Portal O Debate
Grupo WhatsApp


PRF não é Polícia Judiciária

PRF não é Polícia Judiciária

22/01/2020 Bady Curi Neto

A Segurança Jurídica é o que permite que as pessoas naturais ou jurídicas saibam como se comportar em sociedade.

Apesar de ser norma constitucional, ela não é novidade na história. Desde o Império Romano, já haviam demonstrações da necessidade da segurança jurídica.

Os plebeus buscavam a tutela de uma legislação reivindicando a paridade de igualdade dos direitos políticos e, sobretudo, a igualdade jurídica codificada para que, assim, os abusos dos poderosos e do Estado fossem impedidos.

Daí surgiu novo código, em 12 tábuas expostas no foro, para que qualquer indivíduo pudesse conhecer as leis e as consequências de seu descumprimento.

É de se notar que a observância às normas jurídicas não submete apenas as pessoas naturais, mas ao próprio poder público, seja o Judiciário, Executivo ou Legislativo.

Ambos têm na legislação sua atuação vinculada, caso contrário, estaríamos diante de um poder absoluto e ilimitado do Estado.

Em outubro de 2019, o Ministério da Justiça, através portaria 739/2019, estabeleceu novas atribuições à Polícia Rodoviária Federal (PRF), permitindo sua atuação em operações de natureza investigativa, de inteligência ou mista para fins de investigação, infrações penais, execução de mandados judiciais e operação conjunta com outros órgãos responsáveis pela segurança pública (leia-se Polícia Judiciária) em áreas de interesse da União.

O que parece, à primeira vista, uma boa intenção do ministro Sergio Moro - a quem sempre rendo minhas homenagens - em fortalecer a polícia investigativa, o ato em si é um verdadeiro equívoco.

Não se pode desvestir um santo para vestir outro, principalmente quando a roupagem do trabalho da PRF está disposto na Constituição Federal, mais precisamente no § 2º, do art. 144, que dispõe competência da Polícia Rodoviária Federal o patrulhamento ostensivo das rodovias federais, conferindo a ela, como agente da autoridade de trânsito, o poder/dever de exercer a vigilância no sistema federal de viação com a finalidade de manter a ordem e segurança de pessoas e bens no âmbito da malha federal.

O país não funciona apenas de investigações, transformando-se em um “estado policialesco”. Há várias atribuições ao estado que não podem ser desvirtuadas, sob pena de deixar áreas de extrema importância para os cidadãos carentes da atuação Estatal, além do possível flagrante inconstitucionalidade.

Determinar funções distintas a que prevê a norma constitucional para a Polícia Rodoviária Federal é imiscuir na competência do Legislativo o que é vedado, fortalecendo a insegurança jurídica e permitindo superpoder ao Executivo.

O Supremo Tribunal Federal, não a destempo, suspendeu liminarmente o excesso cometido pela portaria, evitando que, se ela fosse levada a cabo e realizado investigações pela Polícia Rodoviária, incompetente para este mister, poder-se-ia alegar a nulidade do processo investigatório.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Entenda como funciona a LGPD na relação de emprego

A LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) determina regras e critérios sobre coleta, armazenamento e tratamento de dados pessoais.


Reforma Tributária e seus impactos no setor da saúde

Em 21 de julho de 2020 foi encaminhada ao Congresso Nacional a primeira proposta de Reforma Tributária, feita pelo ministro da economia Paulo Guedes.


Depoimento de presidentes da República – Tratamentos distintos

O ministro Celso de Melo, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou, de forma inusitada, na sexta-feira (11), que o presidente da República prestasse depoimento de forma presencial, e não por escrito, à autoridade policial no inquérito que apura se houve interferência na Polícia Federal, segundo declarações do ex-ministro Sergio Moro.


O exercício da telemedicina antes e depois da pandemia

Com a necessidade do isolamento social decorrente da pandemia de Covid-19, a telemedicina, prática que fomenta o exercício da medicina à distância, utilizando-se de meios tecnológicos para tanto, ganhou notoriedade.


Holding familiar é uma boa alternativa

Devido a pandemia do novo coronavírus e suas consequências negativas, o brasileiro passou a refletir mais sobre planejamento sucessório, ocasionando um aumento de 134% de testamentos em cartórios.


Como aumentar a eficiência da Justiça brasileira?

A sobrecarga do Judiciário é um antigo problema no Brasil.


5 pontos sobre Direito Ambiental que a sua empresa precisa saber

O mau uso do meio ambiente por parte das empresas é algo já não mais aceito diante do mercado.


Imposto de Renda deveria ser justo, proporcionar retorno ao cidadão e diminuir a pobreza

A melhor solução para o Brasil passaria por uma revisão completa da tributação das pessoas jurídicas e físicas, incluindo a tributação de dividendos, adotando-se sistemáticas de imputação há décadas utilizadas por países membros da OCDE para evitar a dupla tributação.


Empresas que desistem de contratar após exame admissional podem ter implicações

O advogado André Leonardo Couto, que tem mais de 25 anos de experiência na área trabalhista, alerta que os contratantes devem se pautar pela boa-fé e honrar ofertas e compromissos, pois a responsabilidade civil do empregador não está limitada ao período contratual.


LGPD e os condomínios

Seus reflexos para os condomínios, edifícios e empresas terceirizadas (administradoras de condomínio, empresas terceirizadas de portaria virtual e remota, entre outros).


Fux, um STF discreto, imparcial e justo

Quando, em seu discurso de posse na presidência do Supremo Tribunal Federal, o ministro Luiz Fux condenou a “judicialização vulgar e epidêmica” de temas que os outros poderes República – Legislativo e Executivo – deveriam resolver dentro dos seus próprios limites, suas palavras ecoaram pelo Brasil inteiro.


Sisbajud: o novo sistema de busca de ativos pela Justiça

Em agosto de 2020, entrou em funcionamento o Sistema de Busca de Ativos do Poder Judiciário (SisbaJud) em substituição ao BancenJud.