que os pacientes tenham agilidade e suporte em suas reclamações.

* José Santana dos Santos Junior é advogado especialista em Direito Médico e sócio do escritório Mariano Santana Advogados.

Para mais informações sobre planos de saúde clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação


Digitalização da saúde e os desafios na relação plano e consumidor

A digitalização da saúde, que compreende o uso de recursos tecnológicos e de Tecnologia da Informação (TI) para fins médicos, é um fenômeno que a cada ano se consolida e expande em todo o país.

Autor: Natália Soriani


Os equívocos do caso Robinho

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no uso de competência constitucional e regimental, analisou e, por maioria de votos, homologou o pedido de execução da sentença penal condenatória proferida pela Justiça Italiana contra o ex-jogador Robinho.

Autor: Marcelo Aith


A nova lei de licitações: o que deve mudar daqui para frente?

O sucesso dessa legislação dependerá do compromisso de todas as partes envolvidas em trabalhar juntas.

Autor: Matheus Teodoro


Exclusão de dependentes maiores de 25 anos de planos de saúde

Os magistrados têm reconhecido a existência de uma expectativa de direito por parte dos consumidores.

Autor: José Santana Junior


TikTok e a multa milionária por captura ilegal de dados biométricos no Brasil

Por utilizar métodos que ferem a Lei Geral de Proteção de Dados e o Marco Civil da Internet, o TikTok, rede social famosa por vídeos de curta duração, foi multado em R$ 23 milhões pela Justiça.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Como tornar o mundo jurídico descomplicado

A comunicação no mundo jurídico é uma das mais complicadas do mercado. Termos técnicos demais e palavras em latim, por exemplo, criam grandes obstáculos.

Autor: Gabriella Ibrahim


Por que a Meta deverá, obrigatoriamente, mudar de nome no Brasil?

A Meta, empresa dona dos aplicativos Facebook, Instagram e WhatsApp não poderá usar este nome no Brasil.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Planejamento sucessório garante futuro do agronegócio

Especialista alerta para os desafios da sucessão familiar no campo e destaca a importância de um plano bem estruturado para a perpetuação do negócio.

Autor: Divulgação


Recuperação de crédito: uma pequena abordagem

A recuperação de crédito é um processo essencial dentro do contexto jurídico e econômico, sendo fundamental para a estabilidade financeira das empresas e o funcionamento saudável do mercado.

Autor: Feliph Murilo Lucio Marques


Inteligência Artificial x Advocacia Moderna: aliadas ou inimigas?

A chegada da inteligência artificial na atual sociedade é claramente notória, o que outrora era especulação hoje é uma ferramenta encontrada comumente em nosso cotidiano.

Autor: Giovanna Matos de Castro e Souza


Entenda quais as proteções garantidas ao trabalhador acidentado

A quantidade de acidentes de trabalho no Brasil mantém o sinal de alerta ligado para empregados e empresas contratantes.

Autor: Sofia Martins Martorelli