Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Educação: a chance do recomeço

Educação: a chance do recomeço

20/01/2021 Janaína Spolidorio

Crises trazem também oportunidades e uma delas será a chance do recomeço na educação.

Educação: a chance do recomeço

Recomeçar, contudo, não significa ter que fazer igual ou igual com cara de diferente.

Para a educação, se não tomarmos cuidado, é exatamente o que vai acontecer: tentar fazer o que fazia antes, mas adequando ao modelo híbrido e isso é preocupante.

No ano passado tudo foi em cima da hora, atropelado para acontecer, mas em 2021 não temos nenhuma desculpa. Historicamente fazemos várias coisas que não dão certo, prova disso é que nunca a educação foi considerada de qualidade aqui, por uma série de fatores.

Recomeçar, portanto, pode significar impor regras que antes não existiam, mas precisavam ter acontecido e é, inclusive, muito melhor que assim o seja. Há uma série de aspectos que podem ser considerados para este passo ser novo na história da educação. Vamos conhecer alguns a seguir:

Família: a cada ano há um distanciamento entre família e escola. Elas não falam a mesma linguagem. Os pais muitas vezes têm uma expectativa que não corresponde à realidade na escola e a escola, por sua vez, faz até questão de dizer que “aprender é diferente da época em que estudaram”. Realmente pode ser diferente, mas quem reina é a habilidade e esta pode ser usada sempre, independentemente da época em que se estudou. Os pais podem sim ajudar e é papel da escola ensinar como orientar, para que um não entre no campo do outro invadindo e sim colaborando. Esta questão precisa ter ficado clara em 2020, para que em 2021 seja mais leve; porém, se a escola não cuidou deste vínculo, chegou a hora de fazê-lo. Oportunidades assim não devem ser perdidas!

Currículo: sinceridade é tudo! O que era ruim pode ficar pior. Há décadas o Brasil tenta adequar currículo, minimizar perdas, adequar os alunos ao conteúdo... e conteúdo é algo que emperra a escola. Se antes havia dificuldade de cumprir currículo porque não “dava tempo”, imagine agora, que provavelmente teremos que dar conta de conteúdos do ano passado, repassando e até ensinando do zero, dependendo do caso, e ainda conteúdos deste ano irão deixar todos ansiosos, apreensivos e querendo “cumprir o currículo”. É preciso ter em mente que não para o currículo que se ensina, é para ao aluno. As escolas terão que ser ultra flexíveis com os conteúdos, porque não é eles que interessam e sim as habilidades de aprender, as bases para aprendizagem que vão realmente contar. Um aluno que tem bases neurológicas de aprendizagem bem desenvolvidas dá conta de qualquer conteúdo que a escola queira trabalhar, independentemente do tema.

Livro didático: sim, ele é importante e faz parte do cotidiano acadêmico, mas prender-se totalmente a ele será prender-se também ao currículo. De nada adiantará trabalhar o livro do ano sem resgatar habilidades que teriam que ter sido trabalhadas antes. Flexibilizar livro será tão importante quando flexibilizar o currículo. Se a escola dividir em temas de habilidades o livro didático conseguirá pensar no que resgatar antes de trabalhar diretamente com o livro e os pais devem ter ciência de que pode ocorrer de nem tudo ser usado! Prioridade é aprendizagem, sempre!

Formação de professores: historicamente nossa educação tem resultados questionáveis porque historicamente também a formação é deficitária. Não apenas a formação dos professores, porque se você refletir, quando o professor entra na faculdade para aprender como ser professor, já vem de um sistema quase que falido. O parâmetro de educação que ele tem não é o que deveria ter, ele não conhece a qualidade. Recomeçar pode significar se entregar à formação e ensinar, na prática, o que tem qualidade e o que não tem. É preciso que o professor enxergue além dos horizontes de antes. A formação do professor é um grande passo para a qualidade da educação em geral. Só vivenciando a qualidade ele conseguirá transformar realmente seus alunos.

Neurociência em foco: se a pedagogia não der conta, é a neurociência que poderá entrar como elemento do sucesso. É preciso tomar cuidado com o tema, pois é até “modinha”. Isso significa que há em abundância oferta de pessoas que querem falar sobre ele, porém pouquíssimos sabem exatamente o que atingir na educação. A neurociência ajuda a entender o que se passa no cérebro e entendendo o interno fica muito mais fácil estimular o externo. O ideal seria usar recursos da neurociência pelo menos em algumas atividades para poder potencializar o estudo!

Há muito mais o que explorar, mas de início, recomeçar pode significar ver de outra maneira e é exatamente disso que precisamos! Que tal aproveitarmos a chance e darmos o primeiro passo para um Brasil muito melhor?

* Janaína Spolidorio é formada em Letras e especialista em educação.

Fonte: EVCOM




Competição de robótica IronCup será realizada on-line

Instituições de ensino de Minas, São Paulo e Pernambuco se unem para realizar competição internacional de robótica.


Sebrae e Abragames vão capacitar profissionais da indústria de jogos virtuais

Mercado ainda esbarra na formalização para atingir todo seu grande potencial.


Para reduzir déficit de profissionais de TI, faculdade lança 12 cursos de tecnologia

Com duração de quatro a cinco semestres, os cursos preparam os alunos para ingressar no mercado de trabalho logo no primeiro ano.


O ensino híbrido enfim é realidade

É seguro afirmar que a Educação pós pandemia nunca mais será a mesma.

O ensino híbrido enfim é realidade

Livro aborda técnicas de comunicação para redigir e-mails

Lançado pela editora Aberje, obra é da doutora em linguística Vívian Cristina Rio Stella.

Livro aborda técnicas de comunicação para redigir e-mails

A obrigatoriedade da Filosofia no Ensino Médio

Era o ano de 2005, primeira semana de faculdade.

A obrigatoriedade da Filosofia no Ensino Médio

Retorno às aulas presenciais, e agora?

Enquanto isso os professores se desdobram em cuidados e preocupações.

Retorno às aulas presenciais, e agora?

ABRH Brasil debaterá o futuro da legislação trabalhista no contexto pós-pandemia

O objetivo do encontro é discutir medidas provisórias, redução de carga horária, redução salarial e diversas outras iniciativas.


É preciso reaprender a aprender

A frase pode parecer batida, porém mais do que nunca precisamos revisitar o que significa o termo aprender.

É preciso reaprender a aprender

Estudo reúne pesquisas sobre educação na pandemia

Suspensão de aulas presenciais mostrou uma série de desigualdades.

Estudo reúne pesquisas sobre educação na pandemia

Localiza oferece 30 mil bolsas gratuitas para formação de desenvolvedores

Programa oferece três diferentes cursos para qualquer pessoa maior de 16 anos e os alunos que mais se destacarem terão oportunidade de integrar o time do Localiza Labs


Escolas são mais vivas com crianças

A escola sem as crianças, perdeu o seu brilho, a sua luz, a sua vida.

Escolas são mais vivas com crianças