Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Prisão em segundo grau não pode ser regra absoluta

Prisão em segundo grau não pode ser regra absoluta

29/05/2018 Bady Curi Neto

A regra da prisão a partir do julgamento em segundo grau deve ser examinada caso a caso.

Miguel de Cervantes, escritor, poeta e dramaturgo Castelhano, há mais de quatrocentos anos, ao escrever a clássica e imortal obra Dom Quixote de La Mancha, criou uma passagem onde D. Quixote fala para Sancho: “- A liberdade, Sancho, é um dos dons mais preciosos, que aos homens deram os céus: não se lhe podem igualar os tesouros que há na terra, nem os que o mar encobre; pela liberdade, da mesma forma que pela honra, se deve arriscar a vida, e, pelo contrário, o cativeiro é o maior mal que pode acudir aos homens”.

A passagem demonstra a importância vital da liberdade para o homem. Realmente a história nos mostra, assim como retratado na frase acima, a importância da liberdade e nos dá exemplos reais de que colocamos nossas vidas em risco para mantê-la ou consegui-la.

As grandes guerras da humanidade, onde homens morreram lutando, tem como bandeira de fundo a não subserviência de uma nação à outra. As revoltas contra governos ditatórios impingem as liberdades de ir e vir, assim como a liberdade de expressão.

Pode-se dizer que a liberdade e a vida são direitos intrínsecos da humanidade, sendo que por aquele se arrisca este, como dito na obra de Cervantes. Por evidente, estes valores não são absolutos.

Há países onde a má conduta de certos indivíduos, que colocam em risco a liberdade e a vida de seus semelhantes, assim como outras tipificadas como crime mais gravosos de acordo com a Constituição e Legislação daquela localidade, são puníveis com a pena capital.

Em outros, como o Brasil, dependendo do fato típico e antijurídico, ou seja, do crime praticado, o autor do delito tem como pena a restrição temporária de autonomia, para que, após este período de reclusão, possa ser reinserido na sociedade.

Em nosso país, a liberdade e a vida, são direitos pétreos descritos na Constituição da República em seu Artigo 5, que descrevem os direitos e garantias individuais. A preocupação do legislador Constituinte foi de tamanha monta com a liberdade que esculpiu o princípio da não culpabilidade, que prevê: “ninguém pode ser considerado culpado até o trânsito em julgado da sentença penal condenatória”, leia-se, quando não houver mais possibilidade de recursos.

O Supremo Tribunal Federal (STF), em recentes decisões, entendeu por mitigar este princípio, permitindo que o réu de processo criminal pudesse iniciar o cumprimento de sua pena a partir da condenação de 2ª instância, na qual se exauria a matéria fática.

Apesar de não ser uma obrigatoriedade, e sim uma possibilidade, os tribunais de segunda instância têm adotado este “novel” posicionamento como regra absoluta, ou seja, julgado o processo nos tribunais de 2º grau, expede-se, incontinenti, o mandado de prisão do acusado.

Sem pretender questionar o posicionamento da Corte Suprema, fato é que a regra não pode ser absoluta e automática, devendo a decisão que determina o cumprimento da pena ser fundamentada. Tem-se, por exemplo, duas hipóteses: A primeira, o réu fora condenado em 1º grau e sua sentença confirmada na segunda instância sem divergência.

Neste caso, não há dúvida que a unanimidade diminui o risco de erro judicial ou de interpretação. O processo fora examinado e julgado por quatro magistrados, um Juiz e três Desembargadores que tiveram a mesma leitura dos fatos e das provas constantes no processo.

Lado outro, em uma segunda hipótese, o réu condenado em primeiro grau recorre para segunda instância. Ao ser julgado sua apelação há divergências, um dos três julgadores o absolve do crime imputado pelo órgão acusador. Novo recurso é interposto - Embargos Infringentes – sendo que agora são convocados mais dois julgadores para a proferirem nova decisão.

Ao ser pautado o processo para julgamento, o resultado, desta vez, passa a ter dois julgadores que decidem pela absolvição por falta de provas e três pela condenação. A conclusão do julgamento por 3 votos pela condenação e 2 pela absolvição não deixam dúvidas que há uma divergência considerável quanto a conduta praticada pelo réu, não sendo justo, a meu sentir, o imediato recolhimento do réu à prisão para dar início ao cumprimento da pena, sem o trânsito em julgado da sentença condenatória.

A regra da prisão a partir do julgamento em segundo grau não pode ser absoluta e automatizada, devendo ser examinada caso a caso, como nas hipóteses exemplificadas, sob pena de darmos, a determinados casos, ares de justiçamento e não da aplicação da justiça.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Assessoria e Marketing



Chegou a vez das falências?

O governo enviou ao Congresso um conjunto de alterações com o objetivo de dar mais protagonismo aos credores no processo de falência.

Autor: Leonardo Ribeiro Dias e João Máximo Rodrigues


Transferir bens em vida é dar poder de escolha ao doador

Planejar a sucessão de bens é um momento importante para qualquer família que tem patrimônio.

Autor: Divulgação


Perícia online para benefícios por incapacidade: vantagens e desvantagens

É importante lembrar que o acesso a benefícios previdenciários é um direito assegurado pela Constituição.

Autor: Carla Benedetti


PL que garante água gratuita em eventos é bem-vindo, mas deveria virar lei

A fatalidade que envolveu Ana Benevides deve se converter numa lei que representa um avanço aos direitos sociais.

Autor: Ianka De Paul


Os efeitos danosos da venda sem receita de medicamentos tarjados em drogarias

Nos últimos meses, alguns medicamentos ficaram “famosos” ao se tornarem extremamente populares no país.

Autor: Claudia de Lucca Mano


Relatório de Transparência Salarial e o prazo de preenchimento para as empresas

Em janeiro, foi anunciado o prazo para as empresas com mais de 100 empregados realizarem o preenchimento ou retificação do Relatório de Transparência Salarial.

Autor: Anna Carolina Gogolla Kalmus 


Eleitores abrem processo contra a cidade devido ao fluxo de imigrantes ilegais

O movimento destaca a necessidade de uma abordagem imigratória que favoreça a população local.

Autor: Divulgação


Cancelamento do plano de saúde por falta de pagamento

Nos últimos anos, tem se tornado cada vez mais comum ouvir relatos de consumidores que tiveram seus planos de saúde cancelados de forma abrupta e sem aviso prévio devido à falta de pagamento.

Autor: José Santana Júnior


Associação das Microcervejarias do Paraná processa CREA/PR e CRQ/PR

Uma ação civil pública da Associação das Microcervejarias do Estado do Paraná (Procerva) contra o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA/PR) e o Conselho Regional de Química (CRQ/PR) questiona a obrigatoriedade que os órgãos impunham ao setor sobre a necessidade de registro das cervejarias nas entidades, principalmente, sobre o pagamento de taxas e anuidades.

Autor: Divulgação


Lei de Improbidade e a exigência da comprovação do dolo

Não se pode condenar um servidor público, por exemplo, por indícios de improbidade.

Autor: Ana Toledo


Existe prisão em flagrante por homofobia?

Indignação com caso de homofobia ocorrido em padaria gera dúvidas sobre punição prevista para crimes de preconceito.

Autor: Divulgação


Mudanças nas regras sobre nacionalidade brasileira

No âmbito do Direito Constitucional, 2023 ficou marcado por mais uma mudança nas regras que disciplinam a nacionalidade brasileira.

Autor: Michele Hastreiter e Mariane Silverio