Portal O Debate
Grupo WhatsApp

STF e o inquérito para chamar de seu

STF e o inquérito para chamar de seu

26/04/2019 Bady Curi Neto

O Ministro Alexandre de Morais terá apenas um inquérito “para chamar de seu”.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ministro Dias Toffoli, determinou a abertura de inquérito criminal contra ameaças, fake news, contra a mais alta corte de Justiça e seus membros, nomeando o Ministro Alexandre de Moraes para presidir o inquérito, baseado no Artigo. 43 - Regimento Interno daquela casa, que prevê “Ocorrendo infração à lei penal na sede ou dependência do Tribunal, o presidente instaurará inquérito, se envolver autoridade ou pessoa sujeita à sua jurisdição, ou delegará esta atribuição a outro Ministro.”

À primeira vista, o regimento somente autoriza a instauração do inquérito se ocorrido infração à lei penal na sede ou na dependência do Tribunal, o que parece não ser o caso, já que as ameaças e os fake news, se ocorridos, foram feitas fora do STF.

Acrescente-se, ainda, que o Regimento do STF permite apenas a instauração do inquérito, não confundindo com o poder investigatório, atribuições exclusivas da Polícia Judiciária (Civil e Federal) e do Ministério Público.

O inquérito penal é a fase investigativa de coleta de provas e evidências de todo material necessário para um possível oferecimento de denúncia crime (se existem indícios suficientes para o prosseguimento da persecução criminal).

Fato é, que depois de toda esta celeuma, sobre a legalidade da instauração do inquérito criminal pelo STF, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou um ofício para o Ministro Alexandre de Moraes, requerendo seu arquivamento.

Em resposta, o Ministro Alexandre de Moraes, responsável designado pelo inquérito, rechaçou o arquivamento, declarando, em Lisboa, que “Nós vamos continuar investigando, principalmente – e esse é o grande objetivo do inquérito aberto por determinação do presidente do Supremo – as ameaças aos ministros do STF. O que se apura, o que se investiga não são críticas, não são ofensas. Até porque isso é muito pouco para que o Supremo precisasse investigar. O que se investiga são ameaças graves feitas, inclusive, na deep web, como foi já investigado pelo próprio Ministério Público de São Paulo”.

O mal-estar entre a PGR e o STF agitou o meio jurídico, parecendo ser mais uma guerra de vaidades e disputa de poderes entre as instituições, eis que pelo que se tem notícias, a Procuradora Geral não teve acesso aos autos do inquérito.

Independentemente das razões que levaram ao pedido de arquivamento do inquérito, fato é que o titular da Ação Penal é o Ministério Público, vale dizer, somente ele possui competência e poderes constitucionais para o oferecimento da denúncia criminal.

Raquel Dodge, ao requestar o arquivamento, se manifestou: “Considerando os fundamentos constitucionais desta promoção de arquivamento, registro, como consequência, que nenhum elemento de convicção ou prova de natureza cautelar produzida será considerada pelo titular da ação penal ao formar sua opinio delicti. Também como consequência do arquivamento, todas as decisões proferidas estão automaticamente prejudicadas”.

A resistência no prosseguimento do inquérito não surtirá nenhum efeito prático, já que as provas coligidas na fase inquisitorial serão desconsideradas pelo titular da ação penal. O Ministro Alexandre de Morais terá apenas um inquérito “para chamar de seu”.

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG).

Fonte: Naves Coelho Comunicação



As polêmicas da urna eletrônica

Importante ressaltar que este artigo não tem viés político – partidário e não pretende esgotar o assunto, tendo apenas a intenção de contribuir para o debate sobre a segurança das urnas eletrônicas.


Planejamentos tributários abusivos

STF reconhece a constitucionalidade da norma limitadora.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Especialista em marketing digital jurídico indica o que e como fazer para advogados se destacarem no universo online e atrair potenciais clientes.

Oito dicas para advogados usarem melhor suas redes sociais

Advogados abordarão o impacto de conflitos éticos e estatais na relação entre países

Começa no dia 13 de abril, a partir das 9h30, o “Fórum Mundial de Litígio”.


Inversões da Justiça e as 15 milhões de vítimas de fraudes financeiras no Brasil

De grande repercussão na mídia nacional e até internacional, o caso da GAS Consultoria chama atenção pelos valores envolvidos, que ultrapassam bilhões de reais e deixam milhares de pessoas na incerteza sobre o paradeiro das suas economias.


Compras efetuadas com cartão furtado geram indenização a cliente

O Brasil é o país campeão em vazamento de cartões. Considerando todos os outros países, a população brasileira é a maior vítima, totalizando 45,4% dos casos do mundo todo.


O Rompimento do Noivado e suas consequências: uma breve análise

Intimamente ligado à noção de família, o instituto do casamento é universal e elemento comum em praticamente todos os ordenamentos jurídicos mundiais modernos.


Banco é condenado a indenizar cliente

O banco Itaú Unibanco foi condenado a indenizar uma cliente em R$ 10 mil, a título de danos morais, por não assegurar proteção e segurança para sua conta bancária.


Casal que foi desalojado de hotel deve ser indenizado

Justiça condena agência online por prejudicar viagem.


O último sobrenome deve sempre ser o do pai?

Na hora de registrar o nascimento dos filhos, é muito comum surgirem algumas dúvidas nos pais.