Portal O Debate
Grupo WhatsApp

PRF não é Polícia Judiciária

PRF não é Polícia Judiciária

22/01/2020 Bady Curi Neto

A Segurança Jurídica é o que permite que as pessoas naturais ou jurídicas saibam como se comportar em sociedade.

Apesar de ser norma constitucional, ela não é novidade na história. Desde o Império Romano, já haviam demonstrações da necessidade da segurança jurídica.

Os plebeus buscavam a tutela de uma legislação reivindicando a paridade de igualdade dos direitos políticos e, sobretudo, a igualdade jurídica codificada para que, assim, os abusos dos poderosos e do Estado fossem impedidos.

Daí surgiu novo código, em 12 tábuas expostas no foro, para que qualquer indivíduo pudesse conhecer as leis e as consequências de seu descumprimento.

É de se notar que a observância às normas jurídicas não submete apenas as pessoas naturais, mas ao próprio poder público, seja o Judiciário, Executivo ou Legislativo.

Ambos têm na legislação sua atuação vinculada, caso contrário, estaríamos diante de um poder absoluto e ilimitado do Estado.

Em outubro de 2019, o Ministério da Justiça, através portaria 739/2019, estabeleceu novas atribuições à Polícia Rodoviária Federal (PRF), permitindo sua atuação em operações de natureza investigativa, de inteligência ou mista para fins de investigação, infrações penais, execução de mandados judiciais e operação conjunta com outros órgãos responsáveis pela segurança pública (leia-se Polícia Judiciária) em áreas de interesse da União.

O que parece, à primeira vista, uma boa intenção do ministro Sergio Moro - a quem sempre rendo minhas homenagens - em fortalecer a polícia investigativa, o ato em si é um verdadeiro equívoco.

Não se pode desvestir um santo para vestir outro, principalmente quando a roupagem do trabalho da PRF está disposto na Constituição Federal, mais precisamente no § 2º, do art. 144, que dispõe competência da Polícia Rodoviária Federal o patrulhamento ostensivo das rodovias federais, conferindo a ela, como agente da autoridade de trânsito, o poder/dever de exercer a vigilância no sistema federal de viação com a finalidade de manter a ordem e segurança de pessoas e bens no âmbito da malha federal.

O país não funciona apenas de investigações, transformando-se em um “estado policialesco”. Há várias atribuições ao estado que não podem ser desvirtuadas, sob pena de deixar áreas de extrema importância para os cidadãos carentes da atuação Estatal, além do possível flagrante inconstitucionalidade.

Determinar funções distintas a que prevê a norma constitucional para a Polícia Rodoviária Federal é imiscuir na competência do Legislativo o que é vedado, fortalecendo a insegurança jurídica e permitindo superpoder ao Executivo.

O Supremo Tribunal Federal, não a destempo, suspendeu liminarmente o excesso cometido pela portaria, evitando que, se ela fosse levada a cabo e realizado investigações pela Polícia Rodoviária, incompetente para este mister, poder-se-ia alegar a nulidade do processo investigatório.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

MEIs e PMEs podem economizar cerca de R$ 2.000 em serviços e produtos bancários por ano.

Conheça cinco vantagens do Pix para empresas

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.


Proteção de dados pessoais torna direito fundamental após emenda

Desde que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor em setembro de 2018, as empresas passaram a ter a obrigação de garantir a segurança dos dados aos quais possuem acesso.