Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Roberto Jefferson – Metralhadora ou um camicase verbal?

Roberto Jefferson – Metralhadora ou um camicase verbal?

28/07/2020 Bady Curi Neto

O presidente do PTB e ex- deputado Federal, Roberto Jefferson, é um expoente da política brasileira.

Seu nome dispensa maiores apresentações, principalmente após ter sido o protagonista da denúncia do mensalão, no qual, sozinho, contra tudo e contra todos expôs as vísceras da corrupção do governo Petista, tendo levado vários deputados e empresários a condenação pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Em razão de suas denúncias acabou por ser condenado, em uma mudança de entendimento jurisprudencial do STF, sobre o crime de lavagem de dinheiro e corrupção, por ter recebido, segundo declarara, R$4.000.000,00 como caixa dois de campanha eleitoral.

Conhecido por sua oratória afiada, a facilidade de se expressar, mesmo sob pressão, enfrentou o processo contra ele com a cabeça erguida.

Após sua condenação, ao passar do regime fechado para o semiaberto, deu uma entrevista para o jornal Folha de São Paulo, sendo repreendido por decisão do Ministro Barroso, ao argumento, pífio, de que aquele que possui os direitos políticos caçados não poderia dar entrevistas sobre política, em um agravamento da pena, não prevista no Código Penal, consubstanciando verdadeira afronta à liberdade de expressão.

Se em razão da condenação do mensalão, com a mudança repentina do entendimento jurisprudencial, como dito alhures, levantaram-se suspeitas, infundadas ou não, que o verdadeiro intuito era emudecer Roberto Jefferson, já a decisão que o proibiu dar entrevistas, no cumprimento de sua pena, não deixou dúvidas.

Agora, novamente, Roberto Jefferson vira sua metralhadora verbal assumindo a “defesa” do governo Jair Bolsonaro, tendo exposto articulação política, segundo ele, do ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso e dos dois presidentes das casas congressuais, com a anuência dos Ministros do Supremo Tribunal Federal.

Suas postagens sempre alfinetando as mais altas autoridades do país, e seu apoio incondicional ao governo Bolsonaro, lhe renderam um pedido de Busca e Apreensão por ordem do ministro Alexandre de Morais, no inquérito da Fake News, também chamado de inquérito do fim do mundo pelo ministro Marco Aurélio Mello.

Semana pretérita, em nova decisão, contrário ao parecer do Ministério Público, Alexandre de Morais, determina a retirada do ar do Twitter de pessoas apoiadoras ao Bolsonaro, entre elas a de Roberto Jefferson, ao argumento de interromper discursos de conteúdo de ódio. Tal decisão desafia a liberdade de expressão e manifestação.

Bob Jefferson não medrou, não emudeceu, ao contrário, voltou sua metralhadora verbal, cuspindo denúncias, críticas e ofensas contra os Ministros da Corte Suprema, dizendo ser a pior composição do STF de sua história.

Em suas lives e entrevistas no Youtube chama os Ministros de 11 urubus, um monturo da esquerda do PT e do PSDB, acusa a esposa de Alexandre de Morais de ser a longa manus de seu marido nas ações judiciais, entre outras acusações.

Com exceção das imputações quanto à homossexualidade de dois Ministros, competência e honestidade não se mensuram pela condição sexual, as falas são gravíssimas.

Resta a pergunta: será que Jefferson tem balas (provas) para sua metralhadora ou será que sucumbirá como um camicase verbal?

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Licença e afastamento do servidor público: Como funciona?

Você já sabe que para o servidor público, existem várias leis e regras diferentes dos trabalhadores da iniciativa privada; por isso, é importante ficar atento a essas normas.


Fraudes podem diminuir a chance do Green Card

Advogado especialista em direito internacional, Daniel Toledo explica o que fazer ao suspeitar de problemas com o investimento.


Queda do WhatsApp pode gerar indenização aos usuários que tiveram prejuízo

Para o especialista em Direito do Consumidor, Marco Antonio Araujo Junior, comunicador instantâneo se enquadra como serviço pelo Código de Defesa do Consumidor.


Revista de empregados: os limites do poder diretivo e disciplinar do empregador

A relação de emprego tem características inconfundíveis.


O STF desprestigiado pelas ações políticas

Realmente, tornou-se um nefasto hábito, os políticos acionarem o Judiciário quando não conseguem bem encaminhar seus projetos ou perdem votações no âmbito do Legislativo.


Trabalho escravo da fé e a relação entre pastores e igrejas no Brasil

Os tribunais brasileiros estão recebendo uma série de ações de pastores e ministros de igrejas contra o chamado “trabalho escravo da fé”.


Embate entre condomínio e proprietário para locação por aplicativo vai parar no STJ

Para especialista, muitas vezes as multas condominiais aplicadas aos usuários da locação por aplicativo não são suficientes para coibir abusos.


Honorários advocatícios não podem ser compensados, e rateados, podem?

Embora o Código de Processo Civil (20150) tenha trazido avanços consideráveis acerca dos honorários advocatícios, um dispositivo em especial me chama a atenção.


Como a Lei Geral de Proteção de Dados se aplica ao setor de “food service”

A atividade está entre as que mais se utilizam das informações dos clientes; contar com sistemas de gestão adequados facilita o cumprimento da lei.


A responsabilidade civil dos influenciadores digitais

Influenciar é o ato de exercer uma ação psicológica ou uma ascendência sobre algo ou alguém.


Os vícios insanáveis e a flexibilização da Lei da Inelegibilidade

O Senado Federal aprovou no último dia 14 de setembro o projeto que flexibiliza a Lei de Inelegibilidade e garante que os políticos possam se candidatar mesmo quando tiverem as contas julgadas irregulares, desde que tenham sido punidos apenas com multa, sem imputação de débitos.


O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.