Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Intercambio na Austrália: país oferece mais de 64 mil vagas e atrai brasileiros

Intercambio na Austrália: país oferece mais de 64 mil vagas e atrai brasileiros

26/12/2022 Danilo Veloso

Um dos maiores medos de todo intercambista é não se acostumar à vida e rotina no país escolhido, seja por ter uma cultura muito diferente, enfrentar dificuldade no idioma local ou em conseguir um emprego.

Intercambio na Austrália: país oferece mais de 64 mil vagas e atrai brasileiros

Não há como negar que todo intercâmbio tem suas barreiras a serem enfrentadas – mas, existem diversas regiões que apresentam várias oportunidades de estudo e trabalho a estrangeiros, junto com outras facilidades que atraem cada vez mais interessados em vivenciar essa experiência no país. E, dentre tantos lugares ao redor do mundo, a Austrália é um que sempre se destaca.

Mesmo geograficamente muito distante de nós, o Brasil se tornou o terceiro maior país do mundo a enviar estudantes para a região, totalizando mais de 11 mil jovens que ingressaram em alguma instituição de ensino, segundo dados do Censo local. Fora essa atratividade de aprendizagem, não faltam motivos que a tornam tão interessante e querida para morar por jovens de todo o mundo.

Fazer um intercâmbio na Austrália vale muito a pena. Independente de quanto tempo passar no local, muitas portas podem se abrir para o futuro profissional de cada um, sem falar do enorme crescimento pessoal que essa vivência trará. Dentre tantos pontos a favor, veja os principais:

#1 Ampla oportunidade de trabalho – a Austrália é um dos poucos países que permite que os estudantes trabalhem enquanto estudem, em jornadas flexíveis que possam ser conciliadas com as aulas. Mas, em comparação com os demais, a região adotou uma medida favorável enquanto a pandemia permanecer, acabando com a limitação de horas de trabalho para os intercambistas. Além de terem uma maior liberdade para buscar por vagas mais aderentes a seus perfis, receberão salário em uma das moedas mais valorizadas do mercado, fixada no valor mínimo de AUD 21,38. Seus incentivos profissionais a estrangeiros são tantos que, de acordo com o Australian Bureau of Statistics, a taxa de desemprego no país em novembro de 2022 foi de apenas 3,4%, em vista especialmente nas cerca de 64 mil vagas criadas, sendo mais da metade deles em período integral. Uma experiência profissional no exterior trará um peso muito importante para o currículo, e na Austrália o que não faltarão serão oportunidades aos intercambistas.

#2 Qualidade de ensino reconhecida internacionalmente – estudar na Austrália significa ter acesso a instituições de ensino de máxima qualidade e reconhecidas internacionalmente. Existem diversos programas de curta e longa duração a serem escolhidos, em períodos de estudo na parte da manhã, tarde ou noite – o que facilita, que os intercambistas conciliem com vagas de trabalho integrais. Essa se mostra como uma verdadeira preocupação do governo local e até mesmo das empresas na região, que cooperam com as escolas em prol do desenvolvimento do aluno.

#3 Lifestyle parecido com o Brasil – se adaptar em um país com uma cultura e culinária muito diferentes das que está acostumado pode ser bem difícil. Felizmente, a Austrália é um dos países que mais assemelha tais características com o Brasil. Fora o clima e receptividade da população que lembram muito os nossos costumes, a qualidade de vida é muito prezada pela população local. É extremamente comum encontrar pessoas aproveitando nas praias, bares, celebrações com os amigos em casa, e muitas outras opções – que contam, ainda, com uma infraestrutura excelente. Não à toa, duas de suas cidades (Sydney e Melbourne) estão no top 20 de melhor qualidade de vida do mundo, segundo uma consultoria da Mercer.

#4 Fácil acesso ao mercado de trabalho – realizar um intercâmbio na região não precisa se limitar aos cursos de idioma. Com um inglês avançado, é possível buscar por outros cursos técnicos e profissionalizantes posteriormente, que ainda permitam a estadia no país. Mesmo que essa renovação seja elevada, os intercambistas podem arcar com este valor de maneira mais fácil com o dinheiro adquirido ao longo de sua experiência profissional no local. Esses estudos podem abrir muitas portas para o mercado de trabalho australiano, que possam até mesmo auxiliar o processo de moradia permanente.

