Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Impacto da participação dos pais na vida escolar das crianças

Impacto da participação dos pais na vida escolar das crianças

08/06/2021 Candice Almeida

"Puxa, professora, o problema é que meu filho odeia ler".

Impacto da participação dos pais na vida escolar das crianças

Ouço com muita frequência esse tipo de desculpa para justificar a falta de repertório do filho no texto. As notas baixas, dizem eles, são por conta desse bendito celular. Não tem como competir. De fato, devo concordar que as redes sociais são sim tentadoras e, olhando por esse lado, não dá exatamente para dizer que eles não leem; leem até muito, mas nada (ou muito pouco) que agregue valor ou conhecimento. Mais uma coisa para a lista de culpa dos pais, talvez esta esteja até no topo: a atenção à rotina escolar.

Segundo Nicholas Papageorge, economista da Universidade Johns Hopkins, duas pessoas que são geneticamente semelhantes podem ter pontuações surpreendentemente diferentes no teste de QI porque algumas famílias, geralmente as mais ricas, investiram mais em seus filhos: alimentando-os bem, lendo para eles em taxas mais altas e inscrevendo-os em mais atividades.

O papel dos pais, portanto, é preponderante. No entanto, participar da vida escolar do filho não é fácil. Afinal de contas, os pais também devem ter repertório para poder cobrar um. Como tornar um filho leitor se eles mesmos não o são? Como convencer de que a leitura te faz melhor se a própria definição de pessoa melhor não me é clara? Aliás, a atriz Reese Witherspoon faz uma excelente interpretação de uma mãe obcecada pela rotina escolar dos filhos na série Big Little Lies. O equilíbrio nem sempre é fácil. Mas há algumas unanimidades.

Participar da vida dos filhos não é fiscalizar professor ou tolher acesso a certo tipo de conhecimento, mas sim oferecer o contato com o contraditório para que, a partir de informações, a criança e o adolescente consigam formar sua opinião. Quando se participa da vida escolar, percebe-se que a liberdade de ensinar deve ser soberana. Os docentes nunca deveriam ser auditados pelas suas opiniões. Participar da vida escolar do filho é defender a escola como instituição, é lutar contra seu sucateamento e a favor da laicidade. É combater o desrespeito, enaltecer as diferenças e ensinar a tolerar.

Participar da vida escolar do filho é dar poder a ele por meio das palavras e do conhecimento e não ensinar a força pela violência, como bem distingue Hannah Arendt. Participar da vida escolar dos filhos é, por vezes, aprender mais e melhor, é mudar de opinião, o que não exige mudar de caráter, apesar de que o conhecimento tem esse poder. Participar da vida escolar do filho é defender a rotina, as obrigações e os horários determinados pela instituição. Ou seja, é defender a cidadania.

Participar da vida escolar dos filhos é ficar mais tempo com eles, é ler para eles, é participar de atividades culturais, debater questões políticas, econômicas e sociais, é escolher junto. O respeito não deve vir 'porque eu sou seu pai/ sua mãe', mas porque todos devem ter lugar de fala e devem, sim, ser respeitados pelo que são, pelas suas escolhas. A boa escola dará continuação a isso, um papel suplementar. O tripé escola, família e aluno ainda continua sendo a base da formação de uma sociedade democrática.

Candice Almeida, professora de Redação do Colégio Positivo e assessora pedagógica de Redação no Centro de Inovação Pedagógica, Pesquisa e Desenvolvimento (CIPP) dos colégios do Grupo Positivo.

Para mais informações sobre Educação clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Central Press



Correções no ‘antigo’ Ensino Médio proporcionam um novo futuro para os jovens

A escolha da escola deve estar vinculada ao que o aluno anseia para seu futuro.

Correções no ‘antigo’ Ensino Médio proporcionam um novo futuro para os jovens

Educação e política. Importantes, desde que em separado

Fechamento das escolas é a consequência, não a causa da incapacidade brasileira de fazer melhor

Desde meados dos anos 1970, a evidência dos retornos da educação não parece mais ser segredo.

Fechamento das escolas é a consequência, não a causa da incapacidade brasileira de fazer melhor

Inscrições abertas para o Programa Desafio Escolar

Jovens de 15 até 18 anos e professores podem participar de projeto pedagógico que conecta games e o ensino de Ciência, Tecnologia, Humanidades, Engenharia e Matemática.


Escola de negócios oferece 10 mil bolsas de estudo em curso de Excel para jovens

Voitto tem como objetivo ser uma impulsionadora na vida profissional das pessoas, principalmente para jovens que buscam o primeiro emprego.

Escola de negócios oferece 10 mil bolsas de estudo em curso de Excel para jovens

MIT oferece bolsa de estudo integral para áreas de Engenharia e Ciências da Vida

Fundação TMVL cria bolsa permanente e anual com prioridade para estudantes do Insper e da Faculdade Albert Einstein do Brasil.

MIT oferece bolsa de estudo integral para áreas de Engenharia e Ciências da Vida

Multinacional finlandesa abre inscrições para programa de estágio

Valmet abre vagas para universitários nas três unidades no Brasil: Araucária (PR), Belo Horizonte (MG) e Sorocaba (SP).


Universidade lança cursos gratuitos online na área de tecnologia

Participantes não precisam ter conhecimento prévio; cursos fornecem certificado após a conclusão.

Universidade lança cursos gratuitos online na área de tecnologia

Empreendedorismo e a arte de sonhar

Sabe aquele empurrão que recebemos vez ou outra na vida?

Empreendedorismo e a arte de sonhar

Enem: 6 dicas para aumentar o foco

É muito comum se distrair enquanto estamos estudando.

Enem: 6 dicas para aumentar o foco

Qualidade na educação: muito mais que índices de aprendizagem

Qualidade na educação é um conceito complexo que pode se modificar conforme o contexto, os valores, a cultura e a identidade de cada local.

Qualidade na educação: muito mais que índices de aprendizagem

Um em cada dez estudantes já foi ofendido nas redes sociais, mostra IBGE

A coleta dos dados foi feita antes da pandemia, entre abril e setembro de 2019.

Um em cada dez estudantes já foi ofendido nas redes sociais, mostra IBGE