Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Graduação ou cursos de curta duração: o que é um diferencial em sua carreira na TI?

Graduação ou cursos de curta duração: o que é um diferencial em sua carreira na TI?

20/12/2021 Luana Müller

TI é muito mais sobre ter curiosidade e vontade de aprender do que sobre ter um diploma ou certificados de cursos.

Graduação ou cursos de curta duração: o que é um diferencial em sua carreira na TI?

Se deseja construir uma carreira corporativa em TI, tenho um aviso para você: tenha em mente que, apenas uma graduação superior nessa área, não é o que irá lhe garantir a entrada ou uma boa posição no mercado de trabalho.

Essa recomendação pode soar estranha - sobretudo vinda de alguém com mestrado e doutorado em tecnologia e que, inclusive, já foi professora universitária na área. Mas, de alguns anos para cá, venho observando que apenas a formação superior em tecnologia não é definitiva para o sucesso profissional no mercado.

Os cursos de graduação nessa área geralmente são bem completos, nos quais você terá a oportunidade de aprender sobre programação back-end, programação front-end, bancos de dados, metodologia, análise, processos etc. Acontece que, no mercado de trabalho, é pouco provável que você se depare com um cargo que exija todos esses conhecimentos.

Em contrapartida, todas as vagas pressupõem um certo nível de aprofundamento que a faculdade, por si só, não traz. Se você optar por ser um desenvolvedor, por exemplo, o conhecimento que a faculdade provê em programação não será suficiente.

"Luana, então eu não devo cursar uma graduação e me dedicar apenas aos pontos que você mencionou?”. Calma! Você deve cursar a graduação, pois é ela que te dará a base necessária para transitar e dialogar com as diferentes áreas de conhecimentos envolvidas no processo de desenvolvimento de um software. Porém, entenda que, além dos conhecimentos oferecidos pela graduação, você deverá buscar formas de se aprofundar em alguma área, através de cursos de curta duração.

Outro ponto interessante é que a área de TI lhe dá a possibilidade de ingressar no mercado de trabalho sem ainda ter concluído uma graduação em tecnologia, tornando a área mais democrática e acessível, possibilitando ao profissional de TI conhecer a área e começar a colher os frutos desta carreira muito rapidamente. E se levarmos em conta a pressão social que é exigir que a gente decida o que quer fazer “pelo resto da vida” aos 17 ou 18 anos, essa possibilidade é bem-vinda. A pessoa pode optar por fazer um curso de alguns meses, já começar a trabalhar, desenvolver projetos próprios e montar um portfólio. A partir daí, investir em um curso de graduação, tendo a certeza de que essa é a profissão que deseja seguir.

No Pravaler, não usamos o diploma como requisito decisório para a contratação em TI. Inclusive, temos uma parceria e contratamos alunas recém-saídas da Laboratória, uma organização focada em capacitar mulheres para a tecnologia a partir de cursos curtos de programação. Ou seja, estou rodeada de exemplos práticos de pessoas qualificadas, que já estão inseridas no mercado de TI, crescendo em suas carreiras, e que ainda não concluíram seus cursos de graduação.

Porém, compreenda que TI é muito mais sobre ter curiosidade e vontade de aprender do que sobre ter um diploma ou certificados de cursos. Como se trata de um mercado que evolui muito rápido, é o interesse pelo novo que mantém a roda do aprendizado girando.

Há poucos anos, por exemplo, Inteligência Artificial, Aprendizado de Máquina ou Internet das Coisas eram assuntos explorados apenas por quem trabalhava com tecnologia e inovação, e como uma perspectiva de futuro. Acontece que esse futuro chegou bem antes do previsto e, hoje, além de ser um assunto discutido por várias áreas de uma companhia, toda a área de software já se baseia em Inteligência Artificial e Aprendizado de Máquina para suas criações mais recentes, e cada vez mais temos dispositivos conectados à Internet gerando dados que impulsionam o uso destas tecnologias.

