Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Telemedicina não é carta branca para atendimentos

Telemedicina não é carta branca para atendimentos

29/07/2020 Fabio De Lucca

Normas limitam o uso e estabelecem regras que médicos devem seguir.

A pandemia causada pelo novo coronavírus alterou a relação médico-paciente.

Desde abril, foi permitida de forma temporária a telemedicina, mas apenas enquanto durar o Estado de Emergência em Saúde Pública.

A permissão, contudo, não é uma carta branca para que todo tipo de atendimento seja feito de forma remota.

Normas do Conselho Federal de Medicina e do Ministério da Saúde deixam evidente essa limitação: somente é possível o uso da telemedicina quando o atendimento presencial não for possível ou não for recomendado, devendo se ter em vista que o objetivo da norma foi preservar o distanciamento social durante a pandemia.

A título de exemplo: consultas para agendamento de cirurgia eletiva ou estética são vedadas.

Por outro lado, o Ministério da Saúde não restringe o atendimento a distância de casos relacionados à Covid-19, sendo possível o uso da telemedicina independentemente da queixa ou patologia.

O médico, contudo, não é obrigado a aceitar esse tipo de atendimento, tendo total independência para recusar o uso da telemedicina quando não se sentir seguro ou entender que não será benéfico ao paciente.

Caso aceite, o médico deve seguir uma série de cuidados, como obter o consentimento do paciente de que o atendimento ou a consulta será por telemedicina; esclarecer previamente as possíveis limitações do atendimento virtual, bem como, em se tratando de consulta particular, informar previamente o valor da consulta e obter o prévio aceite.

No caso de pacientes com menos de 18 anos, eles deverão estar acompanhados de um dos pais ou o representante legal no momento da consulta.

Como o sigilo profissional é um dos pilares da relação médico-paciente, o profissional deve se atentar para o uso de tecnologia e comunicação que garanta o sigilo e a segurança das informações.

Como medida de precaução, recomenda-se que seja utilizada uma tecnologia audiovisual que permita a gravação de todo o atendimento, que deve integrar o prontuário. Além disso, o paciente deve aceitar desde o início que a gravação seja feita.

É importante destacar que a situação excepcional, gerada pela pandemia, não afasta os princípios éticos e obrigações a serem seguidos pelos médicos.

Assim como ocorre nas consultas presenciais, finalizado o atendimento, o médico deve registrar todos os dados em prontuário médico, notadamente o estado clínico, hipótese diagnóstica ou diagnóstico feito, exames complementares solicitados, dia e hora do atendimento, dentre outros.

Atestados e prescrições nesse tipo de atendimento são válidos, desde que preencham alguns requisitos como, entre outros, ter a identificação do médico com seu CRM e dados do paciente.

Para evitar fraudes, o governo lançou um portal que permite verificar a autenticidade dos documentos.

O uso da tecnologia em favor da saúde pode facilitar e aproximar médicos e pacientes, mas deve ser feito de forma segura e responsável.

O fato de a permissão para a telemedicina ser temporária não exime o profissional de suas responsabilidades. Por isso, é necessária a estrita observância das normas, possibilitando um atendimento seguro para ambos.

Não obstante ainda exista muita resistência no meio médico quanto ao atendimento por telemedicina, inclusive dos Órgãos de Classe, talvez, após declaração do término do Estado de Emergência em Saúde, a telemedicina tenha vindo para ficar.

* Eduardo Andery é advogado, sócio do Granito, Coppi, Boneli e Andery Advogados (GCBA Advogados Associados).

Fonte: WGO Comunicação



Holding familiar é uma boa alternativa

Devido a pandemia do novo coronavírus e suas consequências negativas, o brasileiro passou a refletir mais sobre planejamento sucessório, ocasionando um aumento de 134% de testamentos em cartórios.


Como aumentar a eficiência da Justiça brasileira?

A sobrecarga do Judiciário é um antigo problema no Brasil.


5 pontos sobre Direito Ambiental que a sua empresa precisa saber

O mau uso do meio ambiente por parte das empresas é algo já não mais aceito diante do mercado.


Imposto de Renda deveria ser justo, proporcionar retorno ao cidadão e diminuir a pobreza

A melhor solução para o Brasil passaria por uma revisão completa da tributação das pessoas jurídicas e físicas, incluindo a tributação de dividendos, adotando-se sistemáticas de imputação há décadas utilizadas por países membros da OCDE para evitar a dupla tributação.


Empresas que desistem de contratar após exame admissional podem ter implicações

O advogado André Leonardo Couto, que tem mais de 25 anos de experiência na área trabalhista, alerta que os contratantes devem se pautar pela boa-fé e honrar ofertas e compromissos, pois a responsabilidade civil do empregador não está limitada ao período contratual.


LGPD e os condomínios

Seus reflexos para os condomínios, edifícios e empresas terceirizadas (administradoras de condomínio, empresas terceirizadas de portaria virtual e remota, entre outros).


Fux, um STF discreto, imparcial e justo

Quando, em seu discurso de posse na presidência do Supremo Tribunal Federal, o ministro Luiz Fux condenou a “judicialização vulgar e epidêmica” de temas que os outros poderes República – Legislativo e Executivo – deveriam resolver dentro dos seus próprios limites, suas palavras ecoaram pelo Brasil inteiro.


Sisbajud: o novo sistema de busca de ativos pela Justiça

Em agosto de 2020, entrou em funcionamento o Sistema de Busca de Ativos do Poder Judiciário (SisbaJud) em substituição ao BancenJud.


CDC faz aniversário e Idec lista 30 direitos garantidos na lei

Código de Defesa do Consumidor, promulgado em 1990, trouxe os principais direitos básicos garantidos para o consumidor e segue sofrendo atualização.


5 tecnologias que estão impactando a vida do advogado

Soluções colaboram para que profissionais do direito possam atender um número maior de clientes de forma mais fácil e em menos tempo.


Eleições e as medidas de segurança sanitária em tempos de pandemia

As eleições em tempos de pandemia serão um grande desafio para todos que estarão envolvidos no pleito de 2020.


Deepfakes assombram eleições

A eleição municipal no Brasil, para os cargos de prefeito, vice-prefeito e vereador, acontece no dia 15 de novembro.