Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Escolas fechadas mudam a rotina e criam desafio para as famílias

Escolas fechadas mudam a rotina e criam desafio para as famílias

25/03/2020 Milena Fiuza

É indiscutível que haja participação efetiva da família na vida escolar das crianças.

Escolas fechadas mudam a rotina e criam desafio para as famílias

Auxiliar na tarefa de casa, acompanhar o rendimento escolar, ir a reuniões de pais, são alguns exemplos. Por si só, a rotina comum da vida cotidiana de família e escola já é desafiadora. Porém, neste momento histórico, os familiares estão sendo requisitados a participarem ativamente dessa jornada acadêmica doméstica.

Com a suspensão das aulas presenciais nas escolas das redes pública e privada, muitas famílias não sabem como equilibrar a rotina de trabalho com as crianças em casa. Qual o melhor caminho? Seguramente, o primeiro esclarecimento a ser feito com todos os envolvidos é que esse período não se trata de férias, recesso ou tempo ocioso, e sim da oferta de um formato alternativo (e necessário) para a constituição da escola na atual conjuntura atípica e provisória.

Dito isso, o próximo passo a ser dado é superar possíveis barreiras pré-existentes quando o tema é tarefa de casa. Confusões e discussões. Procrastinação. Falta de paciência. Frustração. Se algumas dessas sensações ou reações faz parte do cenário conhecido, fica claro para os filhos que o “evento” tarefa não é algo prazeroso. A forma como os pais lidam com a lição de casa influencia diretamente o nível de interesse da criança. Preparar o ambiente onde a família possa participar de forma integrada remete uma boa mensagem aos filhos. Atitudes simples, como desligar a TV e o celular (tanto da criança quanto dos pais), contribuem substancialmente para manter a motivação na tarefa.

Neste período em especial, a preocupação é com algo maior do que tarefas de casa diárias. Agora, estabelecer uma rotina de estudos é essencial para equilibrar os afazeres da criança, dos pais, os momentos de descanso e os motivos das renúncias de lazer. Com uma agenda pré estabelecida, é preciso fixar o mesmo horário que o aluno estaria na escola para a realização das atividades enviadas pela escola ou disponibilizadas de forma virtual. A criança pode ser envolvida na construção desta rotina, onde ela compartilhará com a família como são organizados os horários na escola, as atividades e as pausas.

Ao criar uma rotina de estudos, os pais também incentivam que crianças e adolescentes desenvolvam o senso de responsabilidade, conscientes dos seus deveres, desenvolvendo-se adultos muito mais organizados e focados. Além disso, é importante monitorar se a agenda estabelecida para as atividades diárias está sendo cumprida, fazendo ajustes no decorrer do processo para que a rotina seja respeitada e facilmente readaptada com a regularização da situação escolar.

Não há manual de instruções para os tempos que vivemos. É uma situação nova – tanto para escola, quanto para pais e filhos. O importante é que não devemos nos apoiar em excessos, nem promover estratégias exageradas que acabem por criar mal estar nas crianças que já estão completamente fora da rotina. Respirar e aproveitar para estreitar os vínculos afetivos com os filhos, eis a lição!

* Milena Fiuza é gerente pedagógica do Sistema Positivo de Ensino.

Fonte: Central Press



Os jovens e o trabalho

A responsabilidade de gerar filhos é algo muito sério porque pai e mãe possibilitam a encarnação de uma alma para evoluir no mundo material, o aquém.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Os jovens e o trabalho

O fim da geração nem-nem está na aprendizagem?

No labirinto complexo das políticas trabalhistas, há uma série de fatores que merecem nossa atenção.

Autor: Francisco de Assis Inocêncio

O fim da geração nem-nem está na aprendizagem?

A escola pública sob administração privada

O Estado do Paraná apresenta ao Brasil um novo formato de administração à rede escolar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O compromisso das escolas privadas na educação antirracista

Alcançar o sucesso demanda comprometimento de faculdades e universidades com a formação inicial de professores.

Autor: Luana Tolentino

O compromisso das escolas privadas na educação antirracista

Inscrições abertas para os cursos de condutores de caminhões

A Fabet São Paulo está com inscrições abertas para três cursos avançados voltados a formação e aperfeiçoamento de condutores de caminhões.

Autor: Marcos Villela Hochreiter


Exercitando a empatia

No meu último ano de sala de aula, tive uma turma de quarto ano que se tornou muito querida.

Autor: Vanessa Nascimento

Exercitando a empatia

Conhecimento é combustível para a motivação

Não são incomuns as histórias de profissionais que, voluntariamente, trocam de emprego para ganhar menos do que em suas posições anteriores.

Autor: Yuri Trafane

Conhecimento é combustível para a motivação

Violência escolar: qual a causa e como solucionar

Comportamentos violentos nas escolas se intensificam cada dia mais, ou pelo menos a sua relevância tem ficado mais clara.

Autor: Felipe Lemos

Violência escolar: qual a causa e como solucionar

Todo dia é Dia da Educação

“A educação do homem começa no momento do seu nascimento; antes de falar, antes de entender, já se instrui.” Rousseau. “O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele.” Immanuel Kant.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra

Todo dia é Dia da Educação

A integração entre crianças no espaço escolar

A escola, mais do que um simples espaço de ensino, desempenha um papel essencial na formação social das crianças.

Autor: Michelle Norberto

A integração entre crianças no espaço escolar

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

De acordo com levantamento da plataforma de idiomas Preply, expressões básicas como “oi”, “bom dia” e “boa noite” são as mais buscadas pelos brasileiros na tradução para o inglês.

Autor: Divulgação

Como dizer “oi em inglês” tem quase 50 mil buscas mensais no Brasil, segundo pesquisa

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?

É preciso destacar que o Brasil avançou de forma muito significativa nas últimas décadas no que concerne a políticas de acesso.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação especial e inclusiva: para onde avançar?