Portal O Debate
Grupo WhatsApp


STF e a Lagosta Indigesta

STF e a Lagosta Indigesta

09/05/2019 Bady Curi Neto

O STF, guardião da Constituição, resolvera fazer uma licitação para compra, pelo menor preço, de fornecimento de refeições.

Nada mais natural, os Ministros daquela corte costumam passar horas a fio em seus gabinetes, debruçando na enormidade de processos e recursos judiciais sob suas relatorias e revisões.

O que causou estranheza e perplexidade foram as exigências do edital, que constavam itens como uísque 18 anos, vinhos premiados, além de lagostas, camarões e outras iguarias.

A licitação, na modalidade de pregão eletrônico, que previa o valor total de R$ 1,13 milhões, encerrou com deságio de 58% (cinquenta e oito por cento), ou seja, R$ 481.720,88 ofertado pela empresa vencedora.

A escolha dos manjares e bebidas da licitação chamou a atenção não somente da população, mas também do Senado Federal e do Ministério Público que, ao Tribunal de Contas da União, propôs uma representação, requestando deste “medidas necessárias a apurar a ocorrência de supostas irregularidades”.

Em nota, a Suprema Corte, assim se manifestou: “O edital da licitação do serviço institucional, em elaboração pelo STF, reproduz as especificações e características de contrato semelhante firmado pelo Ministério das Relações Exteriores (que faz o cerimonial da Presidência da República) já analisado e validado pelo Tribunal de Contas da União, mas com redução do escopo: dos 21 itens contratados pelo ministério, 15 são objeto de licitação do STF”.

À nota, tem que se fazer ao menos uma distinção: a Presidência da República recebe presidentes, embaixadores e várias outras autoridades do Brasil e do estrangeiro, fazendo parte de seu mister institucional promover jantares e almoços para seus convidados, o que não coaduna com a função do STF.

Se todas as cortes de justiça superiores (TCU, TSE, TSM, STJ e TST) adotassem o mesmo parâmetro para licitar suas refeições ou mesmo o Congresso Nacional, o prejuízo que seria para o erário.

A indignação com o despautério do edital, motivou a deputada federal, Carla Zambelli (PSL-SP), ajuizar ação popular perante a Justiça Federal do Distrito Federal, requestando a suspensão da licitação e da contratação.

Distribuído o processo, a juíza competente, acertadamente, suspendeu a contratação da empresa vencedora da licitação, entre outros argumentos: “refeições e bebidas alcoólicas de apurado/elevado padrão gastronômico, com alto custo de dinheiro público – e que, em tese, o referido ato, caso seja concretizado por meio da celebração de contrato, pode vir a ser efetivamente prejudicial ao patrimônio público e, especialmente, à moralidade administrativa, verifico a presença da probabilidade do direito a justificar a concessão da medida liminar”.

A licitação pode até ser legal, no sentido estrito da lei, mas afasta-se dos princípios constitucionais da razoabilidade e da moralidade, como decidido.

Segundo algumas reportagens, o STF acionou a Advocacia Geral da União para interpor recurso, objetivando a suspensão da decisão primeira.

Acaso isto venha a ocorrer, os Ministros, da mais alta Corte de Justiça, poderão saborear lagostas, degustar vinhos premiados e uísque de 18 anos, mas a ressaca e a indigestão serão dos jurisdicionados.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Segurados do INSS e a correção de vínculos trabalhistas

Diante do cenário atual de pandemia e fechamento das agências da Previdência Social, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) vem tomando muitas medidas que visam otimizar o atendimento dos segurados via telefone ou pelo site "MEU INSS".


A Lei de Abuso de Autoridade como instrumento de abuso

O genial escritor francês Paul Valéry certa feita afirmou que: “O poder sem abuso perde o encanto”.


Geração de caixa através dos tributos em meio a pandemia

Mesmo antes da pandemia do COVID-19 que surpreendeu o mundo com sua capacidade de disseminação, espera-se que, no Brasil, existam possibilidades de redução da carga tributária, sem que seja necessária discussão judicial que, consequentemente, passa por um longo caminho processual até que o contribuinte tenha o efetivo resultado.


STF e a concentração dos poderes

São poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário (art. 2º da CF/88), com funções e atribuições previstas pelo poder Constituinte de 88.


É permitido despejo durante a pandemia?

É fato que todos nós estamos passando por um momento nunca visto na história recente de nossas vidas.


STJ julgará a validade da incidência do fator previdenciário na aposentadoria dos professores

O Superior Tribunal de Justiça agendou para esta quarta-feira (27 de maio) julgamento sobre a incidência ou não do fator previdenciário no cálculo da renda mensal inicial da aposentadoria por tempo de contribuição de professor, quando a implementação dos requisitos necessários à obtenção do benefício se der após 1999 (Lei n. 9.876/1999).


Carteira de Identificação da Pessoa com Autismo na proteção dos direitos humanos

Apesar da lei já estar em vigor, não se tem previsão exata de sua aplicação.



Decisões liminares de despejo durante a pandemia e o Projeto de Lei 1.179/20

Conforme tem sido amplamente noticiado, a pandemia causada pelo coronavírus importará em diversas e importantes consequências jurídicas e sociais para o nosso país.


Toyota indenizará por atraso em entrega de veículo

Cliente com câncer usaria o carro para se locomover até a cidade onde fazia tratamento.


Rede de cosméticos é condenada por obrigar consultora a mudar visual

Como ressaltou a magistrada, a aparência dos cabelos não altera a capacidade de trabalho da consultora de beleza.


Cláusula de foro de eleição em tempos de COVID-19

Quando as partes contratantes optam pela inserção de uma cláusula de eleição de foro em seu contrato, classifica-se essa escolha como uma causa de competência relativa.