Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Tribunais podem solicitar a intervenção de psicólogos em caso de alienação parental

Tribunais podem solicitar a intervenção de psicólogos em caso de alienação parental

26/06/2023 Paulo Eduardo Akiyama

A alienação parental é um problema grave e que pode ter consequências legais significativas.

Quando um dos pais manipula psicologicamente um filho para afastá-lo do outro genitor, isso não apenas afeta a dinâmica familiar, como também causa potenciais problemas psicológicos na criança.

Esse tipo de acusação pode afetar diretamente os procedimentos de guarda e visitação, influenciando na decisão do tribunal em relação à custódia dos filhos.

O alienador pode ter suas visitas restringidas ou até mesmo perder o direito de encontrar os filhos, caso seja considerado prejudicial ao bem-estar da criança. Em casos de alienação parental grave, as autoridades podem intervir para proteger o bem-estar da criança.

Se houver evidências claras de manipulação psicológica e dano emocional, medidas de proteção infantil podem ser tomadas, como a inversão da guarda e até mesmo o afastamento temporário ou permanente de quem provocou o dano.

Dependendo da legislação do país, os pais alienadores podem enfrentar sanções legais, que podem incluir multas, penalidades financeiras, restrições de visitação e até mesmo a perda da custódia dos filhos.

Em casos extremos, a alienação parental pode ser praticada por atos que tipificam crimes contra a criança e o adolescente, em especial aqueles previstos na Lei Henry Borel.

Como em Direito de Família, quando se fala em guarda, não há o “famoso” trânsito em julgado, ou seja, a sentença definitiva. Nestes casos, sempre é possível ser revista a decisão inicial com uma ação revisional.

No caso de alienação parental, quando acionado o Judiciário por ação própria ou incidental, a fim de proteger o melhor interesse das crianças e adolescentes, pode ser alterado o regime de guarda e a inversão do guardião, definitiva ou temporária, inclusive impondo tratamento psicológico ou psiquiátrico para aquele genitor praticante dos atos de alienação.

O poder judiciário sempre busca, na melhor forma, o bem estar da criança e do adolescente para terem uma vida familiar pacífica e produtiva.

Mesmo com a intervenção de profissionais como psicólogos, psiquiatras, assistentes sociais e demais, o melhor caminho é os pais buscarem meios de ajustarem as diferenças com relação à separação, de tal sorte a imprimir um relacionamento sadio para seus filhos.

Este seria o melhor dos mundos, mas a falta de conscientização ainda é um fator preponderante para as causas e sequelas que trazem aos filhos. Em processos de família não há quem ganhe e quem perde, há somente os que perdem.

É importante ressaltar que as consequências legais podem variar de acordo com a gravidade do caso e a legislação de cada país.

Além das implicações legais, é importante lembrar que a alienação parental causa danos emocionais e psicológicos às crianças envolvidas.

Portanto, é fundamental que os pais e profissionais busquem soluções adequadas para prevenir e lidar com esse problema, priorizando sempre o bem-estar de seus filhos.

* Paulo Eduardo Akiyama é formado em economia e em direito desde 1984.

Para mais informações sobre alienação parental clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Carolina Lara Comunicação



O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

Autor: Sofia Martins Martorelli


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


O cancelamento unilateral dos planos de saúde é legalmente possível?

Apesar de possível, Jurista do CEUB considera a rescisão unilateral e sem motivo como abusiva, já que configura a potencial violação do princípio constitucional de proteção à vida.

Autor: Divulgação


O embate Twitter Files Brasil: que legado queremos deixar?

Elon Musk está usando sua plataforma X (ex-Twitter) para um duelo digital com o presidente do STF, Alexandre de Moraes.

Autor: Patrícia Peck


Justiça e inclusão: as leis para pessoas com TEA

Por muito tempo, os comportamentos típicos de crianças que tinham Transtorno do Espectro Autista (TEA) foram tratados como “frescura”, “pirraça” ou “falta de surra”.

Autor: Matheus Bessa e Priscila Perdigão


Você conhece a origem dos seus direitos?

Advogado e professor Marco Túlio Elias Alves resgata a história do Direito no Brasil e no mundo em livro que democratiza os saberes jurídicos.

Autor: Divulgação


Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani