Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Precisamos de mentes sãs

Precisamos de mentes sãs

12/08/2020 Maria Inês Vasconcelos

A era da tecnologia e das incertezas se tornou o grande palco da vida.

Vivemos em um mar de novidades e fatos inesperados, de modo que, mais do que nunca, nossa vida está marcada pela necessidade de adaptação.

As empresas, por sua vez, deveriam acompanhar todas essas mudanças que vêm ocorrendo na sociedade, incorporando-as como fator estratégico em face das exigências do mercado cada vez mais competitivo.

É preciso preservar a mão de obra. Os trabalhadores são as principais vítimas de todos esses percalços e sofrem ainda mais em face de sua vulnerabilidade econômica e social.

A realidade, no entanto, se apresenta diferente. As empresas tornaram-se impiedosas nesse período de pandemia e sem nenhuma harmonia entre a gestão e a esfera da humanidade têm largado em disparada na captura de resultados perdidos. O trabalhador, sem fôlego, tem que ser um maratonista nessa corrida desenfreada.

Ao contrário do que era de se esperar, a adaptação à nova realidade, que deveria ocorrer de forma gradativa, deveria incluir a mão de obra, afinal, o maior patrimônio da empresa são as pessoas e o conhecimento.

Contudo, não é isso que temos visto por aí. Completamente descompromissadas com a relação de trabalho - que, diga-se, sempre deve se pautar pela ética, dignidade e sustentabilidade -, as empresas promovem um verdadeiro massacre com a política de metas e recuperação de resultados, que se tornaram marca das políticas internas de grande parte das organizações.

Resultado disso é o maior número de empregados adoecendo em razão da sobrecarga psíquica imposta no ambiente de trabalho.

O abalo psicológico é tão grande que se estabeleceu uma tribo de "psiquiatrizados". E, por incrível que pareça, os sintomas narrados por esses trabalhadores vão muito além da depressão ou Síndrome Burnout.

A comorbidade certamente é enorme, e essas doenças "conversam entre si", como ocorre entre a ansiedade o Pânico e a depressão com o Burnout.

No entanto, há trabalhadores trazendo relatos de sintomas que não se encaixam nessas clássicas patologias, exigindo um grande empenho dos psiquiatras no tratamento.

Não é um ou dois que vivem por aí com ideação suicida e que não reagem a tratamentos convencionais, o número é considerável dentro da sociedade brasileira.

Esse fenômeno reforça a necessidade de pensar nessas novas ondas, sejam elas tecnológica, pandêmica ou da própria crise do capital.

Alguém decerto terá que pagar a conta, mas, repassar para os empregados todo custo e fracasso do capitalismo que já não encontra forças para reagir, não é a melhor solução.

Ademais, a Reforma Trabalhista já ceifou direitos positivados e a previdenciária retardou a aposentadoria.

É por isso que urge a necessidade de repensar a qualidade do ambiente laborativo da contemporaneidade.

As empresas precisam reagir, mas não podem dar saltos que sejam tão altos que colidam com o fator humano, os direitos da personalidade e que, sobretudo, provoquem lesões no aparato psicológico dos trabalhadores.

A pressão não pode ser repassada com tanta intensidade para o colo daquele que, nesse momento, é o mais acossado.

É preciso transcender a essa cultura rasa que nos impede de questionar os limites dessa posição estrutural adotada nas empresas.

A Constituição Federal aponta o primado do trabalho como base da Ordem Social (art. 193).

Os valores sociais do trabalho, ao lado da dignidade da pessoa humana, representam um dos fundamentos do Estado democrático de direito em que se constitui o Brasil (CF, art. 1°, III e IV).

A Carta Magna destaca, com ênfase, o conteúdo ético do trabalho humano. Ela não se limita a garantir o mínimo, que é justamente assegurar ao trabalhador benefícios de ordem material (art.7°), mas garante também os chamados direitos personalíssimos, subjetivos e imateriais e, sobretudo, o direito à vida, o maior de todos.

William Graham Sumner, já dizia que "a indústria pode ser republicana, entretanto, jamais será democrática".

A submissão que leva à escravidão mental realmente é antidemocrática, é a posse da mente, talvez a pior das posses. Há realmente que se fazer uma parada, vivenciamos um fenômeno de enorme gravidade.

"Psiquiatrizar" trabalhadores e levá-los à exaustão mental é um verdadeiro crime, e uma diretriz empresarial, que por ação ou omissão, ultrapassa os limites do poder regulamentar do empregador e promove um atentado à liberdade, principalmente, do ponto de vista psicológico.

Convém, ainda, destacar que, no fim das contas, o feitiço se voltará contra o feiticeiro, afinal não teremos somente sobrecargas no INSS, e sim carreiras ceifadas.

Há muita gente competente e que atua estrategicamente nas soluções empresariais afastadas.

Reter talentos e conhecimento é hoje o desafio. Conhecimento vale muito. E é por isso que precisamos de boas cabeças, sãs, e não o contrário.

* Maria Inês Vasconcelos é advogada, especialista em direito do trabalho, professora universitária, escritora.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani