Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A escola de educação infantil e a pandemia

A escola de educação infantil e a pandemia

22/11/2020 Adriana Aparecida de Souza

As instituições de educação infantil são as mais prejudicadas.

A escola de educação infantil e a pandemia

A quarentena e, consequentemente, o isolamento social, afetaram diversos setores, entre eles o educacional, seja a rede pública – município e estado – ou privada. Nesse contexto, vimos nossas escolas procurando uma adaptação da rotina e organização pedagógica, fato totalmente novo e sem embasamento em vivências anteriores. É um acontecimento histórico e que, de fato, não há direcionamentos científicos ou até mesmo empíricos, assim, sejam pais, estudantes, equipe diretiva ou corpo docente, todos que formam a escola podem, em alguns momentos, repensar o caminho trilhado, questionar se estão escolhendo os melhores meios de continuar a educação, porém, é nítido que esforços estão sendo desprendidos a fim de promover a melhor educação dentro das novas condições apresentadas.

Nessa mesma caminhada estão as escolas particulares, essas, com agravantes que vão além dos conteúdos, avaliações e aprendizagens durante a pandemia, mas, por sua própria sobrevivência no mercado. As instituições de educação infantil são as mais prejudicadas, cerca de 80% das escolas particulares que atendem as crianças de zero a cinco anos podem simplesmente fechar suas portas a partir dessa realidade. Como não há a obrigatoriedade de frequentar a escola até os três anos, muitos pais buscaram a secretaria das escolas para cancelamento do contrato, ficando as crianças com os próprios pais em casa ou com parentes que estão em home office ou grupo de risco. Apenas aquelas famílias que dependem da escola, continuam tentando realizar os pagamentos das mensalidades. Essas, por sua vez, são negociadas com as instituições de ensino em parcelamento ou descontos consideráveis.

Ocorre que todos esses fatores geram um efeito chamado de “dominó”, alguns pais foram afetados pelo desemprego e, sem opções, cancelam a matrícula do filho ainda pequeno, a escola, passa a ter uma redução de suas receitas, professores são demitidos, profissionais que atuam nas escolas são demitidos, fornecedores de diferentes segmentos que abastecem a escola, como alimentos para o almoço, lanche e jantar das crianças, profissionais autônomos que realizam as aulas extra curriculares  por exemplo, deixam de receber seus salários e, na ponta desse emaranhado de fatos, fatores e sujeitos, está a escola fechando suas portas.

Em diversos municípios o retorno às instituições de ensino não é cogitado, por uma questão óbvia de saúde e propagação viral, porém, é preciso um olhar social e até mesmo governamental, direcionado aos  empresários do setor educacional, a fim de promover a sobrevivência das instituições particulares de educação infantil pós pandemia, garantindo espaços de atuação dos pedagogos, bem como das nossas crianças, uma vez que a rede pública não supre a necessidade de matrículas em totalidade.

* Adriana Aparecida de Souza é especialista em Educação Especial e Metodologia Religiosa, professora da Escola Superior de Educação do Centro Universitário Internacional Uninter.

Fonte: Pg1 Comunicação



Todo dia é Dia da Educação

“A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui.” Rousseau. “O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele.” Immanuel Kant.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Todo dia é Dia da Educação

A integração entre crianças no espaço escolar

A escola, mais do que um simples espaço de ensino, desempenha um papel essencial na formação social das crianças.

Autor: Michelle Norberto

A integração entre crianças no espaço escolar

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

De acordo com levantamento da plataforma de idiomas Preply, expressões básicas como “oi”, “bom dia” e “boa noite” são as mais buscadas pelos brasileiros na tradução para o inglês.

Autor: Divulgação

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

É preciso destacar que o Brasil avançou de forma muito significativa nas últimas décadas no que concerne a políticas de acesso.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

Acolhimento: um ato revolucionário de amor e empatia

Feche os olhos por um minuto e tente lembrar de um momento em que foi acolhida na infância ou adolescência.

Autor: Vanessa Nascimento

Acolhimento: um ato revolucionário de amor e empatia

A importância de diversificar as práticas esportivas nas escolas

Os impactos positivos das diversas práticas esportivas são inegáveis, especialmente quando se considera o contexto das instituições educacionais.

Autor: Kelly Soares Rosa

A importância de diversificar as práticas esportivas nas escolas

Afinal, vale a pena insistir no ensino da letra cursiva nas escolas?

Um assunto relevante para a educação está dividindo opiniões: o uso da letra cursiva nas escolas.

Autor: Liliani A. da Rosa

Afinal, vale a pena insistir no ensino da letra cursiva nas escolas?

Estudantes cativados, estudantes motivados

Contar com a participação da família nesse processo é fundamental para que a criança seja estimulada e reconhecida.

Autor: Cleonara Schultz Diemeier

Estudantes cativados, estudantes motivados

Quem faz pós graduação EaD pode estagiar?

A escolha pelo modelo híbrido de educação ganha força e esses alunos também podem pleitear as vagas.

Autor: Carlos Henrique Mencaci

Quem faz pós graduação EaD pode estagiar?

Livro ensina às crianças as verdadeiras cores da amizade

Obra infantil combina narrativa poderosa com ilustrações que ganham vida ao longo das páginas para incentivar a tolerância desde cedo.

Autor: Divulgação


A maldição da aula divertida

Nem tudo o que precisamos aprender para compreender o mundo é divertido ou pode ser aprendido em meio a jogos lúdicos ou brincadeiras dinâmicas.

Autor: Daniel Medeiros

A maldição da aula divertida

Era uma vez em uma escola na Suécia

O governo sueco resolveu dar uma guinada nas suas orientações escolares e agora estimula fortemente o uso de livros em vez de laptops.

Autor: Daniel Medeiros

Era uma vez em uma escola na Suécia