Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Diálogo de Surdos

Diálogo de Surdos

29/08/2019 Acedriana Vicente Vogel

Se o aluno aprende, é porque o professor ensina. Se não aprende, é porque apresenta algum tipo de problema?

Diálogo de Surdos

Imaginem a cena: um professor que repete, repete, repete, sempre da mesma forma, um mesmo conteúdo, em diversas classes, imaginando ter feito a parte que lhe cabe como docente. E um aluno que, por sua vez, lhe diz “eu não entendi!”. Vejam que, o “eu não entendi”, não necessariamente tem alguma relação com “eu não ouvi” (o que foi inúmeras vezes dito). O professor, com boa vontade, repete novamente o mesmo conteúdo e, exausto, busca justificar o “eu não entendi”, sob alguns prismas:

- “Só pode ser uma afronta desse menino!” - trata-se de um problema de comportamento para ser resolvido pelas autoridades escolares (orientação, supervisão, direção), esperando as devidas providências disciplinares.

- “Esse menino precisa de tratamento!” - aceitando que se trata de um déficit cognitivo, provavelmente proveniente de um mau trabalho nas séries anteriores - e encaminha para profissionais extra-escolares (psicólogos, psicopedagogos, médicos,...).

- “Esse menino precisa de ajuda!” - entendendo a situação como um problema de ajustamento e que cabe uma investigação familiar para compreender a sua incapacidade para aprender algo tão bem explicado.

- Ou ainda, pode esperar até o final do ano para dar um veredicto, dizendo que “será melhor para ele repetir novamente a série” e, quem sabe, “procurar uma outra escola em que ele se adapte melhor”.

Essa história foi descrita pelo prof. Júlio Groppa Aquino e, sem dúvida, é muito familiar para todos os que trabalham em um ambiente escolar. Afinal, seja qual for o seu desfecho, há uma “sensação de um dever cumprido”. E a pergunta que fica é: que parte cabe ao professor nesse contexto? Se o aluno aprende, é porque o professor ensina. Se não aprende, é porque apresenta algum tipo de problema?

Quando afirmamos que o ofício docente é uma arte capaz de reunir várias ciências, envolve a necessidade premente de conhecer a fundo como o aluno aprende e, portanto, quais as formas de intervenção pedagógica que devem ser articuladas. Há professores que se vêem como apresentadores de conteúdo, quase um telejornal presencial, esquecendo-se que existe uma diferença abissal entre a função da mídia e a da escola. A mídia trabalha com a difusão da informação e entretenimento, enquanto a escola desenvolve um trabalho intenso e complexo com o conhecimento, porém, não menos prazeroso.

O professor não é um difusor de informações, nem um animador de platéia, da mesma forma que o aluno não é um espectador ouvinte, nem um consumidor de notícias. Despertar o desejo por conhecer mais e melhor o mundo que nos cerca é o foco do trabalho docente, nosso maior valor. Quando o conhecimento não é compreendido como um valor, corremos o risco de produzir consumidores de informações esvaziadas de contexto e de pertinência. Logo, se essa informação não ampliar, aperfeiçoando aquilo que já conhecemos, nos fazendo melhores, faltou-lhe a dimensão pedagógica.

Nessa perspectiva, não internalizamos informações da forma como ela se apresenta, mas as ancoramos em conhecimentos anteriores e paralelos, de modo a ressignificá-las, de maneira única e intransferível. Ancorar é encontrar o “fio da meada” para tecer, num processo interno e pessoal, as tramas do que pretendemos conhecer - e é por meio do conjunto do que conhecemos que o mundo nos é mais inteligível. Esse processo evidencia-se na construção etimológica da palavra complexidade, que encontra a sua origem em complexus, ou seja, aquilo que é tecido junto. Por esse motivo é que entendemos que a complexidade do trabalho do professor está nas possibilidades de ampliação, em cada aluno, nas formas de ver e produzir o mundo e não na imposição da sua lógica exposta por meio de um “diálogo de surdos”.

* Acedriana Vicente Vogel é diretora pedagógica da Editora Positivo

Fonte: Central Press / Posititvo



Carteirinhas estudantis já emitidas pelo app continuarão válidas

A ID Estudantil, lançada em setembro de 2019, permite a todos os estudantes brasileiros entrarem em eventos culturais e esportivos com meia-entrada.

Carteirinhas estudantis já emitidas pelo app continuarão válidas

Curso de Geometria e Letramento Matemático com inscrições abertas

Formação on-line e gratuita tem como objetivo aprimorar a didática de professores do Ensino Fundamental.

Curso de Geometria e Letramento Matemático com inscrições abertas

Quem pode estagiar

Entenda as regras estabelecidas para o exercício da modalidade.

Quem pode estagiar

Programa de imigração Express Entry

Belo Horizonte receberá na próxima terça, 18 visita esclarecedora sobre imigração para o Canadá.


Homeschooling: legalize já!

Em um país tão extenso territorialmente e com tantas diferenças sociais, a realidade da educação infantil, fundamental e do ensino médio é agonizante.

Homeschooling: legalize já!

Startup oferece curso gratuito de inglês com certificado

Mais de 130.000 alunos já se inscreveram. Saiba como participar.

Startup oferece curso gratuito de inglês com certificado

MEC prorroga por dois dias inscrições para o Fies

A divulgação dos resultados será no dia 26 de fevereiro.


Há vida além do Vestibular

A lista nominal dos aprovados foi anunciada. Em direção a ela milhares de jovens dirigem-se.


Correios abrem inscrição para concurso internacional de cartas

Podem participar alunos de até 15 anos das redes pública e privada

Correios abrem inscrição para concurso internacional de cartas

Aprendizagem depende de motivação!

Muitas vezes a criança apresenta dificuldade para aprender ou o rendimento cai durante o ano.

Aprendizagem depende de motivação!

Estágio curricular x extracurricular: Entenda a diferença

Independentemente da forma de contratação, o impacto do ato educativo é positivo para a carreira profissional.

Estágio curricular x extracurricular: Entenda a diferença

O futuro da educação

Colaboração entre instituições de ensino e empresas será primordial.