Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Vantagens e cuidados em renegociar dívidas com bancos

Vantagens e cuidados em renegociar dívidas com bancos

07/12/2019 Letícia Marques

Em tempos de Black Friday, começou a denominada “Semana da Negociação e Orientação Financeira”.

Em tempos de Black Friday, começou a denominada “Semana da Negociação e Orientação Financeira”, uma oportunidade para quem tem alguma dívida com instituições financeiras de renegociar seus débitos, com descontos e condições melhores de pagamento.

O mutirão é organizado pelo Banco Central e pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), contudo os bancos não são obrigados a aderirem o programa.

Os descontos ofertados pelas instituições financeiras chegam até 92%, todavia cada banco terá sua própria porcentagem, sem um padrão definido.

Estão participando do programa: Bradesco, Banco Pan, Banrisul, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Santander.

Algumas agências destes bancos terão o horário estendido até às 20 horas. Para quem não puder participar presencialmente, poderá acessar as plataformas digitais das instituições.

A importância dessa semana é devido ao aumento de inadimplentes no Brasil, segundo uma pesquisa realizada pelo Serasa Experian, 63,2 milhões de Consumidores estavam inadimplentes em abril deste ano, o crescimento foi de 3,2% em relação a ano passado, aumentando em 2 milhões, batendo um novo recorde.

As vantagens para os consumidores inadimplentes aderirem o programa são:

- O desconto pode ser muito vantajoso por diminuir o valor da dívida;

- Caso esteja negativado apenas por uma dívida e o banco para quem está devendo adere o programa, fazendo o acordo, poderá ter a restrição financeira retirada de seu nome;

- O score aumentará, permitindo o financiamento de algum móvel ou imóvel, ou até mesmo a contratação de um empréstimo;

- Evitar ação de execução judicial;

Todavia, é importante o consumidor ter atenção e tomar alguns cuidados para não cair em golpes, uma vez que os criminosos estão sempre atentos.

Assim, a orientação é de comparecer na agência para verificar as possibilidades de descontos e evitar o pagamento de boletos enviados por e-mail, pois pode não se tratar do banco e você consumidor acabar caindo em algum golpe.

Outro fator é estudar se realmente vale a pena o desconto. Portanto, procure fazer um cálculo a fim de comparar os descontos com o valor original e sua real possibilidade de pagar e quitar a dívida. Não é interessante realizar este tipo de acordo e não paga-lo, pois apenas renovará a dívida.

Dessa forma, aqueles que estão inadimplentes e pretendem regularizar sua vida financeira, retirando a restrição de seu nome e evitando um processo judicial, devem procurar a instituição financeira responsável e verificarem se o acordo será vantajoso.

* Letícia Marques é advogada do escritório Aith, Badari e Luchin Sociedade de Advogados.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Os planos de saúde e os obstáculos ao bem-estar dos pacientes

No contexto do direito à saúde no Brasil, os planos de saúde privados são regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelece normas e diretrizes para garantir a cobertura assistencial aos consumidores.

Autor: Natália Soriani


R$ 200 mil não apaga a dor, mas paga a conta

Um caso de erro médico do interior de São Paulo chamou atenção de todo Brasil por conta de dois fatores.

Autor: Thayan Fernando Ferreira


Precisamos mesmo de tantas leis?

O Direito surgiu como uma forma de organizar melhor as sociedades, uma vez que já havia algumas tradições reproduzidas a partir de exemplos ou de determinações orais que alguns grupos, especialmente os familiares, seguiam.

Autor: Marco Túlio Elias Alves


Proibição do chatbot na campanha eleitoral afeta políticos com menos recursos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atualizou normas relacionadas ao uso da inteligência artificial nas campanhas para as eleições municipais de 2024. A alteração é vista como pequena e mal discutida por especialistas da área.

Autor: Divulgação


Digitalização da saúde e os desafios na relação plano e consumidor

A digitalização da saúde, que compreende o uso de recursos tecnológicos e de Tecnologia da Informação (TI) para fins médicos, é um fenômeno que a cada ano se consolida e expande em todo o país.

Autor: Natália Soriani


Os equívocos do caso Robinho

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no uso de competência constitucional e regimental, analisou e, por maioria de votos, homologou o pedido de execução da sentença penal condenatória proferida pela Justiça Italiana contra o ex-jogador Robinho.

Autor: Marcelo Aith


A nova lei de licitações: o que deve mudar daqui para frente?

O sucesso dessa legislação dependerá do compromisso de todas as partes envolvidas em trabalhar juntas.

Autor: Matheus Teodoro


Exclusão de dependentes maiores de 25 anos de planos de saúde

Os magistrados têm reconhecido a existência de uma expectativa de direito por parte dos consumidores.

Autor: José Santana Junior


TikTok e a multa milionária por captura ilegal de dados biométricos no Brasil

Por utilizar métodos que ferem a Lei Geral de Proteção de Dados e o Marco Civil da Internet, o TikTok, rede social famosa por vídeos de curta duração, foi multado em R$ 23 milhões pela Justiça.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Como tornar o mundo jurídico descomplicado

A comunicação no mundo jurídico é uma das mais complicadas do mercado. Termos técnicos demais e palavras em latim, por exemplo, criam grandes obstáculos.

Autor: Gabriella Ibrahim


Por que a Meta deverá, obrigatoriamente, mudar de nome no Brasil?

A Meta, empresa dona dos aplicativos Facebook, Instagram e WhatsApp não poderá usar este nome no Brasil.

Autor: Renato Falchet Guaracho


Planejamento sucessório garante futuro do agronegócio

Especialista alerta para os desafios da sucessão familiar no campo e destaca a importância de um plano bem estruturado para a perpetuação do negócio.

Autor: Divulgação