#5 Belezas naturais – a Austrália abriga uma das maiores biodiversidades do mundo, com mais de 600 mil tipos de plantas e animais em seu território e uma preocupação genuína em preservá-los. Com uma natureza tão rica, explorar esse cenário é um dos pontos mais convidativos de realizar um intercâmbio no país – seja na própria cidade onde se hospedar ou em road trips pela costa australiana. Seja qual for o passeio escolhido, a vista será de tirar o fôlego.

Aqueles que escolhem a Austrália como seu destino de intercâmbio certamente são atraídos por fatores que vão muito além do aprendizado de um novo idioma. Com uma ampla oferta profissional, qualidade de vida elevada e lazer encantador, a região é um verdadeiro banquete de experiências para os futuros intercambistas. Basta escolher a cidade que deseja viver, e se planejar para momentos que mudarão sua vida.

Quem deseja saber mais sobre como realizar um intercâmbio para a Austrália, é só acessar o link a seguir: https://lp.sedaintercambios.com.br/australia-oficial.

Para mais informações sobre Intercambio clique aqui...

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Informa Mídia



Como as competições podem melhorar o desempenho dos alunos

O Brasil é um dos países que menos investe em educação básica no mundo, segundo a OCDE.

Autor: Divulgação

Como as competições podem melhorar o desempenho dos alunos

Volta às aulas: como evitar o estresse e a ansiedade?

Milhares de crianças e adolescentes estão de volta às salas de aula.

Autor: Divulgação

Volta às aulas: como evitar o estresse e a ansiedade?

Educação para autistas: se não agora, quando?

Nos últimos 10 anos muitas foram as conquistas alcançadas pelas pessoas com autismo, fruto de suas lutas e de suas famílias.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Educação para autistas: se não agora, quando?

Readaptação das crianças ao ambiente escolar na volta às aulas

O início do ano letivo se aproxima e com ele muitas expectativas, o período de volta às aulas é um momento de novos desafios e oportunidades.

Autor: Divulgação

Readaptação das crianças ao ambiente escolar na volta às aulas

O direito de estudar também vale para pessoas com autismo

Pautado na perspectiva de um direito humano e fartamente fundamentado nas legislações, o parecer orientador fura a bolha da invisibilidade.

Autor: Lucelmo Lacerda

O direito de estudar também vale para pessoas com autismo

Precisamos ajudar os jovens na conquista de uma autonomia saudável

Criar autonomia não significa agir sem orientação, e é nesse contexto que destaco a importância de auxiliar os jovens em suas escolhas.

Autor: Rafaelle Benevides

Precisamos ajudar os jovens na conquista de uma autonomia saudável

Inovação na educação: o impacto transformador das telas interativas

As telas interativas têm emergido como catalisadoras de mudanças significativas no cenário educacional.

Autor: Severino Sanches

Inovação na educação: o impacto transformador das telas interativas

Revolução educacional e estudantes com autismo: o impacto do CNE

A cada 36 crianças, uma é diagnosticada com autismo. E a garantia do direito à educação desses estudantes se apresenta como tema de interesse público nacional.

Autor: Lucelmo Lacerda e Flávia Marçal

Revolução educacional e estudantes com autismo: o impacto do CNE

Caneta, régua, borracha e apontador são os materiais escolares mais tributados

Pesquisa realizada pela Sovos aponta que tributos incidentes sobre os principais itens escolares podem chegar a 50% do preço final repassado ao consumidor.

Autor: Divulgação

Caneta, régua, borracha e apontador são os materiais escolares mais tributados

Adaptação da criança na escola é momento crítico para pais e educadores

Especialistas dão dicas de como lidar com esse momento de choradeira e inseguranças.

Autor: Divulgação

Adaptação da criança na escola é momento crítico para pais e educadores

Estudantes brasileiros rejeitam FIES como forma de financiamento

30% dos entrevistados não aceitariam de forma alguma o financiamento ou preferem outras formas de pagamento, mesmo se houvesse vaga disponível.

Autor: Divulgação

Estudantes brasileiros rejeitam FIES como forma de financiamento

Estratégias para poupar na compra de material escolar

Dicas sobre como se organizar para que o retorno às aulas não cause um grande impacto financeiro.

Autor: Divulgação

Estratégias para poupar na compra de material escolar