Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Vamos ter que nos adaptar a essa nova ordem

Vamos ter que nos adaptar a essa nova ordem

01/05/2020 Maria Inês Vasconcelos

A aceleração dos processos sociais, econômicos e políticos no mundo é algo que nos leva a refletir sobre o nascimento de uma nova ordem pós-pandemia de Covid-19.

Assim como profetizou Bauman, as relações se tornaram fluidas, velozes, inconstantes e sem forma definida.

Nesse cenário, o Direito passou a ser visto como se estivesse distante da sociedade, assemelhando-se a algo "periférico", "irrelevante" ou, no mínimo, "um epifenómeno", como outrora afirmou Arend.

A crença comum é que, até que se resolva a questão Covid-19, o homem terá que buscar uma forma de se adaptar a nova ordem, que, de forma permanente e inalterável, mudou o mundo e a razão, deixando um vazio e portas abertas para a incerteza e o medo.

Assim, para a desgraça da lei, tais fatos exigem que a legislação sofra também uma remodelagem. Não há espaço e tempo para resistir ao contexto histórico, moral e estético. Surrealismo.

A triste realidade sobre a pandemia convida os legisladores a ter celeridade e harmonizar os  cenários, reduzindo a tensão e incoerência entre o Direito Positivado e os fatos sociais.

Não adianta haver uma nova norma jurídica se ela não abrigar nova ordem. É como ter um carro a gasolina em um cenário de petróleo extinto.

Daqui e dali o que vemos é mero contorcionismo político. O capitalismo segue se reinventando, novos fetiches surgem sob pretexto da busca por soluções para o problema de caixa dos governos. Fala-se até em "novo capitalismo".

Contudo, a falta de espessura teórica e reflexão acerca de algumas medidas, sobretudo de leis, mostra que a precipitação desnecessária só aumenta o peso que a sociedade, no auge desse cataclisma, carrega.

É o caso do ensino a distância. A educação é, sem sombra de dúvida, fundamental no corpo social do país.

No entanto, como é que se pode pensar em ensino a distância se uma parcela considerável da população brasileira não tem computadores em casa e grande parte dos professores não está preparada para tal atividade? A norma constitucional é clara, o ensino é para todos.

Mas, quando o total não tem acesso ao ensino a distância, a norma - diga-se de passagem, precipitada - não passa de uma falácia. É oca, vazia.

Fazer e desfazer, manter a política do "morde e assopra" e legislar através de Medida Provisória acerca de temas que já estão bem delineados na Constituição são nonsenses que, principalmente nessa época de pandemia, nos remete ao surrealismo. O zigue-zague que se faz com o Direito do Trabalho é um atentado não discernido.

É de mediana clareza que o Direito não serve às necessidades políticas ou econômicas, e sim às necessidades do meio social que ele tem por finalidade ordenar.

Toda fenomenologia da conduta humana mostra que o agir do homem sempre se projeta no sentido de determinado meio social, o qual, por sua vez, surge como limitação à sua liberdade criadora.

O Direito é um objeto cultural produto da liberdade criadora do espírito humano. Suas normas exprimem justamente o resultado de uma opção entre as várias ações possíveis. Fazer o direito é, sobretudo, um juízo de valor!

Assim, não há como afastar o Direito da implicação da dinâmica social, que é sempre redutora da complexidade das antigas vinculações ou um estímulo à sua expansão.

São dois lados da mesma moeda, sendo que cabe à sociedade escolher como se adaptar às mudanças, e ao Direito como acompanhá-las.

Não se pode enxergar o Direito de outra forma, ele realmente segue como um discurso sobre a realidade, que pode facilitar ou dificultar a adaptação à vida em sociedade.

Momentos de exceção, claro, legitimam respostas políticas excepcionais, mas há que se temperar a dose, para que o Direito não perca a sua própria natureza de regular os fatos jurídicos, a vida em sociedade e, finalmente, viabilizar a paz.

Caberá a nós escolher o sucesso ou o fracasso, e ao Direito apenas seguir a realidade.

* Maria Inês Vasconcelos é advogada trabalhista, palestrante, pesquisadora e escritora.

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Honorários advocatícios não podem ser compensados, e rateados, podem?

Embora o Código de Processo Civil (20150) tenha trazido avanços consideráveis acerca dos honorários advocatícios, um dispositivo em especial me chama a atenção.


Como a Lei Geral de Proteção de Dados se aplica ao setor de “food service”

A atividade está entre as que mais se utilizam das informações dos clientes; contar com sistemas de gestão adequados facilita o cumprimento da lei.


A responsabilidade civil dos influenciadores digitais

Influenciar é o ato de exercer uma ação psicológica ou uma ascendência sobre algo ou alguém.


Os vícios insanáveis e a flexibilização da Lei da Inelegibilidade

O Senado Federal aprovou no último dia 14 de setembro o projeto que flexibiliza a Lei de Inelegibilidade e garante que os políticos possam se candidatar mesmo quando tiverem as contas julgadas irregulares, desde que tenham sido punidos apenas com multa, sem imputação de débitos.


O caso do jogador Dudu do Palmeiras: por que o divórcio deixou a ex-mulher sem nada?

O caso da separação do jogador Dudu, do Palmeiras, deixa um alerta para quem pretende estabelecer um casamento ou uma união estável.


Demissão por WhatsApp não é ilegal

Entendimento da Justiça tem sido de verificar, independente do meio, postura digna e comunicação clara nos desligamentos de trabalhadores.


Caso Daniel Alves, a Lei Pelé e a cultura de atraso de salários no futebol brasileiro

Na última semana fomos surpreendidos pela atitude corajosa do lateral Daniel Alves que decidiu não atuar mais pelo São Paulo Futebol Clube, por conta de atrasos de salários.


As expectativas advindas do Marco Legal das Startups

É verdade que a sensação da comunidade empresarial, quando da eminência da publicação de um novo diploma legal a fim de regular determinada atividade, volta-se naturalmente aos entraves burocráticos capazes de frear e obstar a chancela de negócios.


As fraudes financeiras com bitcoins e a necessidade da punição exemplar

A ampla cobertura da mídia sobre as operações das autoridades brasileiras contra fraudes financeiras utilizando a rentabilidade das criptomoedas como forma de atrair investidores deu visibilidade à uma prática que vem crescendo exponencialmente no Brasil.


Polêmica da Anvisa: atuação do órgão no jogo entre Brasil e Argentina

Na tarde do último domingo (5 de setembro), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) paralisou a partida de futebol entre Brasil e Argentina, que jogavam pelas Eliminatórias da Copa do Mundo.


As virtudes e desvirtuamentos do Novo Código Eleitoral

Tramita no Congresso Nacional o projeto do Novo Código Eleitoral com mais de novecentos artigos.


Principais impactos da LGPD nas relações de trabalho

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD - Lei nº13.709/2018) prevê regras e princípios que devem ser observados quando da utilização de dados pessoais pelas empresas privadas e públicas.