Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Como as crianças pequenas aprendem inglês?

Como as crianças pequenas aprendem inglês?

08/10/2019 Nágila Oliveira e Talita Chagas

Por se tratar de um dos idiomas mais falados no mundo, a língua inglesa facilitou de forma considerável a comunicação entre as pessoas.

Como as crianças pequenas aprendem inglês?

Hoje, ter domínio do idioma não é mais um diferencial somente no mercado de trabalho, mas, dependendo do cargo, é um pré-requisito. Mas será que o inglês é importante somente para a carreira profissional?

Existem muitos outros benefícios com o aprendizado de um segundo idioma, entre eles, aumento da capacidade de raciocínio, melhora nos relacionamentos sociais, descoberta de novos talentos, aptidões e o desenvolvimento cognitivo são alguns dos fatores que tornam esse conhecimento tão positivo e satisfatório.

Nesse sentido, com qual idade as pessoas deveriam iniciar os estudos de uma língua estrangeira? Não existe uma idade exata, mas é certo que quanto antes melhor. No que se refere à aprendizagem de um novo idioma, as crianças apresentam diversas vantagens em relação aos adultos. De modo geral, elas não sentem vergonha de se expor, de tentar fazer uso da língua ou de cometer erros, por isso, se arriscam mais. Com isso, têm a possibilidade de aprenderem com as suas próprias falhas, além de apresentarem mais facilidade para articularem novas pronúncias.

Por aprenderem de forma lúdica e dinâmica, muitas vezes as crianças nem percebem que estão estudando inglês. Ao participarem ativamente das aulas por meio de jogos interativos, brincadeiras desafiadoras, diálogos entre colegas, músicas, danças e dramatizações, os alunos são estimulados a serem protagonistas de seu aprendizado. As atividades desenvolvidas levam em consideração a realidade da criança, como a faixa etária, o conhecimento prévio, além da sua rotina e suas relações pessoais. Desse modo, elas vivenciam de forma concreta e utilizam a língua inglesa de forma autêntica, o que garante um aprendizado real e significativo.

Cada criança tem um jeito único de ser, mas o que todas têm em comum é uma extrema capacidade de aprender. Os pequenos reconhecem e diferenciam sons que nós adultos muitas vezes temos dificuldades em reconhecer, e por isso, a inserção de uma segunda língua nessa faixa etária é importante. A crianças são pequenos gênios e quando expomos elas a outras línguas estrangeiras, estamos oferecendo oportunidades de exploração da capacidade natural de ouvir e distinguir os mais variados sons e assim, compreender o que estão ouvindo.

Na Educação Infantil é evidente que o ensino de língua inglesa não visa a aquisição de conhecimentos gramaticais, por exemplo, e nem avaliará o aluno por meio de uma prova escrita e individual, com o foco de se obter uma nota. A meta a ser adquirida nesta fase é ingressar o discente num mundo de descobertas, animando o estudante a se comunicar de maneira mais lúdica no idioma de estudo.

Assim, podemos dizer que é na infância que os alunos começam a brincar com as palavras dando significado próprio a elas por meio da imaginação e da fantasia, por isso o aprendizado de uma nova língua na faixa etária infantil é importante para o desenvolvimento cognitivo da criança.

* Nágila Oliveira e Talita Chagas, professoras de Língua Inglesa do Colégio Marista Maringá

Fonte: Pg1



A maldição da aula divertida

Nem tudo o que precisamos aprender para compreender o mundo é divertido ou pode ser aprendido em meio a jogos lúdicos ou brincadeiras dinâmicas.

Autor: Daniel Medeiros

A maldição da aula divertida

Era uma vez em uma escola na Suécia

O governo sueco resolveu dar uma guinada nas suas orientações escolares e agora estimula fortemente o uso de livros em vez de laptops.

Autor: Daniel Medeiros

Era uma vez em uma escola na Suécia

Pais de autistas pedem que ministro o Parecer do Autismo

Associações de pais de autistas de todo o Brasil estão empenhadas em ampliar os direitos educacionais dos filhos.

Autor: Divulgação

Pais de autistas pedem que ministro o Parecer do Autismo

Educação e cidadania: pilares para futuro sustentável

Investir nas pessoas no tempo presente é um princípio básico e pode ser uma das maneiras mais efetivas de garantir um futuro mais sustentável.

Autor: Antoninho Caron

Educação e cidadania: pilares para futuro sustentável

10 motivos para falar de IA com crianças e adolescentes

Para os especialistas, a ferramenta já é considerada uma nova forma de alfabetização.

Autor: Divulgação

10 motivos para falar de IA com crianças e adolescentes

Participação e inclusão escolar: como fazer?

O princípio da gestão democrática da educação, previsto no artigo 206 da Constituição de 88, é também uma luta histórica dos movimentos a favor dos direitos das pessoas com deficiência. 

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Participação e inclusão escolar: como fazer?

Desvendando a defasagem na aprendizagem

Pesquisa compara ritmo acadêmico pré e pós-pandemia, mostrando caminhos para solucionar essa defasagem e promover sucesso educacional aos alunos.

Autor: Divulgação

Desvendando a defasagem na aprendizagem

Como as competições podem melhorar o desempenho dos alunos

O Brasil é um dos países que menos investe em educação básica no mundo, segundo a OCDE.

Autor: Divulgação

Como as competições podem melhorar o desempenho dos alunos

Volta às aulas: como evitar o estresse e a ansiedade?

Milhares de crianças e adolescentes estão de volta às salas de aula.

Autor: Divulgação

Volta às aulas: como evitar o estresse e a ansiedade?

Educação para autistas: se não agora, quando?

Nos últimos 10 anos muitas foram as conquistas alcançadas pelas pessoas com autismo, fruto de suas lutas e de suas famílias.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação para autistas: se não agora, quando?

Readaptação das crianças ao ambiente escolar na volta às aulas

O início do ano letivo se aproxima e com ele muitas expectativas, o período de volta às aulas é um momento de novos desafios e oportunidades.

Autor: Divulgação

Readaptação das crianças ao ambiente escolar na volta às aulas

O direito de estudar também vale para pessoas com autismo

Pautado na perspectiva de um direito humano e fartamente fundamentado nas legislações, o parecer orientador fura a bolha da invisibilidade.

Autor: Lucelmo Lacerda

O direito de estudar também vale para pessoas com autismo