Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Reeleitos pela pandemia?

Reeleitos pela pandemia?

14/04/2020 Francis Ricken

Com a declaração de pandemia pela OMS, estamos vivendo medidas drásticas de isolamento social e restrição de circulação, mas outro problema se torna importante: as eleições municipais em outubro deste ano.

Em tempos de normalidade, as articulações políticas e organização da disputa eleitoral estariam a pleno vapor, mas estamos em um momento de exceção.

Diante de tal quadro, está em tramitação na Câmara dos Deputados a PEC 56/19, com o objetivo de prorrogar os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores, mantendo-os no exercício do cargo até 2023, sem que a população seja consultada sobre sua permanência.

Resolver problemas complexos com soluções mágicas não é uma boa saída, ainda mais quando falamos de algo tão caro para os sistemas democráticos, como a escolha de representantes.

Tal alteração, aparentemente simples, colocará em xeque valores fundamentais da nossa república, como a periodicidade dos mandatos eleitorais e o voto direto.

Ampliar mandatos parece uma decisão sensata, mas pode ser algo “viciante”, que pode abrir caminho para a ampliação de novos mandatos e ser fatal para nosso sistema democrático.

Consultar o povo de maneira periódica sobre a permanência ou não de seus políticos é um ponto elementar das democracia, e deixar isso de lado não é algo negociável.

A extensão dos mandatos pode ferir a periodicidade das eleições, tendo em vista que essa ampliação não foi aventada antes do período eleitoral de 2016.

É como se estivéssemos disputando um jogo e no meio do caminho as regras fossem alteradas, com toda certeza algum participante se sentirá injustiçado, e isso é muito grave para um modelo democrático.

Muitos especialistas consideram que a ampliação dos mandatos é uma saída para a unificação das eleições em todas as esferas, onde o eleitor votaria para todos os cargos, desde presidente até vereador em um único momento.

Tal lógica de unificação não me parece algo apropriado pela complexidade de nosso modelo político, e me parece o fim das discussões em âmbito municipal e até mesmo estadual, que serão eclipsadas pelas eleições em âmbito federal.

Modelos democráticos que adotam a unificação das eleições para todos os cargos, não tem a lógica de descentralização do poder político que temos, e são modelos no qual a administração municipal é uma mera extensão do governo central.

Outro ponto a ser pensado, é que a periodicidade dos processos eleitorais garante escolhas importantes, como a eleição de novos mandatários e, principalmente, a reprovação de políticos que não atenderam nossos interesses.

O movimento de recondução de mandatos, sem consulta popular, retiraria a grande vantagem de nosso sistema eleitoral, que é o poder de escolha.

Imagine que você está diante de uma catástrofe política na sua cidade, você permitirá que a pandemia reconduza uma administração incompetente por um período de mais dois anos, sem ao menos ser consultado?

Sou contrário à extensão de mandatos sem consulta popular, mas acredito que o processo eleitoral acabará sendo adaptado para as eleições 2020, com alterações constitucionais que não mudem a periodicidade ou o tempo de mandatos, evitando assim que tenhamos uma futura pandemia política.

* Francis Ricken é advogado, mestre em Ciência Política, professor da Escola de Direito e Ciências Sociais da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



As novas regras e as lacunas do teletrabalho

No último dia 3 de agosto, o Senado Federal aprovou o projeto de lei de conversão da Medida Provisória 1.108/2022, que cria novas regras para o teletrabalho no Brasil.


Pais, quais são os seus direitos?

Embora ainda não haja um direito específico para esse público, há casos em que eles recebem o equivalente ao salário maternidade.


As Eleições de 2022 e o grande desafio da LGPD

A produção e uso de dados de eleitores é um recurso frequentemente utilizado por chapas concorrentes durante o período eleitoral.


A evolução na legislação do teletrabalho no Brasil

As transformações nas relações trabalhistas impostas pela pandemia da Covid-19 foram fundamentais para solidificar algumas flexibilizações previstas na reforma trabalhista.


Decisão do TST traz repercussão ao salário dos aprendizes

Como é de conhecimento da grande maioria dos departamentos de Recursos Humanos, a elaboração do cálculo do salário do aprendiz nunca foi assunto fácil.


Em briga de marido e mulher, o condomínio é obrigado a meter a colher

Está cada vez mais em desuso a frase retrógrada que recomenda: “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.


Lei de Improbidade, STF e o futuro das eleições

Nessa próxima semana o Supremo Tribunal Federal poderá alterar os rumos das Eleições de outubro.


A safra futura pode ser considerada bem essencial em caso de recuperação judicial?

A safra futura, na maioria dos casos, serve de fomento para a nova plantação e é responsável pelo giro de capital do produtor rural, sendo imprescindível para as atividades produtivas, principalmente para o empresário rural em crise.


Dúvidas sobre inventário pode gerar custos desnecessários

Quando se perde um ente querido tem-se de lidar com a dor e, ao mesmo tempo, com os processos exigidos por lei para a divisão de bens, o famoso inventário.


Justiça do Espírito Santo reconhece legalidade da Buser

Magistrado destaca que imposição da regra do circuito fechado ao transporte por fretamento fere autonomia e liberdade de locomoção dos consumidores.


Bolsas, exchanges cripto e o funcionamento dos mercados

Esses dias conversava com um jovem investidor de criptomoedas que nunca havia operado em bolsa de valores (sim, eles existem).


União Federal permite a utilização de prejuízo fiscal em transação tributária

Desde 2020, grandes devedores podem regularizar seus débitos tributários por meio da celebração de Acordo de Transação Individual.