Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Educação à distância e o futuro

Educação à distância e o futuro

04/09/2019 José Pio Martins

O que muda é o formato, o material e o estilo de explicação.

Educação à distância e o futuro

A sala de aula é um ambiente de ensino-aprendizagem eficiente e tem sido ao longo dos séculos o local mais importante para o desenvolvimento educacional. A sala de aula pode ser chamada de “primeiro ambiente de aprendizagem”. Essa denominação decorre de que, com o surgimento das tecnologias da comunicação, da informação, da computação, da telefonia móvel, da Internet e, agora, da inteligência artificial, surge um “segundo ambiente de aprendizagem”, que está permitindo a explosão, com eficiência, das ferramentas de educação à distância.

A existência desses dois ambientes recomenda entender o processo de ensino-aprendizagem em pelos menos três momentos: antes da aula, durante a aula e após a aula. Nesse novo contexto, o agente mais importante do processo educacional é o estudante. O pesquisador, o professor, o produtor de conteúdos e os instrutores continuam com seu relevante papel e serão sempre indispensáveis. Entretanto, as ferramentas e os recursos à disposição do estudante são tantos e de tal ordem sofisticados que as possibilidades de estudo e aprendizagem se multiplicam e se diversificam.

No segundo ambiente, o professor e o produtor de conteúdos continuam com sua tarefa de preparar as aulas e as orientações no momento “antes da aula”. O que muda é o formato, o material e o estilo de explicação. Os meios não se limitam a textos e imagens em papel, mas se estendem a vídeos, filmes e um elenco de instrumentos tecnológicos de exposição de texto, som, imagem, interações, conexões e intercâmbio. Os materiais e as fontes de conteúdo não se limitam mais a apenas o que está em si mesmos, mas fazem interface com uma rede de links, referências e remissões.

Quando o momento “antes da aula” é bem desenvolvido e de qualidade, o momento “durante a aula” muda, é decidido a executado pelo estudante, torna-se diversificado, logo, mais bem-aproveitado. O mais importante com a revolução das tecnologias sofisticadas está na educação à distância (EaD), ou seja, o formato em que o estudante pode estar em um lugar e o professor em outro, podem estar disponíveis em horários diferentes e sem a dependência de horário e local físico fixo.

A EaD não é uma panaceia para todos os males da educação, mas é uma solução disruptiva, a mais importante produzida nos últimos séculos, pelo elenco extenso e sofisticado de soluções para o processo de ensinar e aprender, em especial a já citada eliminação da necessidade de contato físico entre aluno e professor. O resultado mais expressivo é a possibilidade de uma mesma aula, expositiva, gravada e disponibilizada em meios eletrônicos e ambientes virtuais, poder ser assistida por milhões de alunos, vista, repetida e multiplicada quase indefinidamente.

O que a EaD faz é eliminar barreiras e restrições ao processo de ensinar e aprender, como a já mencionada distância entre professor e aluno, e mais: a EaD não abandona nem dispensa o contato físico e o relacionamento entre estudantes, especialmente na aquisição de habilidades que dependem de aulas práticas em máquinas e laboratórios. A EaD incorpora os elementos da aula presencial, não concorre com eles nem desfaz de sua imensa importância, e se soma aos métodos a atividades da sala de aula.

Talvez o aspecto mais essencial neste cenário novo seja entender que a EaD não destrói o que funcionou até hoje centrado na sala de aula, mas acrescenta um leque de possibilidades e métodos tão grande que amplia as opções de escolha para ensinar e aprender. E quanto mais a tecnologia vai criando novos recursos e novas ferramentas, mais as opções do EaD crescem e se expandem. Não se trata de isso “ou” aquilo, mas de isso “e” aquilo. A EaD veio para ficar.

* José Pio Martins, economista, é reitor da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Turismo e estudo? Países baratos para fazer “mochilão” e aprender inglês

Realizar uma viagem para estudar inglês nem sempre é sinônimo de gastos exorbitantes.

Turismo e estudo? Países baratos para fazer “mochilão” e aprender inglês

Estudantes desenvolvem robô que ajuda a prevenir depressão em idosos

A depressão pode inclusive desencadear doenças neurológicas e/ou físicas, principalmente na população com 60 anos ou mais.

Estudantes desenvolvem robô que ajuda a prevenir depressão em idosos

LGPD: nova roupagem às carreiras atuais e do futuro

O desenvolvimento da tecnologia e da comunicação tem feito a diferença.


Quatro formas simples para estimular as crianças a lidar com as emoções

A inteligência emocional é uma das habilidades que compõem as competências socioemocionais.

Quatro formas simples para estimular as crianças a lidar com as emoções

Uma ligação. Uma certeza: a escola está na UTI.

O que dará alta para a escola da UTI?

Uma ligação. Uma certeza: a escola está na UTI.

Belo Horizonte incluirá opções vegetarianas na merenda escolar

Mais de 200 mil alunos serão beneficiados e cidade ganhará Selo Internacional de Liderança em Saúde e Sustentabilidade.

Belo Horizonte incluirá opções vegetarianas na merenda escolar

A jornada do aprendizado é para a vida toda

A aprendizagem é inerente ao ser humano desde o seu nascimento.


Crianças aprenderão educação financeira nas escolas em 2020

A partir de 2020 as escolas brasileiras devem estar 100% adaptadas às novas normas da Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Crianças aprenderão educação financeira nas escolas em 2020

A importância das ervas e vegetais na Medicina

O livro do paleógrafo, João Eurípedes Franklin Leal, ganhou o prêmio Memória do Mundo na UNESCO em Paris.


Grupos de WhatsApp da escola: você faz parte?

*BIP* *BIP*, uma mensagem, você olha e, inconscientemente, sorri.

Grupos de WhatsApp da escola: você faz parte?

Vestibular: como obter maior rendimento nos estudos

Quem vai prestar um vestibular concorrido tem que ter um bom preparo.

Vestibular: como obter maior rendimento nos estudos

Aperam abre 68 vagas para programa de estágio

Empresa é responsável pelo setor inox da ArcelorMittal.