Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Seguros de fiança locatícia

Seguros de fiança locatícia

09/02/2021 Lama Ibrahim

Seguros de fiança locatícia são garantia para proprietário do imóvel em casos de inadimplência.

Dado vasto cenário dos contratos de locação de imóveis em território nacional e sua representatividade no âmbito financeiro e econômico, surgiu ao longo dos anos nova espécie de contrato de seguro, o seguro de fiança locatícia.

Regulado pela Lei do Inquilinato, e tendo suas regras estabelecidas pela Resolução nº 202/2008, do Conselho Nacional de Seguros Privados, vem facilitar a questão quanto à busca de um fiador pelo locatário, ou mesmo apresentação de caução por ele.

Neste contexto, os contratos de seguro fiança locatícia nada mais são do que uma garantia contratada pelo locatário em favor do proprietário do imóvel, para o caso de inadimplência, substituindo, desta forma, a figura do fiador, ou o oferecimento de caução.

De acordo com a Resolução 202, do CNSP, é o contrato que garante o pagamento da indenização ao segurado, dos prejuízos que venha a sofrer em decorrência do inadimplemento do locatário em relação à locação do imóvel.

O segurado será o próprio locador do imóvel, ou seja, o proprietário do bem objeto de locação; e o locatário será o garantido, podendo ser pessoa física ou jurídica, e é quem paga o prêmio à seguradora autorizada pela SUSEP para atuar neste ramo de seguro.

Referido contrato pode ser contratado para aluguéis de imóveis urbanos residenciais e comerciais, sendo que apresenta algumas particularidades, dentre as principais, está a proibição de um mesmo contrato de locação possuir mais de um seguro da mesma espécie. Ou seja, não podem ser contratadas duas garantias para o mesmo contrato de locação.

O tempo de vigência do seguro irá durar, em regra, pelo mesmo período de locação do imóvel, valendo ressaltar que, para a aprovação do pretenso locatário/inquilino para o seguro, é necessário que comprove renda mensal equivalente a três ou quatro vezes o valor do aluguel, podendo ser aceita, também, a junção de rendas das pessoas que venham a residir no imóvel.

Outro ponto relevante quanto a esta espécie de seguro, é que na hipótese de o locatário restar inadimplente quanto ao pagamento de alugueres e demais encargos que forem objeto do contrato, ele não ficará isento de saldar os valores em face da seguradora, conforme será melhor esclarecido adiante.

Importante ressaltar, também, que o seguro fiança locatícia, além de garantir os valores referentes as parcelas do aluguel, pode abranger encargos existentes sobre o bem, como IPTU, bem como de contas de luz, condomínio, água, entre outros, sendo que o custo das parcelas de prêmio pode variar entre uma, a duas vezes o valor do aluguel mensal, sendo passível de parcelamento, isso de acordo com o procedimento de cada seguradora.

Como já salientado, o benefício que o seguro fiança locatício traz é a dispensa da busca de um fiador pelo locatário, e os possíveis constrangimentos que esta situação possa gerar, sem contar que é menos oneroso, em menor lapso de tempo, isso quanto à apresentação de caução, que costuma ser no equivalente aos valores de três meses de aluguel.

A vantagem para o locador, segurado na apólice, é de que, sob qualquer viés, receberá o valor dos aluguéis e encargos inadimplidos pelo locatário, uma vez que a seguradora fará frente aos débitos deixados, tomando por base o contrato entabulado entre partes.

Ainda, destaca-se que o sinistro, nesta espécie de seguro, se dará quando já inadimplente o locatário, o locador acionar a seguradora para que realize os pagamentos respectivos, de acordo com as coberturas contratadas no seguro fiança locatícia.

Em estando efetivamente caracterizado o sinistro, a seguradora indenizará o proprietário do imóvel, pagando os valores inadimplidos pelo locatário, o que gera a favor da referida seguradora o direito de passar a cobrar o montante pago diretamente do inquilino que, não o fazendo, poderá ser acionado judicialmente, em ação de regresso, para sanar os valores que deixou de pagar.

Conclui-se, desta forma, que o contrato de seguro fiança locatícia é um facilitador quando da celebração de contratos de locação, porém, não isenta o inquilino de realizar o pagamento dos valores que deve, sob o risco de ser acionado judicialmente pela companhia seguradora.

Estas são, em linhas gerais, as principais particularidades dessa modalidade de seguro.

* Lama Ibrahim é advogada do escritório Rucker Curi Advocacia e Consultoria Jurídica e especialista em Direito de Seguros - Previdência Complementar e Processo Civil.

Para adquirir LIVROS clique aqui…

Fonte: Literal Link



Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves


Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação