Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Educação: a chance do recomeço

Educação: a chance do recomeço

20/01/2021 Janaína Spolidorio

Crises trazem também oportunidades e uma delas será a chance do recomeço na educação.

Educação: a chance do recomeço

Recomeçar, contudo, não significa ter que fazer igual ou igual com cara de diferente.

Para a educação, se não tomarmos cuidado, é exatamente o que vai acontecer: tentar fazer o que fazia antes, mas adequando ao modelo híbrido e isso é preocupante.

No ano passado tudo foi em cima da hora, atropelado para acontecer, mas em 2021 não temos nenhuma desculpa. Historicamente fazemos várias coisas que não dão certo, prova disso é que nunca a educação foi considerada de qualidade aqui, por uma série de fatores.

Recomeçar, portanto, pode significar impor regras que antes não existiam, mas precisavam ter acontecido e é, inclusive, muito melhor que assim o seja. Há uma série de aspectos que podem ser considerados para este passo ser novo na história da educação. Vamos conhecer alguns a seguir:

Família: a cada ano há um distanciamento entre família e escola. Elas não falam a mesma linguagem. Os pais muitas vezes têm uma expectativa que não corresponde à realidade na escola e a escola, por sua vez, faz até questão de dizer que “aprender é diferente da época em que estudaram”. Realmente pode ser diferente, mas quem reina é a habilidade e esta pode ser usada sempre, independentemente da época em que se estudou. Os pais podem sim ajudar e é papel da escola ensinar como orientar, para que um não entre no campo do outro invadindo e sim colaborando. Esta questão precisa ter ficado clara em 2020, para que em 2021 seja mais leve; porém, se a escola não cuidou deste vínculo, chegou a hora de fazê-lo. Oportunidades assim não devem ser perdidas!

Currículo: sinceridade é tudo! O que era ruim pode ficar pior. Há décadas o Brasil tenta adequar currículo, minimizar perdas, adequar os alunos ao conteúdo... e conteúdo é algo que emperra a escola. Se antes havia dificuldade de cumprir currículo porque não “dava tempo”, imagine agora, que provavelmente teremos que dar conta de conteúdos do ano passado, repassando e até ensinando do zero, dependendo do caso, e ainda conteúdos deste ano irão deixar todos ansiosos, apreensivos e querendo “cumprir o currículo”. É preciso ter em mente que não para o currículo que se ensina, é para ao aluno. As escolas terão que ser ultra flexíveis com os conteúdos, porque não é eles que interessam e sim as habilidades de aprender, as bases para aprendizagem que vão realmente contar. Um aluno que tem bases neurológicas de aprendizagem bem desenvolvidas dá conta de qualquer conteúdo que a escola queira trabalhar, independentemente do tema.

Livro didático: sim, ele é importante e faz parte do cotidiano acadêmico, mas prender-se totalmente a ele será prender-se também ao currículo. De nada adiantará trabalhar o livro do ano sem resgatar habilidades que teriam que ter sido trabalhadas antes. Flexibilizar livro será tão importante quando flexibilizar o currículo. Se a escola dividir em temas de habilidades o livro didático conseguirá pensar no que resgatar antes de trabalhar diretamente com o livro e os pais devem ter ciência de que pode ocorrer de nem tudo ser usado! Prioridade é aprendizagem, sempre!

Formação de professores: historicamente nossa educação tem resultados questionáveis porque historicamente também a formação é deficitária. Não apenas a formação dos professores, porque se você refletir, quando o professor entra na faculdade para aprender como ser professor, já vem de um sistema quase que falido. O parâmetro de educação que ele tem não é o que deveria ter, ele não conhece a qualidade. Recomeçar pode significar se entregar à formação e ensinar, na prática, o que tem qualidade e o que não tem. É preciso que o professor enxergue além dos horizontes de antes. A formação do professor é um grande passo para a qualidade da educação em geral. Só vivenciando a qualidade ele conseguirá transformar realmente seus alunos.

Neurociência em foco: se a pedagogia não der conta, é a neurociência que poderá entrar como elemento do sucesso. É preciso tomar cuidado com o tema, pois é até “modinha”. Isso significa que há em abundância oferta de pessoas que querem falar sobre ele, porém pouquíssimos sabem exatamente o que atingir na educação. A neurociência ajuda a entender o que se passa no cérebro e entendendo o interno fica muito mais fácil estimular o externo. O ideal seria usar recursos da neurociência pelo menos em algumas atividades para poder potencializar o estudo!

Há muito mais o que explorar, mas de início, recomeçar pode significar ver de outra maneira e é exatamente disso que precisamos! Que tal aproveitarmos a chance e darmos o primeiro passo para um Brasil muito melhor?

* Janaína Spolidorio é formada em Letras e especialista em educação.

Fonte: EVCOM



Todo dia é Dia da Educação

“A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui.” Rousseau. “O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele.” Immanuel Kant.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Todo dia é Dia da Educação

A integração entre crianças no espaço escolar

A escola, mais do que um simples espaço de ensino, desempenha um papel essencial na formação social das crianças.

Autor: Michelle Norberto

A integração entre crianças no espaço escolar

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

De acordo com levantamento da plataforma de idiomas Preply, expressões básicas como “oi”, “bom dia” e “boa noite” são as mais buscadas pelos brasileiros na tradução para o inglês.

Autor: Divulgação

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

É preciso destacar que o Brasil avançou de forma muito significativa nas últimas décadas no que concerne a políticas de acesso.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

Acolhimento: um ato revolucionário de amor e empatia

Feche os olhos por um minuto e tente lembrar de um momento em que foi acolhida na infância ou adolescência.

Autor: Vanessa Nascimento

Acolhimento: um ato revolucionário de amor e empatia

A importância de diversificar as práticas esportivas nas escolas

Os impactos positivos das diversas práticas esportivas são inegáveis, especialmente quando se considera o contexto das instituições educacionais.

Autor: Kelly Soares Rosa

A importância de diversificar as práticas esportivas nas escolas

Afinal, vale a pena insistir no ensino da letra cursiva nas escolas?

Um assunto relevante para a educação está dividindo opiniões: o uso da letra cursiva nas escolas.

Autor: Liliani A. da Rosa

Afinal, vale a pena insistir no ensino da letra cursiva nas escolas?

Estudantes cativados, estudantes motivados

Contar com a participação da família nesse processo é fundamental para que a criança seja estimulada e reconhecida.

Autor: Cleonara Schultz Diemeier

Estudantes cativados, estudantes motivados

Quem faz pós graduação EaD pode estagiar?

A escolha pelo modelo híbrido de educação ganha força e esses alunos também podem pleitear as vagas.

Autor: Carlos Henrique Mencaci

Quem faz pós graduação EaD pode estagiar?

Livro ensina às crianças as verdadeiras cores da amizade

Obra infantil combina narrativa poderosa com ilustrações que ganham vida ao longo das páginas para incentivar a tolerância desde cedo.

Autor: Divulgação


A maldição da aula divertida

Nem tudo o que precisamos aprender para compreender o mundo é divertido ou pode ser aprendido em meio a jogos lúdicos ou brincadeiras dinâmicas.

Autor: Daniel Medeiros

A maldição da aula divertida

Era uma vez em uma escola na Suécia

O governo sueco resolveu dar uma guinada nas suas orientações escolares e agora estimula fortemente o uso de livros em vez de laptops.

Autor: Daniel Medeiros

Era uma vez em uma escola na Suécia