Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A escola está formando “novos” cidadãos?

A escola está formando “novos” cidadãos?

31/07/2020 Profa. Me. Flavia Sucheck Mateus da Rocha

Estima-se que novas profissões surjam e a maneira de trabalhar também se altere.

A escola está formando “novos” cidadãos?

É ousado pensar no futuro, mas necessário, quando refletimos sobre que cidadãos estamos formando, enquanto professores de crianças ou adolescentes. O que a nova sociedade esperará do ser humano daqui a alguns anos? Que habilidades precisamos desenvolver nos estudantes da Educação Básica para que eles estejam aptos a viver, conviver e tomar decisões acertadas no futuro?

Temos lido sobre o novo normal e sobre as adaptações que a crise vivenciada pela pandemia do coronavírus trará. Também já se discute sobre os impactos no mercado de trabalho, nas profissões e no modo de viver. Estima-se que novas profissões surjam e a maneira de trabalhar também se altere. O home office pode se tornar definitivo e a mobilidade humana pode ser significativamente alterada. Todas essas suposições e possibilidades convergem em um ponto: mudanças.

Ao longo da história, grandes crises, guerras ou revoluções foram causando mudanças no modo de vida do ser humano. O desenvolvimento científico e tecnológico alterou a forma do homem se comunicar e se informar. O mercado de trabalho também experimentou transformações contínuas no caminhar da sociedade. Mas a escola, embora tenha tido sutis transformações, acabou insistindo em um modelo mais tradicional, com aulas expositivas, alunos enfileirados e foco em conteúdo.

O momento é de reflexão. Focar apenas em conteúdos garantirá que os estudantes desenvolvam as competências e habilidades que serão solicitadas deles no novo normal? Insistir em modelos tradicionais de ensino realmente contribui com a atuação desses estudantes na sociedade contemporânea?

Se pensarmos nos jovens adultos atuais e no conhecimento que eles possuem sobre ciências e matemática, podemos considerar que o sistema educacional dos anos 1980 ou 1990 foi eficiente? Temos percebido a dificuldade dos pais em auxiliar os estudantes com os conteúdos, agora que experimentam o ensino remoto. Nesse sentido, é possível imaginar que um ensino tradicional e focado em conteúdo não possibilitou uma aprendizagem significativa, já que muitos pais têm precisado de auxílio até em conceitos das séries iniciais. Ainda focando nesses adultos, quantos deles fazem afirmações equivocadas sobre ciências? Quantos deles, diante de uma doença tão cruel quanto à Covid-19, têm realmente respeitado o isolamento social e contribuído com o próximo?

Que tipo de ser humano desejamos para o futuro? Se não for possível sairmos pessoas melhores dessa crise, que nossa sociedade seja melhor no futuro. Então, o caminho é pensar na educação das crianças, dos adolescentes. E a escola faz parte desse processo. Por isso, considero importante que, nessa fase, toda a comunidade escolar se reúna para refletir e discutir sobre o que precisa ser mudado para que a preparação dos estudantes contribua para que eles desenvolvam as habilidades necessárias para o novo normal.

Algumas dessas habilidades já vinham sido discutidas mesmo antes da pandemia: criatividade, capacidade de resolver problemas, trabalho em equipe, versatilidade. Hoje, percebemos que muitas outras habilidades são bem-vindas: empatia, respeito, tolerância, alteridade. Além disso, notamos a importância de um amplo conhecimento a respeito das tecnologias digitais. Outro aspecto importante se refere à criticidade diante de tantas informações disponíveis na internet. Por isso, a escola precisa sim focar em conteúdo, pois eles são extremamente importantes. Somente com conhecimento científico, o cidadão pode realmente tomar as melhores decisões. Mas, mais do que nunca, notamos uma urgência em ir além, em se preocupar com um completo desenvolvimento do estudante, com valorização de suas características individuais, com desenvolvimento de inteligência coletiva e com criação de possibilidades para que muitas e novas habilidades sejam desenvolvidas.

Que nossa futura sociedade seja melhor, sem crise, sem vírus, com cidadãos com conhecimentos e habilidades suficientes para uma vida digna. E que nós, professores, tenhamos orgulho de ter contribuído com a formação desses novos cidadãos.

* Profa. Me. Flavia Sucheck Mateus da Rocha é docente na área de Exatas da Escola Superior de Educação do Centro Universitário Internacional Uninter

Fonte: Página 1 Comunicação



Escola de Negócios libera acessos para curso ‘Transformação Digital para Engenheiros’

Voitto libera 15 mil acessos gratuitos e curso com 12 horas de conteúdo e certificado de conclusão.

Escola de Negócios libera acessos para curso ‘Transformação Digital para Engenheiros’

Universidade Infraero abre inscrições para o Programa ‘Treinar’

Universidade Infraero firma contrato com Secretaria Nacional de Aviação Civil.


Startup de educação realiza curso que incentiva independência nos estudos

A Semana do Filho Estudioso, organizada pela Piva Educacional, ocorre entre os dias 17 e 24 de janeiro com transmissão simultânea para o Brasil e exterior.


Aluna dos meus alunos

Tempo, partilha, generosidade.

Aluna dos meus alunos

Um debate sobre a valorização dos educadores

Quando falamos da importância da valorização dos profissionais da educação, diversos fatores devem ser considerados.

Um debate sobre a valorização dos educadores

Curso gratuito de programação vai capacitar 50 mil mulheres

Iniciativa criada pela escola de programação Kenzie Academy e a startup DUPLA quer reduzir a desigualdade de gênero na área de tecnologia.


4 pilares do processo de aprendizagem para 2022

Especialista aponta os principais pontos para promover ambientes dinâmicos e que estimulem o acesso ao conhecimento.

4 pilares do processo de aprendizagem para 2022

Diploma Digital deve ser adotado por todas instituições de ensino superior do Brasil

Medida trará mais eficiência, segurança e proporcionará redução de custos às instituições.

Diploma Digital deve ser adotado por todas instituições de ensino superior do Brasil

Seu filho já sabe programar? Se não, comece a prepará-lo para o futuro

Acesso ao aprendizado da linguagem de programação amplia a criatividade, pensamento crítico e matemático, além da capacidade de resolução de problemas.

Seu filho já sabe programar? Se não, comece a prepará-lo para o futuro

2021, o ano que (enfim) terminou

Faz praticamente dois anos que vivemos quase o dia da marmota, como no filme O Feitiço do Tempo.

2021, o ano que (enfim) terminou

UFMG tem 76 vagas de graduação para refugiados e apátridas

Para se candidatar é necessário ter feito o Enem entre 2017 e 2021.

UFMG tem 76 vagas de graduação para refugiados e apátridas

Área do meio ambiente oferece oportunidades crescentes em Ciências da Natureza

Área é impulsionada pela estruturação da legislação ambiental brasileira e crise mundial climática.

Área do meio ambiente oferece oportunidades crescentes em Ciências da Natureza