Portal O Debate
Grupo WhatsApp

A revolução digital e o papel do ensino a distância

A revolução digital e o papel do ensino a distância

17/01/2024 Luiz Alexandre Castanha

As profissões que despontarão na economia criativa brasileira estão ligadas à tecnologia.

A revolução digital e o papel do ensino a distância

A economia criativa no Brasil está em ascensão, impulsionada por diversos fatores como o aumento da demanda por produtos e serviços criativos, popularização da transformação digital e a globalização. 

Em 2022, representou 2,6% do PIB nacional, e as projeções indicam um crescimento para 3,5% em 2023, segundo dados do Observatório da Indústria (ONI). 

Esse setor não apenas contribui significativamente para a economia, tendo gerado 4,9 milhões de empregos apenas em 2022, como também promete ser uma fonte de novas oportunidades. São cerca de 10,4 milhões de trabalhadores, de acordo com o Ministério da Economia, o que representa 8,5% da força de trabalho brasileira.

As profissões que despontarão na economia criativa brasileira estão ligadas à tecnologia, comunicação, marketing, design e cultura. Desenvolvedores de software, especialistas em inteligência artificial, analistas de marketing digital, redatores criativos, social media managers e designers gráficos, entre outros, serão peças-chave nesse cenário em constante evolução.

É um panorama extremamente promissor! Mas será que há mão de obra qualificada suficiente para atender à demanda? A resposta é não. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Centro de Estudos da Indústria Criativa (CEINC), cerca de 75% das empresas criativas brasileiras enfrentam dificuldades para encontrar profissionais qualificados.

Precisamos reconhecer a importância da capacitação profissional para atender à crescente demanda. Muitos jovens e adultos, independente da faixa etária, precisam adquirir as habilidades necessárias para se destacarem em um mercado em expansão, que também é impulsionado pelo mindset criativo. 

Esse tipo de mindset desempenha um papel fundamental na economia criativa, pois impulsiona a inovação, a resolução de problemas e o desenvolvimento de novas ideias, produtos e serviços. Por exemplo, uma rendeira que passa a criar, além dos bordados e das peças de roupas, outros produtos para vender e aumentar a sua renda. 

E é nesse contexto que o ensino a distância surge como uma peça fundamental. A dinâmica do mercado criativo exige habilidades específicas, muitas das quais podem ser adquiridas e aprimoradas por meio de plataformas online. E essa estratégia já se confirmou eficaz. Ao utilizar recursos digitais é possível proporcionar flexibilidade, permitindo o ajuste dos novos conhecimentos aprendidos à rotina. Além disso, a modalidade facilita o acesso a conteúdos de alta qualidade, muitas vezes ministrados por profissionais renomados do setor.

Além da flexibilidade, a aprendizagem digital elimina barreiras geográficas. Jovens e idosos, independentemente de sua localização, podem acessar cursos e conteúdos de alta qualidade, conectando-se com colegas de todo o país. Isso não apenas enriquece a diversidade de perspectivas, mas também cria uma rede que impulsiona o desenvolvimento profissional.

A falta de mão de obra qualificada para a economia criativa é um problema que precisa ser enfrentado. O governo, as empresas e as instituições de ensino precisam trabalhar juntos para desenvolver programas de capacitação que possam preparar os profissionais para atuar nesse setor. 

O Brasil, ao investir na capacitação por meio do ensino a distância, não apenas impulsiona sua economia criativa, mas também democratiza o acesso a oportunidades que levem ao mindset criativo. 

O ensino a distância não é apenas uma opção, é uma necessidade urgente para garantir que o nosso país esteja preparado para os desafios e as oportunidades do futuro na economia criativa.

A modalidade contribui para a construção de uma força de trabalho mais ágil e adaptável! E, diante das rápidas mudanças tecnológicas e das demandas do mercado, a capacidade de aprender continuamente é uma vantagem competitiva. Vale muito a pena pensar sobre o assunto!

* Luiz Alexandre Castanha, administrador de empresas com especialização em gestão de conhecimento e storytelling aplicado à educação, coautor do livro “Olhares para os Sistemas” e é CEO da NextGen Learning.

Para mais informações sobre ensino a distância clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Fonte: Conecte Comunicação



Volta às aulas: como evitar o estresse e a ansiedade?

Milhares de crianças e adolescentes estão de volta às salas de aula.

Autor: Divulgação

Volta às aulas: como evitar o estresse e a ansiedade?

Educação para autistas: se não agora, quando?

Nos últimos 10 anos muitas foram as conquistas alcançadas pelas pessoas com autismo, fruto de suas lutas e de suas famílias.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação para autistas: se não agora, quando?

Readaptação das crianças ao ambiente escolar na volta às aulas

O início do ano letivo se aproxima e com ele muitas expectativas, o período de volta às aulas é um momento de novos desafios e oportunidades.

Autor: Divulgação

Readaptação das crianças ao ambiente escolar na volta às aulas

O direito de estudar também vale para pessoas com autismo

Pautado na perspectiva de um direito humano e fartamente fundamentado nas legislações, o parecer orientador fura a bolha da invisibilidade.

Autor: Lucelmo Lacerda

O direito de estudar também vale para pessoas com autismo

Precisamos ajudar os jovens na conquista de uma autonomia saudável

Criar autonomia não significa agir sem orientação, e é nesse contexto que destaco a importância de auxiliar os jovens em suas escolhas.

Autor: Rafaelle Benevides

Precisamos ajudar os jovens na conquista de uma autonomia saudável

Inovação na educação: o impacto transformador das telas interativas

As telas interativas têm emergido como catalisadoras de mudanças significativas no cenário educacional.

Autor: Severino Sanches

Inovação na educação: o impacto transformador das telas interativas

Revolução educacional e estudantes com autismo: o impacto do CNE

A cada 36 crianças, uma é diagnosticada com autismo. E a garantia do direito à educação desses estudantes se apresenta como tema de interesse público nacional.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Revolução educacional e estudantes com autismo: o impacto do CNE

Caneta, régua, borracha e apontador são os materiais escolares mais tributados

Pesquisa realizada pela Sovos aponta que tributos incidentes sobre os principais itens escolares podem chegar a 50% do preço final repassado ao consumidor.

Autor: Divulgação

Caneta, régua, borracha e apontador são os materiais escolares mais tributados

Adaptação da criança na escola é momento crítico para pais e educadores

Especialistas dão dicas de como lidar com esse momento de choradeira e inseguranças.

Autor: Divulgação

Adaptação da criança na escola é momento crítico para pais e educadores

Estudantes brasileiros rejeitam FIES como forma de financiamento

30% dos entrevistados não aceitariam de forma alguma o financiamento ou preferem outras formas de pagamento, mesmo se houvesse vaga disponível.

Autor: Divulgação

Estudantes brasileiros rejeitam FIES como forma de financiamento

Estratégias para poupar na compra de material escolar

Dicas sobre como se organizar para que o retorno às aulas não cause um grande impacto financeiro.

Autor: Divulgação

Estratégias para poupar na compra de material escolar

Ortopedista se surpreende com o peso das mochilas na porta das escolas e faz alerta

Mês de janeiro e as crianças e adolescentes começam a preparar a lista de material que vai acompanhá-los ao longo do ano escolar.

Autor: Dr. Maurício Martelletto

Ortopedista se surpreende com o peso das mochilas na porta das escolas e faz alerta