Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Aluno não é todo mundo

Aluno não é todo mundo

09/10/2019 Rita Schane

“Você não é todo mundo”.

O velho bordão de mães e pais pode parecer apenas uma resposta negativa padrão para pedidos dos pequenos, mas diz muito sobre como precisamos olhar para nossas crianças. A questão da alfabetização no Brasil é um exemplo. O Plano Nacional de Educação (PNE) diz que a criança pode ser alfabetizada até o terceiro ano do Ensino Fundamental, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) até o segundo ano e, recentemente, o Pacto Nacional pela Alfabetização ressalta que esse processo deve ocorrer, preferencialmente, no primeiro ano do Ensino Fundamental.

Como resultado desse desencontro e de outras questões referentes à alfabetização, temos os resultados mais recentes da Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA), em que encontramos uma taxa de 54% dos alunos concluintes do 3º ano com desempenho insuficiente no exame de proficiência em leitura. Isso nos leva a crer que os professores estão desamparados e necessitando de auxílio, sem saber o que mais pode ser feito, diante da cobrança de toda a comunidade, para que os alunos sejam alfabetizados o mais rápido possível.

Bom, como “você não é todo mundo”, o aluno também não é! Em uma turma de vinte ou trinta alunos, sabemos que eles não serão alfabetizados no mesmo período, a partir da mesma metodologia, em um mesmo ano. Cada um tem seu ritmo e seu tempo. Talvez o professor precise repetir muitas e muitas vezes a mesma coisa para os mesmos alunos, ou tenha que mudar o percurso para que somente um deles aprenda daquele jeito e naquele momento. Ou seja, é necessário conhecer cada aluno e a forma como ele, em especial, aprende. Esse aluno pode ser auditivo, visual, cinestésico… e, por isso, a escola apresenta tantas dificuldades nesse sentido, precisando conhecer a forma como cada um se conecta com o conhecimento e, ainda, o seu percurso educacional individual.

Relato aqui uma das observações que tenho feito ao longo da minha carreira – nada científico, mas recorrente. Anos atrás, tínhamos cinco ou seis alunos por turma que chegavam ao terceiro ano e não liam ou não escreviam; hoje, em uma turma de trinta, às vezes, quinze, dezesseis, dezessete não têm sucesso na alfabetização. O que se percebe é que as crianças são diferentes e estão, cada vez mais, exigindo da escola novas e diferentes formas de ensinar. A educação é movimento, porque a vida é movimento, estamos em evolução e não podemos ensinar como ensinávamos antes – porque essas crianças não são as mesmas. Elas têm necessidades e especificidades que fazem parte de um contexto específico: o do século XXI.

 

Digo isso porque há mais de dez anos trabalho com a formação de professores e venho constatando, também, que o que se ensina no Ensino Superior atualmente não está dando conta da realidade encontrada nas salas de aula. A maioria dos professores não sai pronta para trabalhar com esses alunos. E são inúmeros os fatores que contribuem para tal situação, que vão desde questões familiares, interesses individuais dos alunos, questões que envolvem a inclusão, papel e finalidade da escola nos dias atuais, enfim... assuntos, esses, para uma outra conversa.

Assim, devemos parar de nos preocupar com o momento “ideal” para a alfabetização, mas sim, que ela ocorra verdadeiramente, de forma justa e com encantamento, seja no primeiro, segundo ou terceiro ano – tempo esse convencionado pelas políticas públicas educacionais. Paremos de tentar enquadrar nossas crianças em caixas e passemos a enxergá-las como realmente são: seres humanos únicos e que têm necessidades, desejos e particularidades, além de tempos e ritmos diferentes para o “aprender”. Necessitam de acolhimento, empatia, atenção e o nosso comprometimento, afinal, elas não são “todo mundo” e muito menos, as vilãs dessa história!

* Rita Schane é especialista em pareceres pedagógicos do Sistema de Ensino Aprende Brasil.

Fonte:Central Press



Agradeça a um professor hoje

O mundo mudou e, consequentemente, a Educação também.

Agradeça a um professor hoje

Intercâmbio no ensino médio enriquece currículo e prepara para o mercado

Entre os países mais procurados, Canadá e Estados Unidos aparecem no topo da lista, seguido por Inglaterra, Irlanda e Austrália.

Intercâmbio no ensino médio enriquece currículo e prepara para o mercado

A importância da educação financeira na infância

Para quem acompanha os números do mercado, não há como negar: a ausência de uma educação financeira para as gerações anteriores foi bastante maléfica.


Como as crianças pequenas aprendem inglês?

Por se tratar de um dos idiomas mais falados no mundo, a língua inglesa facilitou de forma considerável a comunicação entre as pessoas.

Como as crianças pequenas aprendem inglês?

Programa do MEC abrirá 1,5 milhão de vagas em educação profissional

As vagas deverão ser ofertadas tanto no ensino médio quanto para jovens e adultos que já estão fora da escola.

Programa do MEC abrirá 1,5 milhão de vagas em educação profissional

MEC libera 679 bolsas de pós-graduação

Todas as bolsas serão ofertadas em cursos nota 4, com tendência de melhora.

MEC libera 679 bolsas de pós-graduação

Família e escola: mãos dadas pela educação

A grande verdade é que a educação das crianças é compartilhada entre pais e escola.

Família e escola: mãos dadas pela educação

Decifra-me ou te devoro: qual o futuro da educação superior

As primeiras análises dos dados do censo da Educação Superior, indicam que o segmento agora está sustentado e direcionado para o EAD - Educação a Distância.

Decifra-me ou te devoro: qual o futuro da educação superior

Cerca de 6% dos cursos avaliados no Enade 2018 tiraram nota máxima

A maior parte dos cursos é ofertada por instituições públicas federais.

Cerca de 6% dos cursos avaliados no Enade 2018 tiraram nota máxima

10 tópicos para entender e se preparar para o Novo Ensino Médio

Novo modelo passa a vigorar em 2021 em todas as escolas brasileiras.

10 tópicos para entender e se preparar para o Novo Ensino Médio

MEC anuncia desbloqueio de R$ 2 bilhões

Ministério da Educação vai destinar maior parte de verba desbloqueada para universidades.

MEC anuncia desbloqueio de R$ 2 bilhões

A força do comprometimento

A educação formal realizada por instituições de ensino não é tarefa individual, e sim coletiva.