Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Prisão em segundo grau não pode ser regra absoluta

Prisão em segundo grau não pode ser regra absoluta

29/05/2018 Bady Curi Neto

A regra da prisão a partir do julgamento em segundo grau deve ser examinada caso a caso.

Miguel de Cervantes, escritor, poeta e dramaturgo Castelhano, há mais de quatrocentos anos, ao escrever a clássica e imortal obra Dom Quixote de La Mancha, criou uma passagem onde D. Quixote fala para Sancho: “- A liberdade, Sancho, é um dos dons mais preciosos, que aos homens deram os céus: não se lhe podem igualar os tesouros que há na terra, nem os que o mar encobre; pela liberdade, da mesma forma que pela honra, se deve arriscar a vida, e, pelo contrário, o cativeiro é o maior mal que pode acudir aos homens”.

A passagem demonstra a importância vital da liberdade para o homem. Realmente a história nos mostra, assim como retratado na frase acima, a importância da liberdade e nos dá exemplos reais de que colocamos nossas vidas em risco para mantê-la ou consegui-la.

As grandes guerras da humanidade, onde homens morreram lutando, tem como bandeira de fundo a não subserviência de uma nação à outra. As revoltas contra governos ditatórios impingem as liberdades de ir e vir, assim como a liberdade de expressão.

Pode-se dizer que a liberdade e a vida são direitos intrínsecos da humanidade, sendo que por aquele se arrisca este, como dito na obra de Cervantes. Por evidente, estes valores não são absolutos.

Há países onde a má conduta de certos indivíduos, que colocam em risco a liberdade e a vida de seus semelhantes, assim como outras tipificadas como crime mais gravosos de acordo com a Constituição e Legislação daquela localidade, são puníveis com a pena capital.

Em outros, como o Brasil, dependendo do fato típico e antijurídico, ou seja, do crime praticado, o autor do delito tem como pena a restrição temporária de autonomia, para que, após este período de reclusão, possa ser reinserido na sociedade.

Em nosso país, a liberdade e a vida, são direitos pétreos descritos na Constituição da República em seu Artigo 5, que descrevem os direitos e garantias individuais. A preocupação do legislador Constituinte foi de tamanha monta com a liberdade que esculpiu o princípio da não culpabilidade, que prevê: “ninguém pode ser considerado culpado até o trânsito em julgado da sentença penal condenatória”, leia-se, quando não houver mais possibilidade de recursos.

O Supremo Tribunal Federal (STF), em recentes decisões, entendeu por mitigar este princípio, permitindo que o réu de processo criminal pudesse iniciar o cumprimento de sua pena a partir da condenação de 2ª instância, na qual se exauria a matéria fática.

Apesar de não ser uma obrigatoriedade, e sim uma possibilidade, os tribunais de segunda instância têm adotado este “novel” posicionamento como regra absoluta, ou seja, julgado o processo nos tribunais de 2º grau, expede-se, incontinenti, o mandado de prisão do acusado.

Sem pretender questionar o posicionamento da Corte Suprema, fato é que a regra não pode ser absoluta e automática, devendo a decisão que determina o cumprimento da pena ser fundamentada. Tem-se, por exemplo, duas hipóteses: A primeira, o réu fora condenado em 1º grau e sua sentença confirmada na segunda instância sem divergência.

Neste caso, não há dúvida que a unanimidade diminui o risco de erro judicial ou de interpretação. O processo fora examinado e julgado por quatro magistrados, um Juiz e três Desembargadores que tiveram a mesma leitura dos fatos e das provas constantes no processo.

Lado outro, em uma segunda hipótese, o réu condenado em primeiro grau recorre para segunda instância. Ao ser julgado sua apelação há divergências, um dos três julgadores o absolve do crime imputado pelo órgão acusador. Novo recurso é interposto - Embargos Infringentes – sendo que agora são convocados mais dois julgadores para a proferirem nova decisão.

Ao ser pautado o processo para julgamento, o resultado, desta vez, passa a ter dois julgadores que decidem pela absolvição por falta de provas e três pela condenação. A conclusão do julgamento por 3 votos pela condenação e 2 pela absolvição não deixam dúvidas que há uma divergência considerável quanto a conduta praticada pelo réu, não sendo justo, a meu sentir, o imediato recolhimento do réu à prisão para dar início ao cumprimento da pena, sem o trânsito em julgado da sentença condenatória.

A regra da prisão a partir do julgamento em segundo grau não pode ser absoluta e automatizada, devendo ser examinada caso a caso, como nas hipóteses exemplificadas, sob pena de darmos, a determinados casos, ares de justiçamento e não da aplicação da justiça.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Assessoria e Marketing



Honorários advocatícios não podem ser compensados, e rateados, podem?

Embora o Código de Processo Civil (20150) tenha trazido avanços consideráveis acerca dos honorários advocatícios, um dispositivo em especial me chama a atenção.


Como a Lei Geral de Proteção de Dados se aplica ao setor de “food service”

A atividade está entre as que mais se utilizam das informações dos clientes; contar com sistemas de gestão adequados facilita o cumprimento da lei.


A responsabilidade civil dos influenciadores digitais

Influenciar é o ato de exercer uma ação psicológica ou uma ascendência sobre algo ou alguém.


Os vícios insanáveis e a flexibilização da Lei da Inelegibilidade

O Senado Federal aprovou no último dia 14 de setembro o projeto que flexibiliza a Lei de Inelegibilidade e garante que os políticos possam se candidatar mesmo quando tiverem as contas julgadas irregulares, desde que tenham sido punidos apenas com multa, sem imputação de débitos.


O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.


Demissão por WhatsApp não é ilegal

Entendimento da Justiça tem sido de verificar, independente do meio, postura digna e comunicação clara nos desligamentos de trabalhadores.


Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

Na última semana fomos surpreendidos pela atitude corajosa do lateral Daniel Alves que decidiu não atuar mais pelo São Paulo Futebol Clube, por conta de atrasos de salários.


As expectativas advindas do Marco Legal das Startups

É verdade que a sensação da comunidade empresarial, quando da eminência da publicação de um novo diploma legal a fim de regular determinada atividade, volta-se naturalmente aos entraves burocráticos capazes de frear e obstar a chancela de negócios.


As fraudes financeiras com bitcoins e a necessidade da punição exemplar

A ampla cobertura da mídia sobre as operações das autoridades brasileiras contra fraudes financeiras utilizando a rentabilidade das criptomoedas como forma de atrair investidores deu visibilidade à uma prática que vem crescendo exponencialmente no Brasil.


Polêmica da Anvisa: atuação do órgão no jogo entre Brasil e Argentina

Na tarde do último domingo (5 de setembro), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) paralisou a partida de futebol entre Brasil e Argentina, que jogavam pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.


As virtudes e desvirtuamentos do Novo Código Eleitoral

Tramita no Congresso Nacional o projeto do Novo Código Eleitoral com mais de novecentos artigos.


Principais impactos da LGPD nas relações de trabalho

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD - Lei nº13.709/2018) prevê regras e princípios que devem ser observados quando da utilização de dados pessoais pelas empresas privadas e públicas.