Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Arranjos de Desenvolvimento: um tema importante para os secretários municipais de educação

Arranjos de Desenvolvimento: um tema importante para os secretários municipais de educação

22/06/2020 Eliziane Gorniak

O dia a dia da administração de uma rede de ensino é pesado e complexo.

Arranjos de Desenvolvimento: um tema importante para os secretários municipais de educação

Temos acompanhado o trabalho de muitos dirigentes municipais de educação e de suas equipes, especialmente de municípios de pequeno porte. O que percebemos é uma grande motivação para viabilizar projetos importantes e que resultem na melhoria do aprendizado dos estudantes.

O dia a dia da administração de uma rede de ensino é pesado e complexo. As equipes precisam compreender e dominar uma quantidade enorme de normas, regulações e sistemas, que sofrem atualizações frequentes. Também precisam administrar os inúmeros incidentes que podem, muitas vezes, atropelar o planejamento. Num piscar de olhos, mais um dia se passou e aqueles tais projetos podem facilmente precisar ser deixados para segundo plano.

Acontece que projetos importantes demandam tempo, além de recursos financeiros e técnicos. Às vezes, é preciso ainda superar barreiras políticas para criar um ambiente favorável à sua implantação. Então, nesse cenário, o que fazer?

Alguns secretários de educação do país encontraram, por meio da colaboração e da integração de profissionais de municípios próximos geograficamente, um caminho para superar algumas das limitações individuais.

O que e como eles fazem?

Eles optaram por constituir um colegiado de profissionais, sejam eles secretários de educação ou membros das equipes técnicas. Nesse colegiado, a atuação vai além de aproximações pessoais e das trocas de informações pontuais. Eles decidiram entender quais são as principais fragilidades comuns às suas redes de ensino e, a partir desse cenário, definiram aquilo que poderiam fazer para superar suas dificuldades com o esforço coletivo. Desenharam um plano, identificaram possíveis parceiros, compartilharam recursos técnicos e, pouco a pouco, as ações começaram a ganhar corpo.  Perceberam que essa troca constante e contínua fortalece a capacidade institucional dos profissionais, que passaram a contar com uma rede de pessoas dispostas a compartilhar a sua experiência e a estender a mão em momentos de apuros.

É assim que um grupo de aproximadamente sessenta municípios da região do noroeste paulista consegue, desde 2009, unir esforços para realizar anualmente um congresso internacional, focado em formação continuada para mais de 1500 pessoas, em especial, para professores e gestores das redes. O congresso tem duração de uma semana, oferecendo o que há de mais inovador no Brasil e fora dele, com palestras magnas e uma diversidade de oficinas práticas.

Também foi pensando dessa mesma forma que quinze municípios da Chapada Diamantina, uma região de municípios com inúmeras fragilidades econômicas e sociais, localizada no interior da Bahia, tiveram a ideia de passar a oferecer formações conjuntas aos professores e aos coordenadores das redes de ensino. Assim, pouco a pouco, diferentes oportunidades nasceram e como resultado, em dez anos de ações conjuntas e continuadas, os municípios praticamente duplicaram o seu Ideb. Um verdadeiro exemplo para o Brasil.

Esse modelo colaborativo chama-se Arranjos de Desenvolvimento da Educação (ADEs), um trabalho em rede no qual um grupo de municípios com proximidade geográfica e características sociais e econômicas diversificada busca trocar experiências e solucionar conjuntamente as dificuldades na área da Educação. Os ADEs foram objeto de uma resolução do Conselho Nacional de Educação, homologada pelo Ministério da Educação em 2012.

Mas você pode estar se perguntando: isso não é óbvio? Se unir e construir ações conjuntas? Sim, e é justamente essa simplicidade, flexibilidade e baixa burocracia que tem impulsionado o nascimento de novos Arranjos pelo Brasil. Atualmente, 222 municípios já estão organizados em arranjos, em seis estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Bahia, Piauí e Maranhão.

O Brasil é um país grande e plural. Inegavelmente o sucesso das políticas educacionais passará pela capacidade de gestão dos municípios, e o Regime de Colaboração intermunicipal será fundamental para que os gestores estejam melhor preparados para gerir um conjunto de políticas complexas e desafiadoras que estão surgindo, além de criar estratégias que viabilizem a equidade de aprendizagem dos estudantes, independente da escola ou rede de ensino em que estão matriculados.

* Eliziane Gorniak, professora, mestre em Gestão Ambiental e Diretora Executiva do Instituto Positivo, organização que atua em favor da melhoria da qualidade da educação pública, por meio do incentivo ao Regime de Colaboração.

Fonte: Colegio Positivo



Violência escolar: qual a causa e como solucionar

Comportamentos violentos nas escolas se intensificam cada dia mais, ou pelo menos a sua relevância tem ficado mais clara.

Autor: Felipe Lemos

Violência escolar: qual a causa e como solucionar

Todo dia é Dia da Educação

“A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui.” Rousseau. “O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele.” Immanuel Kant.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Todo dia é Dia da Educação

A integração entre crianças no espaço escolar

A escola, mais do que um simples espaço de ensino, desempenha um papel essencial na formação social das crianças.

Autor: Michelle Norberto

A integração entre crianças no espaço escolar

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

De acordo com levantamento da plataforma de idiomas Preply, expressões básicas como “oi”, “bom dia” e “boa noite” são as mais buscadas pelos brasileiros na tradução para o inglês.

Autor: Divulgação

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

É preciso destacar que o Brasil avançou de forma muito significativa nas últimas décadas no que concerne a políticas de acesso.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

Acolhimento: um ato revolucionário de amor e empatia

Feche os olhos por um minuto e tente lembrar de um momento em que foi acolhida na infância ou adolescência.

Autor: Vanessa Nascimento

Acolhimento: um ato revolucionário de amor e empatia

A importância de diversificar as práticas esportivas nas escolas

Os impactos positivos das diversas práticas esportivas são inegáveis, especialmente quando se considera o contexto das instituições educacionais.

Autor: Kelly Soares Rosa

A importância de diversificar as práticas esportivas nas escolas

Afinal, vale a pena insistir no ensino da letra cursiva nas escolas?

Um assunto relevante para a educação está dividindo opiniões: o uso da letra cursiva nas escolas.

Autor: Liliani A. da Rosa

Afinal, vale a pena insistir no ensino da letra cursiva nas escolas?

Estudantes cativados, estudantes motivados

Contar com a participação da família nesse processo é fundamental para que a criança seja estimulada e reconhecida.

Autor: Cleonara Schultz Diemeier

Estudantes cativados, estudantes motivados

Quem faz pós graduação EaD pode estagiar?

A escolha pelo modelo híbrido de educação ganha força e esses alunos também podem pleitear as vagas.

Autor: Carlos Henrique Mencaci

Quem faz pós graduação EaD pode estagiar?

Livro ensina às crianças as verdadeiras cores da amizade

Obra infantil combina narrativa poderosa com ilustrações que ganham vida ao longo das páginas para incentivar a tolerância desde cedo.

Autor: Divulgação


A maldição da aula divertida

Nem tudo o que precisamos aprender para compreender o mundo é divertido ou pode ser aprendido em meio a jogos lúdicos ou brincadeiras dinâmicas.

Autor: Daniel Medeiros

A maldição da aula divertida