Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Rocky Balboa e a definição do regime copyright

Rocky Balboa e a definição do regime copyright

11/12/2020 Nichollas Alem

O famoso boxeador Rocky Balboa, criado e interpretado por Sylvester Stallone, teve sua estreia com o premiado filme de 1976, Rocky, vencedor de três Oscars, inclusive melhor filme.

De lá para cá, o personagem participou de outras sete produções (cinco da franquia e duas da série Creed).

Que Balboa se tornou um dos ícones do cinema pop não é novidade… o que pouca gente sabe é que ele ajudou a definir os critérios de proteção de personagens no regime do copyright.

O filme Rocky IV foi objeto de uma ação judicial que tratou justamente dessa questão: a Anderson v. Stallone, 11 U.S.P.Q.2d 1161 (C.D. Cal. 1989).[1]

Depois de assistir o terceiro filme da franquia, em 1982, Timothy Anderson escreveu um primeiro tratamento de roteiro para “Rocky IV”, esperando que os realizadores pudessem utilizar seu trabalho para a futura produção.

No fim do mesmo ano, Anderson se encontrou com executivos da MGM que, segundo sua narrativa, haviam lhe prometido uma boa remuneração quando o filme fosse realizado. Em meados de 84, soube Stallone havia contado a mesma história em uma coletiva.

O filme acabou sendo lançado em 1985, sem participação de Anderson, que acabou ajuizando uma ação com base em violação de direitos autorais, concorrência desleal, enriquecimento seu causa e quebra de confiança.

O Tribunal acabou considerando que o tratamento escrito por Anderson não era protegido pelas normas de copyright e era substancialmente diferente do roteiro final utilizado por Stallone em Rocky IV.

A decisão se baseou no seguinte raciocínio: (1) os personagens de Rocky recebiam uma proteção autônoma de copyright, independentemente da história no qual estavam inseridos; (2) o tratamento de Anderson se apropriou dessas criações e elaborou uma obra derivada sem autorização; e (3) a obra derivada ilegal não pode receber a tutela do copyright.

Nos EUA, reconhece-se a proteção de um personagem caso este tenha sido suficientemente desenvolvido pelo seu autor – conforme o caso Nichols v. Universal Pictures, 45 F.2d 119 (2d. Cir. 1930).

Em outro precedente, argumentou-se que a tutela do personagem existirá caso este seja importante no desenrolar da história, teoria que ficou conhecida como “Sam Spade Test” – Warner Bros. Pictures, Inc. v. Columbia Broadcasting System, Inc., 216 F.2d 945, 950 (9th Cir. 1954).

No caso de Rocky, considerou-se que os personagens da série não apenas haviam sido bem delineados como eram relevantes para a trama.

Aliás, nessa disputa específica, ressaltou-se que o boxeador em muito se identifica aos próprios maneirismos e aspectos físicos do seu ator-criador.

De acordo com a legislação americana, 17 U.S.C. seção 106(2), cabe ao titular o direito exclusivo de realizar obras derivativas de seu trabalho.

Dessa forma, concluiu-se que o tratamento de Anderson é uma obra derivada não autorizada dos roteiros e personagens criados por Stallone.

Esse trabalho não gozaria de proteção do copyright por ter sido elaborado ilegalmente, violando os direitos do autor originário.

A despeito de se afastar a proteção do trabalho de Anderson, o Tribunal realizou os testes de semelhanças entre o tratamento e o roteiro final de Rocky IV, considerando elementos como as linhas gerais da história, os diálogos, os temas tratados, os planos de sequência, o tom e humor e o próprio desenvolvimento dos personagens, concluindo não haver semelhança a não ser o próprio aproveitamento das criações dos filmes anteriores.

O caso foi encerrado posteriormente com um acordo extrajudicial confidencial. Fato é que a luta nos tribunais ajudou a trazer clareza sobre futuras disputas envolvendo personagens e obras derivadas.

* Nichollas Alem é fundador e presidente do Instituto de Direito, Economia Criativa e Artes, e advogado atuante nas áreas de Direito do Entretenimento e Direito da Inovação Tecnológica.



O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani