Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Fatos sobre a lição de casa em tempos de aula à distância

Fatos sobre a lição de casa em tempos de aula à distância

02/07/2020 Janaína Spolidorio

Orientar de modo equivocado pode causar estragos na aprendizagem.

Fatos sobre a lição de casa em tempos de aula à distância

Ajudar na lição de casa já não era uma tarefa totalmente tranquila para alguns pais e os professores batalhavam para orientar melhor sobre como deve ser esta dinâmica em casa. Agora então, com o isolamento e grande parte do ensino sendo feito remotamente a situação está um pouco pior. Mais dúvidas surgiram.

Alguns conseguem se adaptar, mas há ainda aqueles que são resistentes a entender princípios básicos de quando estudamos em nossos lares, contudo é importante refletir sobre tais fatos. Orientar de modo equivocado pode causar estragos na aprendizagem, portanto é essencial pensar sobre a forma como lida com a questão.

Veja a seguir algumas dicas que podem ajudar a perceber se está fazendo algo errado e ainda traz justificativas para não fazê-lo.

1. Tudo bem admitir que você não sabe: admitir que não sabe algo é muito melhor do que tentar orientar sem saber. Explique para a criança que não se lembra do conteúdo ou que não aprendeu daquela forma. Ambas as ações são perfeitamente aceitáveis e compreensíveis. O fato de você não saber, inclusive, pode tranquilizar a criança e até mesmo amenizar um possível estresse que a lição pode causar. Uma sugestão interessante, nesta situação, é orientar a criança a anotar a dúvida para perguntar posteriormente ao professor.

2. Estabeleça um limite de tempo: ficar muito tempo em uma mesma lição pode prejudicar a qualidade de atenção e concentração da criança. Uma sugestão básica de tempo seriam 20 minutos na mesma lição, para que o aluno não se disperse. Caso precise de mais tempo, alternativas interessantes são alternar lições diferentes, para retomar a atenção, ou dividir tarefas longas em partes para serem feitas com intervalos.

3. Tudo bem buscar ajuda: se houver dúvida é melhor buscar ajuda do que ficar com a situação sem resolver. Caso seja uma dúvida fácil, os pais podem incentivar a criança a procurar em um livro ou na internet, quando disponível. É bacana estar junto nas primeiras buscas para ver quais dificuldades a criança tem neste tipo de procedimento. Se houver algum conhecido que possa ajudar, vale a pena perguntar também. Caso realmente não consiga resolver, a resposta é buscar a ajuda do professor mesmo.

4. Anote o que foi feito: caso não consiga ajudar a criança, claro que é importante tentar, porém anote como tentaram fazer. Tire fotos da lição que deu errado para mostrar ao professor, assim ele poderá perceber qual é a dúvida de modo mais claro, por exemplo. Você pode orientar o aluno a anotar a página que leu e não encontrou a informação ou o site de busca que usou. Mais importante do que acertar é tentar resolver e registrar esses momentos ajudam o trabalho do professor e melhoram a aprendizagem do aluno.

5. A criança deve fazer a lição com autonomia: muitos pais acabam fazendo a lição pelo filho para que ele “não erre” ou porque acham que está demorando demais ou ainda porque acham difícil para a criança. Nada disso é justificável. Se for priorizar algo da lista, que seja este item. É essencial que a criança crie responsabilidade com a lição e aprenda com ela e se os pais a fizerem esta aprendizagem será perdida. Se os pais notarem dificuldade extrema da criança o ideal é avisar o professor e pedir sua orientação sobre formas de como ajudar a criança em casos assim.

* Especialista em educação, Janaína Spolidorio é formada em Letras, com pós-graduação em consciência fonológica e tecnologias aplicadas à educação e MBA em Marketing Digital. Ela atua no segmento educacional há mais de 20 anos e atualmente desenvolve materiais pedagógicos digitais que complementam o ensino dos professores em sala de aula.

Fonte: EVCOM



Educação e política. Importantes, desde que em separado

Fechamento das escolas é a consequência, não a causa da incapacidade brasileira de fazer melhor

Desde meados dos anos 1970, a evidência dos retornos da educação não parece mais ser segredo.

Fechamento das escolas é a consequência, não a causa da incapacidade brasileira de fazer melhor

Inscrições abertas para o Programa Desafio Escolar

Jovens de 15 até 18 anos e professores podem participar de projeto pedagógico que conecta games e o ensino de Ciência, Tecnologia, Humanidades, Engenharia e Matemática.


Escola de negócios oferece 10 mil bolsas de estudo em curso de Excel para jovens

Voitto tem como objetivo ser uma impulsionadora na vida profissional das pessoas, principalmente para jovens que buscam o primeiro emprego.

Escola de negócios oferece 10 mil bolsas de estudo em curso de Excel para jovens

MIT oferece bolsa de estudo integral para áreas de Engenharia e Ciências da Vida

Fundação TMVL cria bolsa permanente e anual com prioridade para estudantes do Insper e da Faculdade Albert Einstein do Brasil.

MIT oferece bolsa de estudo integral para áreas de Engenharia e Ciências da Vida

Multinacional finlandesa abre inscrições para programa de estágio

Valmet abre vagas para universitários nas três unidades no Brasil: Araucária (PR), Belo Horizonte (MG) e Sorocaba (SP).


Universidade lança cursos gratuitos online na área de tecnologia

Participantes não precisam ter conhecimento prévio; cursos fornecem certificado após a conclusão.

Universidade lança cursos gratuitos online na área de tecnologia

Empreendedorismo e a arte de sonhar

Sabe aquele empurrão que recebemos vez ou outra na vida?

Empreendedorismo e a arte de sonhar

Enem: 6 dicas para aumentar o foco

É muito comum se distrair enquanto estamos estudando.

Enem: 6 dicas para aumentar o foco

Qualidade na educação: muito mais que índices de aprendizagem

Qualidade na educação é um conceito complexo que pode se modificar conforme o contexto, os valores, a cultura e a identidade de cada local.

Qualidade na educação: muito mais que índices de aprendizagem

Um em cada dez estudantes já foi ofendido nas redes sociais, mostra IBGE

A coleta dos dados foi feita antes da pandemia, entre abril e setembro de 2019.

Um em cada dez estudantes já foi ofendido nas redes sociais, mostra IBGE

Senai abre inscrições para o Grand Prix de inovação

Desafios terão de ser resolvidos por estudantes.