Portanto, se você quer construir uma carreira em TI, tenha em mente que ela pode se iniciar através de uma graduação, mas também há a possibilidade de ser por meio  de cursos práticos de curta duração, e que ambas as possibilidades, juntas, são o que trarão o diferencial para sua carreira. Mas lembre-se: nunca, jamais, em hipótese alguma pare de estudar.

* Luana Müller é Bacharel em Sistemas de Informação, Mestre em Ciência da Computação e Doutora em Ciência da Computação. 

Para mais informações sobre Tecnologia da Informação clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: VCRP Brasil



Educação para autistas: se não agora, quando?

Nos últimos 10 anos muitas foram as conquistas alcançadas pelas pessoas com autismo, fruto de suas lutas e de suas famílias.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação para autistas: se não agora, quando?

Readaptação das crianças ao ambiente escolar na volta às aulas

O início do ano letivo se aproxima e com ele muitas expectativas, o período de volta às aulas é um momento de novos desafios e oportunidades.

Autor: Divulgação

Readaptação das crianças ao ambiente escolar na volta às aulas

O direito de estudar também vale para pessoas com autismo

Pautado na perspectiva de um direito humano e fartamente fundamentado nas legislações, o parecer orientador fura a bolha da invisibilidade.

Autor: Lucelmo Lacerda

O direito de estudar também vale para pessoas com autismo

Precisamos ajudar os jovens na conquista de uma autonomia saudável

Criar autonomia não significa agir sem orientação, e é nesse contexto que destaco a importância de auxiliar os jovens em suas escolhas.

Autor: Rafaelle Benevides

Precisamos ajudar os jovens na conquista de uma autonomia saudável

Inovação na educação: o impacto transformador das telas interativas

As telas interativas têm emergido como catalisadoras de mudanças significativas no cenário educacional.

Autor: Severino Sanches

Inovação na educação: o impacto transformador das telas interativas

Revolução educacional e estudantes com autismo: o impacto do CNE

A cada 36 crianças, uma é diagnosticada com autismo. E a garantia do direito à educação desses estudantes se apresenta como tema de interesse público nacional.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Revolução educacional e estudantes com autismo: o impacto do CNE

Caneta, régua, borracha e apontador são os materiais escolares mais tributados

Pesquisa realizada pela Sovos aponta que tributos incidentes sobre os principais itens escolares podem chegar a 50% do preço final repassado ao consumidor.

Autor: Divulgação

Caneta, régua, borracha e apontador são os materiais escolares mais tributados

Adaptação da criança na escola é momento crítico para pais e educadores

Especialistas dão dicas de como lidar com esse momento de choradeira e inseguranças.

Autor: Divulgação

Adaptação da criança na escola é momento crítico para pais e educadores

Estudantes brasileiros rejeitam FIES como forma de financiamento

30% dos entrevistados não aceitariam de forma alguma o financiamento ou preferem outras formas de pagamento, mesmo se houvesse vaga disponível.

Autor: Divulgação

Estudantes brasileiros rejeitam FIES como forma de financiamento

Estratégias para poupar na compra de material escolar

Dicas sobre como se organizar para que o retorno às aulas não cause um grande impacto financeiro.

Autor: Divulgação

Estratégias para poupar na compra de material escolar

Ortopedista se surpreende com o peso das mochilas na porta das escolas e faz alerta

Mês de janeiro e as crianças e adolescentes começam a preparar a lista de material que vai acompanhá-los ao longo do ano escolar.

Autor: Dr. Maurício Martelletto

Ortopedista se surpreende com o peso das mochilas na porta das escolas e faz alerta

Confira cinco tendências da educação para 2024

De metodologias inovadoras a abordagens tecnológicas, o futuro da educação está se moldando para ser mais inclusivo.

Autor: Mara Duarte

Confira cinco tendências da educação para 2024