Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Ensino a distância durante a pandemia: eficaz ou entretenimento?

Ensino a distância durante a pandemia: eficaz ou entretenimento?

15/05/2020 Luiz Alexandre Castanha

Quem diria que a transformação digital iria chegar para todos de uma maneira tão abrupta!

Ensino a distância durante a pandemia: eficaz ou entretenimento?

Após mais de um mês do início do isolamento social devido à pandemia, palavras como homeschooling, educação online, e-learning, e-cafe e e-meeting já se tornaram parte do vocabulário cotidiano. Quem diria que a transformação digital iria chegar para todos de uma maneira tão abrupta! E se muitas pessoas já estavam acostumadas a fazer reuniões via videoconferência, o mesmo não se pode dizer da educação digital.

Acabamos conhecendo, pela dor, seu funcionamento e benefícios. Principalmente quem tem filhos em idade escolar sabe do que estou falando. Segundo o Banco Mundial, são mais de 1,6 bilhão de crianças e jovens que estão fora da escola em 161 países. Isso é quase 80% dos estudantes matriculados no mundo!

Com o que devemos nos preocupar, sendo um impacto imediato para crianças e jovens? Alguns fatores importantes são as perdas na aprendizagem e o aumento das taxas de abandono escolar, por exemplo. Nosso país tem um sistema de ensino muito desigual, e esses impactos negativos serão sentidos principalmente pelos mais pobres.

E os métodos de ensino são os mais diversos. Desde a escola que colocou todos online e encheu os estudantes de lição de casa digital com algumas poucas interações, até os profissionais que conheceram e aprenderam “na marra” a utilizar Plataformas de Aprendizagem Massiva (MOOCs). Inclusive algumas delas aumentaram em até 10x o número de usuários online. Isso sem dizer também as empresas que faziam suas formações presenciais e agora têm obrigatoriamente que fazê-las a distância.

Como profissional de educação digital tenho algumas preocupações quanto ao uso incorreto de metodologias e tecnologias sem técnica ou preparação. Até porque famosa máxima de “one size fits all” não funciona bem neste segmento.

O simples fato de ligar uma câmera e começar a falar, ou realizar uma live no Instagram não vai fazer com que as pessoas aprendam. O mesmo com quem tem a genial ideia de apenas pegar os slides de um treinamento presencial e enviá-los para a turma. O conteúdo não será magicamente absorvido.

A interrupção do ano letivo atrapalha completamente a vida de alunos, pais e professores. E medidas podem ser tomadas para reduzir o impacto. O aprendizado baseado em neurociência tem fases e existem excelentes ferramentas digitais para cada uma delas.

O primeiro passo é despertar a atenção e interesse das pessoas para a importância do conteúdo. E, para isso, é sim possível usar um vídeo curto que mostre qual o benefício do que é aprendido ou onde e quando será possível utilizar este aprendizado.

Depois é necessário que o aluno consuma o conteúdo em si. Agora que o contexto já é conhecido, é possível compartilhar um texto ou mesmo um curso digital.

Na sequência é necessário que se façam testes ou simulações em ambientes controlados onde o erro é permitido. Somente assim, ao avaliar a absorção dos conhecimentos, que se terá o feedback necessário para aparar as arestas e percorrer o caminho do aprendizado da maneira certa.

Após estas três etapas é hora da prática. Será necessário ter um canal aberto com outras pessoas para tirar dúvidas, além de disponibilizar uma FAQ e até guias de ajuda para o dia a dia. Este último recurso pode ser desde uma simples anotação até o suporte de robôs com inteligência artificial. Aqui vai da necessidade e a criticidade do conteúdo.

Com estes momentos superados, a “mágica” da aprendizagem tem maior chance de sucesso.

A dica aqui é bem simples: use e abuse das maravilhas da tecnologia para a educação. Mas, por favor, se atente à importância de adotar um método e ter organização. Somente assim haverá a garantia de que o processo seja eficaz, não apenas uma alternativa de entretenimento durante a pandemia.

* Luiz Alexandre Castanha é especialista em Gestão de Conhecimento e Tecnologias Educacionais. Mais informações em https://alexandrecastanha.wordpress.com

Fonte: Comuniquese



Todo dia é Dia da Educação

“A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui.” Rousseau. “O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele.” Immanuel Kant.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Todo dia é Dia da Educação

A integração entre crianças no espaço escolar

A escola, mais do que um simples espaço de ensino, desempenha um papel essencial na formação social das crianças.

Autor: Michelle Norberto

A integração entre crianças no espaço escolar

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

De acordo com levantamento da plataforma de idiomas Preply, expressões básicas como “oi”, “bom dia” e “boa noite” são as mais buscadas pelos brasileiros na tradução para o inglês.

Autor: Divulgação

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

É preciso destacar que o Brasil avançou de forma muito significativa nas últimas décadas no que concerne a políticas de acesso.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

Acolhimento: um ato revolucionário de amor e empatia

Feche os olhos por um minuto e tente lembrar de um momento em que foi acolhida na infância ou adolescência.

Autor: Vanessa Nascimento

Acolhimento: um ato revolucionário de amor e empatia

A importância de diversificar as práticas esportivas nas escolas

Os impactos positivos das diversas práticas esportivas são inegáveis, especialmente quando se considera o contexto das instituições educacionais.

Autor: Kelly Soares Rosa

A importância de diversificar as práticas esportivas nas escolas

Afinal, vale a pena insistir no ensino da letra cursiva nas escolas?

Um assunto relevante para a educação está dividindo opiniões: o uso da letra cursiva nas escolas.

Autor: Liliani A. da Rosa

Afinal, vale a pena insistir no ensino da letra cursiva nas escolas?

Estudantes cativados, estudantes motivados

Contar com a participação da família nesse processo é fundamental para que a criança seja estimulada e reconhecida.

Autor: Cleonara Schultz Diemeier

Estudantes cativados, estudantes motivados

Quem faz pós graduação EaD pode estagiar?

A escolha pelo modelo híbrido de educação ganha força e esses alunos também podem pleitear as vagas.

Autor: Carlos Henrique Mencaci

Quem faz pós graduação EaD pode estagiar?

Livro ensina às crianças as verdadeiras cores da amizade

Obra infantil combina narrativa poderosa com ilustrações que ganham vida ao longo das páginas para incentivar a tolerância desde cedo.

Autor: Divulgação


A maldição da aula divertida

Nem tudo o que precisamos aprender para compreender o mundo é divertido ou pode ser aprendido em meio a jogos lúdicos ou brincadeiras dinâmicas.

Autor: Daniel Medeiros

A maldição da aula divertida

Era uma vez em uma escola na Suécia

O governo sueco resolveu dar uma guinada nas suas orientações escolares e agora estimula fortemente o uso de livros em vez de laptops.

Autor: Daniel Medeiros

Era uma vez em uma escola na Suécia