Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

Uma boa dose de bom senso em favor do trabalhador gaúcho!

22/05/2024 Sofia Martins Martorelli

O bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia.

A tragédia ambiental vivida pela população do Rio Grande do Sul uniu no mesmo barco pessoas geralmente separadas por abismos sociais: gaúchos de diferentes etnias, idades, ocupações e classes econômicas sofreram prejuízos e muitos também choraram pelas perdas humanas. Enquanto o nível das águas não baixar e a vida voltar à sua normalidade, empregados e empregadores ainda continuarão vivenciando dores muito parecidas, mas, ao mesmo tempo, sabendo que poderão ter pela frente conflitos a vencer.

Há muitas questões trabalhistas em jogo: se o empregado deixou de ir trabalhar por razões óbvias, ele deve ser remunerado mesmo diante das faltas? Se permanecerem sem comparecer ao serviço, poderão ser demitidos por abandono de emprego? Quanto ao empregador, cujo negócio foi prejudicado pela enchente, ainda lhe é imputada a responsabilidade de remunerar os trabalhadores? Como exigir esse compromisso num momento em que ele também perdeu tudo?

É possível que essas dúvidas norteiam muitas ações trabalhistas nos próximos meses, e neste caso agrava-se o fato de que a legislação brasileira não tem uma resposta determinada para todas elas. Ao se tratar da ausência de trabalho, por exemplo, a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) prevê somente alguns casos em que a remuneração não é afetada. Dentre elas estão a morte de determinados familiares, doenças e acidentes de trabalho, dentre outras circunstâncias.

No caso de eventos climáticos, efetivamente a lei não diz com clareza que se trata de uma falta justificada. Especificamente no caso do Rio Grande do Sul, há algo inusitado nessa situação, pois talvez em boa parte dos casos não apenas o trabalhador não pode comparecer como a empresa também não pode funcionar devido ao mesmo problema. E isso torna a necessidade de acordo ainda mais evidente.

O ideal é que essa situação não seja levada a ferro e fogo por nenhuma das partes. A empresa pode realizar o pagamento do salário e optar por inserir as horas de ausência num banco de horas, acordando com o empregado que ele as pague de forma gradativa. Entretanto, o empregado pode antes se municiar de informações a respeito da convenção coletiva da categoria, e verificar se existe alguma previsão para os desastres naturais. Não havendo, a tendência passa a ser mesmo de buscar um acordo.

Importante ressaltar o documento emitido pelo Ministério Público do Trabalho, o qual recomenda aos empregadores, por exemplo, a implementar o teletrabalho para aquele trabalhador que possui condições para tanto, bem como a empresa pode optar por conceder férias coletivas ou antecipar férias individuais, dentre outros.

O ideal é que as empresas sejam flexíveis em uma situação como esta, que inclusive pode vir a se repetir, não só no estado do Rio Grande do Sul, mas em qualquer outro estado. Situações que devem ser compreensíveis, tanto a do trabalhador, como também a da empresa, visto que tal situação é de calamidade e inesperada.

A situação é extremamente sensível uma vez que pessoas estão sem sua moradia, sem alimento, sem vestimenta, quiçá internet ou energia elétrica, e assim deve haver o bom senso do empregador de ser impossível naquele momento o trabalhador realizar suas atividades. Ainda, dentre essas pessoas também se encontram os empresários, os quais também estão passando por tal situação inoportuna.

Desta forma, o bom senso precisa falar mais alto, de tal maneira que ninguém saia ainda mais prejudicado nesta tragédia. Criar uma via de mão dupla, estabelecendo resoluções que podem amenizar os problemas de cada lado, é o que pode ser mais viável. Para tornar isso ainda mais possível, a recomendação é para que se documentem tudo com declarações, fotografias e vídeos que mostram que a cheia de fato inviabilizou qualquer hipótese de comparecer ao trabalho.

* Sofia Martins Martorelli é advogada do escritório Montalvão & Souza Lima Advocacia de Negócios.

Para mais informações sobre ações trabalhistas clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Todos os nossos textos são publicados também no X

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A inadequação da mediação obrigatória pré-judicial

Nos últimos anos, a sobrecarga do sistema judiciário brasileiro tem provocado o debate acerca da obrigatoriedade da tentativa de solução extrajudicial de conflitos antes do ajuizamento de ações judiciais, como uma forma de comprovar o interesse de agir.

Autor: Suzana Cremasco


Novas regras de combate ao telemarketing abusivo entram em vigor

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) implementou uma série de novas medidas para combater o telemarketing abusivo, reforçando a proteção dos consumidores brasileiros.

Autor: Divulgação


Licença-maternidade sem carência para as autônomas

Foi uma decisão histórica, e com 25 anos de atraso!

Autor: Nayara Felix


Recorde de queixas contra planos de saúde e a necessidade de mudanças

Nos últimos dez anos, o Brasil testemunha um aumento alarmante nas queixas de consumidores contra planos de saúde.

Autor: Natália Soriani


Conflitos condominiais

Tipos de ações judiciais e maneiras eficientes de resolvê-los.

Autor: Divulgação


Se a doença é rara, o tratamento não pode ser

13 milhões de brasileiros convivem hoje com doenças raras, de acordo com o Ministério da Saúde.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


O perigo da pejotização para as startups

Os recentes conflitos envolvendo a Uber e a justiça trabalhista em ações que reivindicam o vínculo de emprego de motoristas junto à empresa ganhou a atenção da sociedade e até do Palácio do Planalto.

Autor: Ricardo Grossi


Crise no setor de saúde e a suspensão de venda de planos da Prevent Sênior

A suspensão de venda de planos de saúde familiares e individuais por uma operadora, como no caso da Prevent Senior, geralmente ocorre sob a égide da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que é o órgão regulador do setor.

Autor: Natália Soriani


Recuperação extrajudicial do grupo Casas Bahia

Entenda algumas vantagens desse modelo para reestruturação da sociedade.

Autor: João Pedro Gonçalves de Sousa


Trabalhador pode se opor a pagar contribuições assistenciais feita ao sindicato

“A manifestação coletiva, em assembleia, é a forma e o momento mais adequados para se exprimir a vontade dos empregados”.

Autor: Divulgação


Correção de rumos no STF: pejotização é fraude trabalhista

O Supremo Tribunal Federal (STF) tem recebido nos últimos meses uma quantidade expressiva de reclamações constitucionais para cassar decisões da Justiça do Trabalho relativas a contratos fraudulentos de prestação de serviços.

Autor: Cíntia Fernandes


Novas regras para notificação de inadimplência e exclusão de planos de saúde

O próximo dia 1º de setembro será marcado por uma importante mudança na relação entre consumidores e operadoras de planos de saúde.

Autor: Natália Soriani