Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Precisamos falar sobre arbitragem

Precisamos falar sobre arbitragem

27/10/2023 Suzana Cremasco

O Brasil tem um dos sistemas mais modernos e avançados de arbitragem do mundo.

Arbitragem é um método extrajudicial de solução de conflitos, por meio do qual pessoas capazes – no exercício da sua autonomia privada – fazem a opção por submeter disputas relativas a direitos patrimoniais e disponíveis a um ou mais árbitros que são por elas indicados e que têm a sua confiança para atuar como tal.

Esses árbitros são considerados “juízes de fato e de direito” e a sua sentença “não está sujeita a recurso ou homologação pelo Poder Judiciário”, embora possa ser objeto de ação anulatória, desde que presentes uma das hipóteses legais previstas no art. 32 da Lei 9.307/96, que há mais de 25 anos, disciplina a arbitragem entre nós.

O Brasil tem, na sua origem, um dos sistemas mais modernos e avançados de arbitragem do mundo e, ano após ano, tem se dedicado à formação de profissionais qualificados para atuarem com o instituto.

Não por outra razão, o país ocupa uma das principais posições em número de usuários de arbitragem, vem vendo crescer o número de arbitragens e valores custodiados ano após ano, vem recebendo o ingresso de novos atores e é considerado na comunidade internacional como um local “arbitration friendly”.

Entre os seus diferenciais, a arbitragem é um método de solução de conflitos ágil – pois as decisões finais são alcançadas de forma bem mais célere que no Poder Judiciário –, que entrega decisões de qualidade – proferidas por profissionais especializados nos temas objeto das disputas e seguro – na medida em que a legislação existente garante a observância do contraditório e da ampla defesa em favor das partes, a imparcialidade dos árbitros no desempenho das suas funções e a necessidade de fundamentação das suas decisões.

Mas justamente por ser um sistema ágil e contar com o julgamento de questões complexas por especialistas, o uso da arbitragem passou a impor derrotas acachapantes a litigantes que outrora se valiam do Poder Judiciário e de seus muitos desafios (número excessivo de recursos, demora nas decisões e carga de trabalho excessiva de magistrados, por exemplo) para protelar as suas disputas e, não raro, vencê-las.

E foi ao alcançar esses litigantes e contrariar os seus interesses, que a arbitragem passou a sofrer, ao longo dos últimos anos, ataques quanto a “parcialidade dos árbitros”, “falta de transparência” e “insegurança”, numa tentativa de descredibilizar o instituto e proporcionar um desvio de narrativa que nem de longe corresponde àquilo que acontece nas centenas de procedimentos arbitrais em curso no país - e o irrisório número de sentenças arbitrais anuladas entre aquelas sentenças proferidas e que são objeto de ação anulatória é dado evidente disso.

Como evidente também é quem são os agentes por trás dos ataques, seus interesses e suas motivações cinzentas.

Não se tem dúvidas de que a arbitragem pode e deve continuar evoluindo, como vem ocorrendo ao longo das últimas três décadas, para que se torne cada vez melhor e mais eficiente.

Mas essa evolução, contudo, deve passar pelo debate sério – e especialmente técnico – de eventuais propostas de mudança, que tome em conta a experiência daquilo que é a realidade da arbitragem no país – e não um cenário fantasioso –, e que busque aproximar o sistema brasileiro, cada vez mais, das melhores práticas internacionais e não pretender lançá-lo às trevas e destruí-lo, com prejuízos inimagináveis aos investimentos e aos negócios no país.

* Suzana Cremasco é Doutora em Direito pela UFMG, Professora de Processo Civil do IBMEC e sócia-fundadora do escritório Suzana Cremasco Advocacia.

Para mais informações sobre arbitragem clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Conflitos condominiais

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Autor: Divulgação


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani